As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

Qual sua opinião sobre folhetos evangelísticos?



https://youtu.be/8ytNdbsEDjg

Os folhetos são instrumentos maravilhosos principalmente em nossa época quando muitos não dispõe de tempo para parar e ouvir uma pregação. O folheto vai junto com a pessoa até que ela terá que esperar por algo como ônibus, médico, etc, e se lembrará do folheto em seu bolso. Ali Deus poderá falar com a pessoa. Creio que isto é um grande auxílio para a dificuldade que você tem de conversar com as pessoas ou mesmo de pregar em público.

É um erro pensarmos que todos os cristãos devem pregar em público. Muitos têm o dom de evangelista, mas isto não significa que têm facilidade em pregar para muitas pessoas. O dom de evangelismo é para evangelizar e a forma mais eficaz de fazê‑lo é pelo contato pessoal. Falar de Cristo a uma só pessoa, no Espírito, é mais eficaz do que pregar carnalmente a uma grande multidão. Há muitos políticos hábeis com os discursos e com palavras persuasivas, mas nem por isso são instrumentos de Deus.

Não se preocupe em pregar em público se acha que não tem tal habilidade. Para falar em público é necessário que se tenha a habilidade ou talento de um orador, o que muitos não têm. Alguns líderes denominacionais obrigam seus discípulos a pregarem em praça pública. O resultado disto eu pude presenciar quando vi um homem com problemas graves de fala (ele era fanhoso) pregando em uma praça pública. Era impossível entender o que dizia e servia apenas como motivo de gozação para os que passavam. Isto não é para a glória de Deus.

Tenho certeza de que ele seria muito mais bem sucedido se reconhecesse o seu problema com a fala e passasse a divulgar o evangelho por meio de folhetos ou de cartas escritas à seus amigos e conhecidos.
Portanto, irmão, procure fazer a obra com as ferramentas que dispõe. Se tem uma boa oratória, use‑a. Se não, procure outros meios. Há muitas maneiras de se divulgar o evangelho e tenho certeza de que você encontrará aquela que Deus quer para você.

Apenas uma observação quanto ao uso de folhetos. Hoje muitas cidades proíbem a prática da panfletagem nas ruas e há leis e multas para isso. Uma distribuição indiscriminada, como se faz com propaganda, irá sujar as ruas e não estará de acordo com a lei. O melhor mesmo é entregar um folheto pessoalmente a alguém, acompanhado de uma palavra amiga. Não é o número de folhetos distribuídos que deve contar, mas a qualidade da distribuição.

Mais acessadas da semana