As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

Você já pertenceu a alguma denominação?



https://youtu.be/puX16SvoFE0

Eu me converti quando estava imerso em filosofias orientais, tendo escutado o puro evangelho de um colega de faculdade. Como nosso contato ficou interrompido e eu nada sabia sobre igrejas ou denominações, voltei ao catolicismo (origem de todo bom brasileiro) e me apliquei ao estudo da Bíblia e da doutrina católica.

Em menos de um ano já começava a perceber que havia algo de errado, não com a Bíblia, mas com o catolicismo. Nessa época eu morava em Alto Paraíso de Goiás, um vilarejo onde trabalhava como professor e para o qual fui levado pelo ideal de fazer alguma diferença neste mundo.

A princípio frequentava a igreja católica, mas na ausência do padre que viajou, passei a me reunir em uma pequena congregação batista composta por apenas uma família e duas viúvas, pessoas que me são queridas até hoje. Aprendi muito com aqueles irmãos .

Pela falta de um pastor, logo eu estava pregando o evangelho junto com o outro irmão. Enquanto aguardava pelo batismo que, segundo a denominação, teria que ser feito por um pastor, o Senhor começou a me despertar para a questão do corpo de Cristo.

O batismo foi adiado por duas vezes, primeiro por causa de um ataque cardíaco no primeiro pastor que viajaria até lá, e depois por um acidente de automóvel envolvendo o segundo pastor. Nesse meio tempo eu brigava, com cartas e palavras, com irmãos que havia conhecido e que se reuniam somente ao nome do Senhor, que reconheciam que a igreja é formada por TODOS os salvos, e que procuravam se reunir separados de todo sistema que de algum modo diminua esta verdade. Eu resistia àquelas idéias.

Mas não existe nada como o toque do Espírito em nosso coração para nos ensinar a Sua Palavra. A tradução Almeida Atualizada diz: "Se alguém QUISER fazer a vontade dEle, CONHECERÁ a respeito da doutrina" (João 7.17). A ordem é sempre esta, e não o inverso. A um coração desejoso de fazer a Sua vontade, o Senhor mostrará que vontade é essa.

Tenho certeza de que você concordará com isto, pois sendo um salvo já experimentou isto em sua vida. Quando fechamos a torneira de nossos argumentos, de nossa sabedoria e de nossa vontade própria, aí estamos prontos para que Ele possa nos falar. E Ele sempre o faz.

Convencido de que não deveria defender o denominacionalismo, e que deveria ser "apenas" um cristão, e não um batista, faltava o Senhor me mostrar que deveria me separar fisicamente do sistema, já que meu pobre e viciado entendimento acreditava haver maior proveito para a obra de Deus se continuasse pregando naquela congregação, que agora tinha sempre "a casa cheia" com meus alunos. Orei por algum tempo até receber a resposta.

Escrevi minha própria experiência sem saber se servirá para alguma coisa. Atrevo-me apenas a deixar a você o que aprendi em Atos 20, quando Paulo antevia um futuro de dificuldades para o rebanho (Atos 20.28-32). Ali os anciãos ou presbíteros já não são vistos como eleitos por homens por indicação dos apóstolos, como era feito no princípio, mas constituídos pelo Espírito Santo, a única condição fidedigna em tempos de ruína.

A distância de Paulo e de sua doutrina, que basicamente trata do mistério da Igreja, o Corpo de Cristo (Efésios 3), um mistério revelado pela primeira vez a Paulo, daria oportunidade à entrada dos lobos cruéis, pessoas de fora interessadas na destruição do rebanho. E não somente isto, mas dentre eles mesmos, homens salvos, se levantariam falando coisas perversas, ou melhor traduzindo, pervertidas ou distorcidas, com uma só finalidade: serem seguidos pelo rebanho.

Em um tal estado de coisas, Paulo os entrega, não a um Papa, a um sistema, a uma convenção ou junta de homens, mas a Deus e à Palavra da Sua graça. Isso é tudo o que necessitamos em um tempo de abandono e ruína como este em que vivemos.

Veja mais sobre o assunto nestes links:

Os primeiros são respostas a cartas e e-mails (você pode ver o assunto no próprio link). Os outros são textos de terceiros, alguns escritos no século 19:

Por que há tantas denominações?
Em que templo devo adorar?
O que significa a mesa do Senhor?
Como celebrar a ceia do Senhor?
Onde celebrar a ceia do Senhor?
O que significa a palavra Igreja?
O que significa reunir-se ao nome do Senhor?
Qual o verdadeiro lugar de adoração?
Quem deve liderar nas reuniões da igreja?
Devemos usar instrumentos musicais na adoração?
Você já pertenceu a alguma denominação?
É possível congregar com desprendimento denominacional?
Qual é a hierarquia na igreja?
Devemos obedecer aos pastores?
O que significa o arraial de Hebreus 13?
Como deve ser o clero na igreja?

Textos de terceiros:
Que denominação é esta?
Princípios fundamentais sobre os quais a igreja é edificada?
Por que nos reunimos assim?
Você parte o pão? Onde?
Doze cartas a um novo convertido

Mais acessadas da semana