As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

Devo procurar a paz dentro de mim?



https://youtu.be/Z8ozfLAjKIs

Enquanto todas as religiões e filosofias humanas mandam que o homem procure conhecer‑se a si mesmo, e procurar uma tal de paz interior, a Bíblia deixa bem claro que não há nada de bom no homem. "Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum" (Rm 7.18). "Porque do INTERIOR do coração dos homens saem os maus pensamentos, os adultérios, as prostituições, os homicídios, os furtos, a avareza, as maldades, o engano, a dissolução, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura. Todos estes males procedem de dentro e contaminam o homem" (Mc 7.21,22).

Portanto, se eu olhar para dentro de mim, só encontrarei miséria e tristeza. Mas se olhar para Cristo, encontrarei tudo o que preciso. E Cristo está no céu, sentado à destra de Deus Pai. E é lá, no céu, que temos tudo. Nossa fé e esperança é lançada lá, e fica lá presa como a âncora de um barco. "...a esperança proposta, a qual temos como âncora da alma segura e firme, e que penetra até ao interior do véu. Onde Jesus, nosso precursor, entrou por nós, feito eternamente sumo sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque" (Hb 6.20). Um barco lança sua âncora no mar e, daí para a frente, o barqueiro só enxerga a corda. Mas ele sabe que seu barco está bem firme, pois lá longe, há uma âncora presa a uma rocha. Assim é conosco, e é daí que vem a nossa paz. Uma paz que foi feita na cruz, colocando‑nos "de bem" com Deus, e que agora flui para nós vinda do trono da graça, no céu, onde está nosso Precursor, isto é, Aquele que foi para lá na nossa frente para preparar‑nos lugar.

Isso tudo é muito precioso, pois mesmo em meio às dificuldades, ao desânimo, à fraqueza e tentações, sabemos que, mesmo que sejamos tão inconstantes como um barco balançando no mar, nossa segurança, nossa paz, nossa esperança, encontram‑se em Cristo, e não em nós mesmos. Nós mudamos, mas Ele nunca muda. É por esta razão que nossa salvação está firme, e este é o assunto de sua segunda pergunta. Se a salvação dependesse de nós, um dia nos sentiríamos salvos e no dia seguinte não. Mas não depende de nós, e sim dEle que morreu na cruz para nos salvar.

Aquele que verdadeiramente crê no Senhor Jesus Cristo nunca mais perderá a sua salvação. A idéia de que num momento estamos salvos e no momento seguinte não, é uma mentira do diabo para lançar os filhos de Deus nas densas trevas do desespero. Isto porque se fosse assim a salvação seria uma espécie de loteria. Se eu morresse ou o Senhor voltasse no momento em que eu acabasse de cometer um pecado, eu não iria para o céu, mas se Ele voltasse ou eu morresse quando estivesse em perfeita comunhão com Deus, aí eu iria. Tal idéia faz com que a salvação dependa de nós, e se dependesse de nós em qualquer medida, então a glória já não seria de Deus, mas nossa. Primeira João 1.10 diz que se dissermos que não pecamos, somos mentirosos. E no capítulo 2 diz que se pecarmos temos um Advogado diante do Pai. É esta a nossa segurança. Se cometo algum pecado, Satanás irá logo me acusar diante de Deus, mas Cristo já está lá para me defender. E o Espírito Santo irá se entristecer e me levar a confessar meu pecado. E continuarei desfrutando do perdão completo que me foi concedido graças à morte de Cristo na cruz do Calvário.

Mais acessadas da semana