As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

O cristao deve buscar a justica dos homens?



https://youtu.be/-GqI3bviK9I

Sua dúvida está relacionada a como um cristão deve proceder quando for injustiçado, como em casos de cobrança indevida de uma conta, mover uma ação contra alguém que o feriu ou lhe causou prejuízo e coisas semelhantes. Como o cristão deveria agir em situações assim?

Minha opinião é que, se existe uma justiça humana que foi instituída por Deus, o cristão não peca se buscar o reparo ou compensação. Deus deu ao homem o governo para julgar e condenar quando fosse o caso, e isso nunca foi revogado. No início Deus já havia dado a Adão o privilégio de nomear os animais e administrar a Criação de Deus. Depois do dilúvio Deus deu a Noé a autoridade de administrar, julgar e punir seus semelhantes.

Gên 9:6 "Quem derramar sangue de homem, pelo homem terá o seu sangue derramado; porque Deus fez o homem à sua imagem".

Essa autoridade delegada ao homem, que inclui a pena capital, nunca foi revogada. Em Romanos 13 (veja mais abaixo) diz que a autoridade humana é ministro de Deus para o nosso bem, e que não é em vão que traz a espada. Ou seja, a autoridade tem o poder de punir, inclusive com pena de morte quando necessário. Em que pese toda a celeuma em torno da pena de morte, não devemos nos esquecer de que foi Deus quem a decretou e esse decreto nunca foi revogado. (Falo mais sobre a pena de morte neste link).

Rom 13:1-7 "Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas por Deus. Por isso, quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela. Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus e vingador para castigar o que faz o mal. Portanto, é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente pelo castigo, mas também pela consciência. Por esta razão também pagais tributos, porque são ministros de Deus, atendendo sempre a isto mesmo. Portanto, dai a cada um o que deveis: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra".

"Mas a nossa pátria está nos céus", diz em Filipenses 3:20. Será que isto quer dizer que devo me separar totalmente deste mundo como fazem os monges católicos ou algumas comunidades rurais protestantes? O cristão deve sim viver separado do mundo no sentido moral, pois lhe é impossível sair do mundo. Como disse alguém, "o problema não é o barco estar no mar, o problema é o mar estar no barco".

Se prestar atenção, verá que todas as atividades dos cristãos no Novo Testamento acontecem em cidades, não na zona rural. Até mesmo as diferentes assembléias eram identificadas pelo nome das cidades onde estavam.

A posição do cristão no mundo pode ser entendida quando vemos o que Deus ordenou aos judeus que foram exilados na Babilônia, um terreno inimigo. Eles deviam viver normalmente ali e inclusive orar pela paz da cidade de Babilônia, e não criar algum tipo de movimento terrorista ou de desobediência civil.

Jer 29:4-7 "Assim diz o Senhor dos exércitos, o Deus de Israel, a todos os do cativeiro, que eu fiz levar cativos de Jerusalém para Babilônia: Edificai casas e habitai-as; plantai jardins, e comei o seu fruto... E procurai a paz da cidade, para a qual fiz que fôsseis levados".

Mas, voltando à questão do crente, se deve ou não buscar reparação na justiça humana, creio que se o fizer não estará pecando. Por exemplo, se o governo hoje convida os que tinham dinheiro na poupança em um dos planos passados para entrarem com uma ação contra o governo para receber a diferença, é porque não existe nada de errado contra isso. Então um cristão poderá também buscar seus direitos.

Porém, apelar para a justiça dos homens é facultativo ao cristão. Ou seja, se tenho algo contra alguém e até o direito de receber uma indenização, mas sei que isso irá prejudicar essa pessoa, eu posso perdoá-la e abrir mão de meus direitos. Resumindo, se você apelar para a justiça dos homens, você não peca e estará agindo amparado pelas próprias autoridades que Deus instituiu para que existisse ordem neste mundo. Mas perdoar e deixar pra lá é também uma opção que o cristão tem, por saber que Deus está no controle de tudo.

Sempre me lembro de um caso que li, de uma enfermeira que trabalhava em um hospital muitas horas a mais do que deveria e sem receber por essas horas extras. Alguém que viu a injustiça que a empresa estava cometendo contra ela, comentou indignado: "Você não pode deixar isso acontecer! Até Deus está vendo que é uma injustiçao que estão fazendo". A enfermeira respondeu: "Pois é, Deus está vendo".

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana