As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

O arrebatamento da Igreja aparece no Antigo Testamento?



https://youtu.be/hQzNgQek2tk

O arrebatamento não aparece nas profecias do Antigo Testamento. É possível utilizar figuras do arrebatamento, como Enoque e Elias, mas apenas como exemplos e não como sendo a coisa em si. Enoque e Elias foram tirados do mundo por uma espécie de arrebatamento, mas não é o mesmo que ocorrerá com a Igreja, quando os mortos ressuscitarão e os vivos serão transformados. Destes Jesus é as "primícias" ou os primeiros frutos, portanto ele não poderia ter sido precedido por Enoque e Elias nessa condição.

1Ts 4:13-18 "Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança. Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem, Deus os tornará a trazer com ele. Dizemo-vos, pois, isto, pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem. Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor. Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras.

Para entender o arrebatamento é preciso entender antes que a Igreja não é Israel, mas era um mistério (segredo) que não foi revelado a nenhum dos profetas do Antigo Testamento. Portanto é preciso entender que as profecias do Antigo Testamento NUNCA falam da Igreja. Quando Israel rejeitou seu Messias e Rei Jesus, a profecia entrou em um estado de suspense para Deus introduzir a época da Igreja. Assim que esta for arrebatada o relógio profético recomeça a bater para cumprir a última semana de anos profetizada por Daniel.

Dan 9:24 "Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo". -- Ou seja, Deus está revelando a Daniel que até tudo ser resolvido com respeito a Israel, até Cristo voltar para reinar, se passarão "setenta semanas" ou 490 anos. Este tempo é dividido em 3 partes.

Dan 9:25 "Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém..." -- A ordem foi dada por Artaxerxes em 445 A.C. "...até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos". -- As setenta semanas aparecem divididas em dois períodos, um de 7 semanas (49 anos) e outro de 62 semanas (434 anos). Nas primeiras 7 semanas (49 anos) Jerusalém foi reconstruída.

Dan 9:26 "E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo..." -- Aqui fala da morte do Messias, Jesus, ocorrida 434 anos após a reconstrução de Jerusalém. "...e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações". -- Esta é a destruição da cidade e do Templo, o que ocorreu no ano 70 da era cristã. A cidade e o templo foram destruídos pelos romanos, "o povo do príncipe que há de vir", uma alusão ao anticristo.

Dan 9:27 "E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador". -- Repare que as 70 semanas de anos foram divididas em 7 semanas para reconstrução da cidade, 62 semanas até o Messias ser "tirado", e finalmente a última semana (7 anos) quando esse príncipe fará cessar o sacrifício e ocorrerá "a consumação" ou o fim.

Se você fizer as contas, verá que são perfeitamente identificáveis na história as primeiras 7 semanas e a outra porção de 62 semanas, mas não a última, pois ainda não ocorreu. Entre a retirada do Messias e o dia de hoje já se passaram mais de dois mil anos que não aparecem no cálculo porque era justamente o período em que Deus iria encaixar a sua Igreja, o "segredo" ou "mistério" que estava escondido da profecia dirigida a Israel. A retomada das tratativas com Israel só pode ocorrer se a Igreja for tirada de cena, já que ela não tem nada a ver com Israel. Isto ocorrerá no arrebatamento.

Portanto o arrebatamento já poderia acontecer a qualquer momento a partir do dia de Pentecostes, em Atos 2, já que não existia nada que precisasse se cumprir profeticamente entre a retirada do Messias e o início da última semana. No final da última semana Cristo vem para reinar e traz consigo justamente aqueles que foram arrebatados:

1Ts_3:13 "Para confirmar os vossos corações, para que sejais irrepreensíveis em santidade diante de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo COM TODOS OS SEUS SANTOS". 

Para que "todos os seus santos" participem dessa vinda de Jesus para reinar, obviamente eles precisam estar no céu antes disso.

por Mario Persona

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana