As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

Qual a diferenca entre batismo e selo do Espirito?



https://youtu.be/HTnp8RSpMrQ

Existe hoje muita confusão na cristandade, especialmente entre os pentecostais, por falta de entendimento das diferentes maneiras como o Espírito Santo agiu na história e age no crente. Por exemplo, muitos erram ao pensar que 1 Coríntios 12 esteja falando do recebimento do Espírito Santo pelo convertido, quando ali o assunto é a inclusão do crente naquilo que aconteceu uma só vez no dia de Pentecostes.

1Co 12:12-14 Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também. Pois todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito. Porque também o corpo não é um só membro, mas muitos.

Veja que o contexto é o corpo de Cristo e não a salvação individual e nem ao recebimento do Espírito Santo. Paulo fala aos Coríntios "todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo". Obviamente o corpo não é formado cada vez que alguém se converte e recebe o Espírito, portanto isso aqui não aconteceu quando os de Corinto se converteram ou foram selados com o Espírito Santo, mas foi o que ocorreu em Pentecostes (quando os de Corinto nem tinham sido salvos ainda). Mas aquele evento de Pentecostes é válido para todos os que foram salvos depois. Todos estavam incluídos naquele batismo que formou a Igreja em Pentecostes. Pense no exército: ele foi formado em um determinado dia e a partir daí cada soldado é acrescentado ao "corpo" do exército sem que o exército seja formado outra vez. Pense no batismo no Espírito como um evento único que não se repete.

Efs 4:4-6  Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação; Um só Senhor, uma só fé, um só batismo; Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos vós.

Eu entendo que o versículo 5 esteja falando do batismo nas águas, porque no versículo 4 ele falou do corpo e do Espírito no qual esse um só corpo foi batizado.

Efs 1:13-14  Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa. O qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão adquirida, para louvor da sua glória.

Aqui não é o batismo no Espírito, mas o recebimento do selo do Espírito, que é o próprio Espírito habitando em nós. No batismo de Pentecostes o Espírito veio habitar na terra e particularmente na igreja, embora naquele momento os 120 crentes ali tenham recebido individualmente o selo do Espírito também. Mas a partir daí (e é o assunto de Efésios) recebemos o selo do Espírito quando cremos. Chamar de batismo no Espírito é o mesmo que dizer que o corpo de Cristo é formado a cada pessoa que se converte. Mas não é, somos meramente acrescentados a um Corpo que já existe.

Efs 5:18 E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito;

Aqui já é outra coisa que não tem a ver com o batismo de Pentecostes e nem com o recebimento do selo quando cremos. Aqui fala de nos enchermos do Espírito e é possível ver que a diferença é grande quando nos lembramos de que os santos do Antigo Testamento também eram cheios do Espírito, embora nenhum deles tenha participado da igreja (que foi criada quando o Espírito desceu em Pentecostes) e nem tinham o selo do Espírito (que é característico daqueles que fazem parte do corpo de Cristo, que é a Igreja).

Ao comparar com a embriaguez o apóstolo mostra que está falando de uma influência adicional, muito embora a embriaguez nos leve a perder os sentidos, o que o Espírito Santo não fará. Mas os aspectos semelhantes são a pessoa sendo influenciada por algo fora dela mesma, ficando mais alerta e disposta e agindo e caminhando de modo diferente. O "encher-se do Espírito" causa esse tipo de influência em nós, mas é algo que depende de nossa comunhão com Deus.

Então veja que temos algumas coisas distintas relacionadas ao Espírito:

- O encher-se do Espírito de Ef 5:18 que era algo possível mesmo aos santos do Antigo Testamento.

- O batismo do Espírito que aconteceu apenas uma vez em Pentecostes quando foi formado o corpo de Cristo, que é a igreja em Atos 2.

- O Espírito Santo habitando no crente como consequência disso, conforme o Senhor prometeu em João 14:16.

- O recebimento do selo do Espírito Santo, que é a garantia da nossa salvação em Ef 1:13-14.

- A unção do Espírito que permite que o crente entenda as coisas de Deus, como ensina 1 João 2:27.

Quando você compara a descida do Espírito sobre o Senhor Jesus em seu batismo nas águas com a descida do Espírito sobre os 120 na formação da igreja em Atos, encontra um grande contraste: sobre o Senhor o Espírito desceu em forma de pomba, mas sobre a igreja em forma de línguas como de fogo. A pomba nos fala de paz e o fogo de purificação. Não havia nada no Senhor que precisasse ser purificado, mas na igreja sim, daí a diferença.

Nós, individualmente, passamos primeiro pelo novo nascimento, ao nascermos da água e do Espírito, que nos infunde vida para podermos sentir o peso de nossos pecados (ou nem sentiríamos isso) e crer no Salvador. O sangue derramado na cruz nos purifica de todo pecado, deixando-nos portanto aptos a sermos feitos morada do Espírito.

Quanto à sua dúvida sobre batismo de crianças, tal prática não existe na Bíblia, mas existe sim o batismo de famílias como a do carcereiro em Atos 16:30-34 e de Estéfanas em 1 Co 1:16, que foram obviamente batizadas na fé do cabeça da casa, como aconteceu em figura com todos os israelitas que saíram do Egito e passaram pelo mar ("Todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar" - 1 Co 10:2), mesmo aqueles que não tinham entendimento do que estava acontecendo.

É importante entender que o batismo não tem conotação com a salvação da alma, mas com o colocar alguém "a salvo" deste mundo por introduzi-lo na esfera cristã. Existem hoje no mundo milhões de pessoas que nunca foram salvas e mesmo assim professam ser cristãs por terem sido batizadas (independente da idade) em nome de Cristo. Este simples detalhe as tirou da esfera do paganismo e as introduziu numa nova esfera de responsabilidade, tal qual ocorreu com muitos que saíram do Egito, passaram pelo fundo do mar, e mesmo assim nunca tiveram um exercício pessoal de fé no Deus verdadeiro. O Antigo Testamento os chama de "vulgo", pessoas que tinham o coração no Egito e nenhum apreço pelo pão que vinha do céu:

Núm 11:4-6  E o vulgo, que estava no meio deles, veio a ter grande desejo; pelo que os filhos de Israel tornaram a chorar, e disseram: Quem nos dará carne a comer? Lembramo-nos dos peixes que no Egito comíamos de graça; e dos pepinos, e dos melões, e dos porros, e das cebolas, e dos alhos. Mas agora a nossa alma se seca; coisa nenhuma há senão este maná diante dos nossos olhos.

por Mario Persona

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana