As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

O que significa a fe' uma vez dada aos santos?



http://youtu.be/ZQjQBKu30Yg

Ao ler a tradução do livro "Teologia do Pacto ou Dispensacionalismo", de Bruce Anstey, você disse ter estranhado a citação de um versículo da epístola de Judas neste trecho: "Foi somente nos anos 1800 que Deus efetuou uma restauração completa da verdade 'que uma vez foi dada aos santos' (Jd 3) e a verdade dispensacional voltou a ser conhecida."

Quando traduzi o texto também estranhei ele usar Judas 1:3, mas acho que é porque sempre associamos "fé" à salvação e não à completa revelação de Deus, que é o assunto da epístola de Judas. Uma outra leitura do versículo seria da versão Almeida e Atualizada:

"Amados, quando empregava toda a diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos".

O que o autor do livro está falando não é nenhuma doutrina nova, mas apenas a restauração daquilo que os primeiros cristãos já conheciam e que foi perdido com a apostasia (abandono da verdade ) do advento do clericalismo, que privou o Espírito Santo de usar quem Ele quer nas reuniões da igreja e instituiu sacerdotes e papas.

Se continuar lendo o capítulo de Judas verá que é justamente este o contexto. Veja que ele começou querendo escrever sobre a salvação, comum a todos os cristãos, mas sentiu-se obrigado a exortá-los a batalhar pela fé que uma vez por todas foi dada aos santos, ou seja, não está falando agora de salvação mas de algo mais.

Esse "algo mais" é o que vem do versículo 4 em diante mostrando a degradação da "fé que uma vez por todas foi entregue aos santos" com a introdução de homens ímpios que negam o senhorio de Cristo, além dos exemplos de Caim, Balaão e Coré, que tentaram usurpar posições que não lhes tinham sido dadas por Deus. Estes links abaixo irão ajudar a enxergar que ligação tem a carta de Judas com o estado de ruína da cristandade:

http://www.3minutos.net/2013/04/442-as-segundas-epistolas.html
http://www.3minutos.net/2013/05/443-detector-de-lobos.html
http://www.3minutos.net/2013/05/444-balaao-e-cora.html
http://www.3minutos.net/2013/05/445-origem-do-engano.html

Darby comenta o versículo:

“A expressão ‘fé que uma vez por todas foi dada aos santos’ significa que devo voltar ao princípio, à fé original conforme foi dada. Em nossos dias é importantíssimo inquirir o que era no princípio. Com certeza você encontra no Novo Testamento o que era no princípio. Se eu permanecer nisso, permaneço no Pai e no Filho; 1 João 2:25. Os versículos 14 e 15 falam da profecia de Enoque, o primeiro testemunho de Deus. Aqui vemos que Deus desde o seu primeiro testemunho Deus havia contemplado a apostasia da igreja; do mesmo modo como em Deuteronômio 32 ele previa no começo da história de Israel como seria o seu final.

A intenção de Judas era escrever a eles acerca de comum salvação de todos os cristãos; mas ele achou necessário exortá-los a permanecerem firmes, a contenderem pela fé que uma vez por todas foi dada aos santos. Isso porque aquela fé já estava sendo corrompida pela negação dos direitos de Cristo de ser Senhor e Mestre; e do mesmo modo, ao dar rédea solta à vontade própria, eles abusavam da graça e a transformavam em um princípio de dissolução. Estes são os dois elementos do mal que os instrumentos de Satanás introduziram, a rejeição da autoridade de Cristo (não o Seu nome) e o abuso da graça, a fim de permitir suas próprias luxúrias. Em ambos os casos prevaleceu a vontade do homem, que eles liberaram de tudo o que a limitava. A expressão ‘Senhor Deus’ aponta para este caráter de Deus. Aqui ‘Senhor’ não é a palavra comumente usada, mas ‘despotes’ que significa ‘mestre’” (J. N. Darby).

 por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana