As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

Anulamos a Lei pela fe'?



https://youtu.be/xSOoI-zqLaY

Uma passagem que traz alguma dificuldade para o leitor é o último versículo do capítulo 3 de Romanos. Isto porque existe uma espécie de consenso religioso de que a Lei, dada por intermédio de Moisés, seria uma espécie de manual de como se viver para merecer a salvação. O que nem todos percebem é que a Lei é como uma placa de contra-mão: ela indica que você está na direção errada mas não tem qualquer poder de manobrar seu enorme caminhão entalado numa rua estreita. Selecionei alguns comentários de autores que explicam esta passagem e deixam muito claro o papel da Lei e da fé na salvação do homem. Como alguém disse, afirmar que Paulo estaria anulando a Lei por causa da fé seria o mesmo que "a semeadura de um campo demonstrar que o arado foi usado em vão" (F. W. Grant). 

"Ora, nós sabemos que tudo o que a lei diz, aos que estão debaixo da lei o diz, para que toda a boca esteja fechada e todo o mundo seja condenável diante de Deus. Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado... Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei... Anulamos, pois, a lei pela fé? De maneira nenhuma, antes estabelecemos a lei." Romanos 3:19-31

"Nunca a lei foi tão honrada e estabelecida quanto na morte de Cristo. O Evangelho honra a lei por permitir que ela faça seu trabalho de despertar o conhecimento do pecado. Então o Evangelho entra em cena e faz aquilo que a lei nunca era para fazer. O Evangelho traz justificação completa ao crente em Jesus" - F. B. Hole


"A lei exige total obediência. A pena pela quebra da lei deve ser paga, e a pena é a morte. Se um transgressor da lei pagar a pena ele estará perdido eternamente. O Evangelho mostra como Cristo morreu para pagar a pena da lei que foi transgredida. Ele não tratou a lei como algo a ser ignorado; ele pagou completamente a dívida. Agora qualquer um que tenha transgredido a lei pode se beneficiar do fato de que Cristo pagou a pena em seu lugar. Assim o Evangelho da salvação pela fé honra a lei ao insistir que suas demandas sejam total e completamente atendidas" - W. MacDonald


"A fé estabelece a lei; ela coloca a lei em seu devido lugar e concede a ela toda a sua força, considerando-a em sua absoluta severidade, justiça e inflexibilidade. Reconhece totalmente seu 'ministério da morte' (2 Co 3:7), seu 'ministério da condenação' (2 Co 3:9), que ela condena e não poderá justificar o pecador. Portanto, a fé não pode imputar à lei o 'ministério da vida' (2 Co 3:6), o 'ministério da justiça' (2 Co 3:9), pois esses ministérios não são pela lei de Deus, mas pela graça de Deus. (2 Co 3:1-18)". - L. M. Grant


"Seria isso a anulação da lei como princípio? Muito pelo contrário. A lei nunca teve o papel que tem o Evangelho que é proposto para a fé, quer alguém olha para o pecador que está completamente condenado sob a lei, quer olhe para Cristo feito maldição na cruz. Por outro lado, aqueles que querem considerar os cristãos como estando sob a lei para a regra desta não enfraquecer a autoridade deles, ensinando-os a esperar por salvação ao mesmo tempo em que fracassam em atender as exigências da mesma lei, esses são os que não estão estabelecendo a lei, mas anulando-a" - W. Kelly


"Aqueles que afirmam que ainda estamos sob a lei a tornam nula, pois ela amaldiçoa os que se encontram sob ela, já que não a guardam. Aqueles que estavam antes sob a lei precisaram ser redimidos de sua maldição pela morte de Jesus. Sendo assim, se as Escrituras nos colocam sob a lei novamente, então seria preciso que Jesus morresse outra vez para nos redimir da maldição da lei. (Veja Gl 3:10-13; 4:4-5.) 'Anulamos, pois, a lei pela fé? De maneira nenhuma, antes estabelecemos a lei.' (Rm 3:31). Jesus é revelado aos olhos da fé, levando a maldição da lei transgredida no lugar daqueles que se encontravam sob ela — se isto não estabelece as reivindicações da lei de Deus, o que mais pode fazê-lo? Mas se fôssemos novamente colocados sob a lei então suas reivindicações teriam que ser novamente estabelecidas, ou ela seria tornada nula." - C. Stanley


"Será que a fé anulou a autoridade da lei? De maneira nenhuma. A fé estabeleceu completamente a autoridade da lei, mas fez com que o homem participasse da justiça divina ao mesmo tempo que reconhecia sua justa e total condenação pela lei como estando sob ela — a condenação que fez com que outra justiça fosse necessária, já que de acordo com a lei o homem não tinha justiça alguma de si mesmo. A lei exigia a justiça, mas ela apontava que havia pecado ali. Se a justiça que ela demandava não tivesse sido necessária, ao falhar em produzir tal justiça no homem não haveria necessidade de outra justiça. Mas a fé afirmou haver tal necessidade e que era válida a condenação do homem sob a lei, ao fazer com que o crente participasse dessa outra justiça, que é de Deus. Aquilo que a lei demandava ela não podia dar; e até mesmo por ela ter demandado isso, o homem falhou em produzir tal justiça. Se a lei lhe tivesse concedido tal justiça a obrigação teria sido anulada. Deus age em graça, quando a obrigatoriedade a lei é totalmente mantida na condenação. Ele concede justiça, pois ela deve ser possuída. Ele não anula a obrigação da lei, segundo a qual o homem está totalmente condenado, mas, ao mesmo tempo em que reconhece e afirma a justiça dessa condenação, Deus glorifica a si mesmo em graça ao garantir ao homem uma justiça que é divina, quando este não há qualquer justiça humana para ser apresentada a Deus em conexão com a obrigação imposta sobre o homem pela lei. Nada jamais deu tanta sanção divina à lei como fez a morte de Cristo, que levou sua maldição, mas não nos deixou sob ela. Portanto a fé não anula a lei, mas estabelece sua autoridade completamente. Ela mostra o homem condenado justamente sob a lei, e mantém a autoridade da lei nessa condenação, pois considera que todos os que estão sob a lei estão sob maldição. Você ira reparar que o que é distintamente apresentado até o final do capítulo 3 de Romanos é o sangue de Cristo sendo aplicado aos pecados do velho homem, fazendo do perdão algo justo, e tornando o crente livre de seus pecados, já que estes foram purificados pelo sangue de Cristo. Isto atende plenamente a culpa do velho homem". - J. N. Darby


por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana