As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

Podemos congregar ao nome do Senhor numa praca?



https://youtu.be/qaCMCg7FZBA

Não há nada de errado em se pregar o evangelho para incrédulos numa praça, mas quando estamos congregados ao nome do Senhor é importante entender o caráter reservado dessa reunião. Nos evangelhos sempre que o Senhor tinha coisas mais elevadas para dizer ele não dizia para a multidão, mas chamava os discípulos à parte ou a uma casa. Quando ele os enviou para preparar a páscoa, não foi numa praça, mas num cenáculo, um andar elevado acima do nível do chão e do mundo.

“Chegou, porém, o dia dos ázimos, em que importava sacrificar a páscoa. E mandou a Pedro e a João, dizendo: Ide, preparai-nos a páscoa, para que a comamos. E eles lhe perguntaram: Onde queres que a preparemos? E ele lhes disse: Eis que, quando entrardes na cidade, encontrareis um homem, levando um cântaro de água; segui-o até à casa em que ele entrar. E direis ao pai de família da casa: O Mestre te diz: Onde está o aposento em que hei de comer a páscoa com os meus discípulos? Então ele vos mostrará um grande cenáculo mobilado; aí fazei preparativos. E, indo eles, acharam como lhes havia sido dito; e prepararam a páscoa. E, chegada a hora, pôs-se à mesa, e com ele os doze apóstolos.” (Lc 22:7-14).

E vemos também que foi num lugar assim que a igreja teve início, em um cenáculo, mas entenda que estou falando do aspecto de estar congregado acima do nível do chão e dos homens, e não que a Igreja precisaria se reunir literalmente num sobrado:

“Então voltaram para Jerusalém, do monte chamado das Oliveiras, o qual está perto de Jerusalém, à distância do caminho de um sábado. E, entrando, subiram ao cenáculo, onde habitavam Pedro e Tiago, João e André, Filipe e Tomé, Bartolomeu e Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão, o Zelote, e Judas, irmão de Tiago. Todos estes perseveravam unanimemente em oração e súplicas, com as mulheres, e Maria mãe de Jesus, e com seus irmãos. E naqueles dias, levantando-se Pedro no meio dos discípulos (ora a multidão junta era de quase cento e vinte pessoas) disse...” e aqui Pedro e os outros vão tratar da escolha de Matias para ocupar o lugar de Judas entre os doze apóstolos.

Mas fica evidente que as mesmas cento e vinte pessoas estavam no cenáculo quando, no capítulo 2, o Espírito Santo desceu e teve início a Igreja, que é o Corpo de Cristo, quando Deus reverteu o que fez em Gênesis, ao dividir os seres humanos por diferentes línguas. Agora, como Igreja, seria possível que todos tivessem um mesmo pensamento e um mesmo entendimento, mesmo que falassem diferentes idiomas. Tudo isso ocorreu no mesmo cenáculo do capítulo 1:

“E, cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos concordemente no mesmo lugar; e de repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados. E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles. E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.” (At 2:1-4).

Também quando Paulo partiu o pão com os irmãos e Êutico caiu da janela, era um lugar elevado, e isso nos fala de estarmos em um lugar separado e acima do movimento deste mundo.

“E no primeiro dia da semana, ajuntando-se os discípulos para partir o pão, Paulo, que havia de partir no dia seguinte, falava com eles; e prolongou a prática até à meia-noite. E havia muitas luzes no cenáculo onde estavam juntos. E, estando um certo jovem, por nome Êutico, assentado numa janela, caiu do terceiro andar, tomado de um sono profundo que lhe sobreveio durante o extenso discurso de Paulo; e foi levantado morto. Paulo, porém, descendo, inclinou-se sobre ele e, abraçando-o, disse: Não vos perturbeis, que a sua alma nele está. E subindo, e partindo o pão, e comendo, ainda lhes falou largamente até à alvorada; e assim partiu.” (At 20:7-11).

Tudo isso nos ajuda a enxergar que a reunião da igreja não é um evento público, reservada para os salvos, embora um ou outro visitante possa eventualmente assistir sem participar do ministério, ceia do Senhor e orações. As atividades da reunião da igreja ou assembleia não incluem a pregação do evangelho, embora obviamente o tema sempre irá girar em torno da Pessoa e obra de nosso Senhor Jesus Cristo. Mas as atividades que cabem à reunião da igreja ou assembleia são a doutrina e comunhão dos apóstolos para a Igreja, a ceia do Senhor e as orações, como mostra Atos 2:42: “E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações.”

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana