As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

O que e' a sa doutrina?



https://youtu.be/lFcGG4IKwD4

Que "sã doutrina" seria essa de que Paulo falava ao dizer que alguns não a suportariam? "Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas." (2 Tm 4:3-4).

Acredito que a resposta para "o que é a sã doutrina" seja toda a doutrina dos apóstolos, mas em especial a doutrina que foi revelada ao apóstolo Paulo, a qual é hoje largamente desprezada na cristandade. É só continuar lendo o capítulo para ver que Paulo (e por conseguinte sua doutrina) já estava sendo desprezado por muitos no final de sua vida. A segunda epístola a Timóteo é sua última carta que chegou até nós antes de ele ser morto. Ali ele escreve: "Porque Demas me desamparou, amando o presente século, e foi para Tessalônica, Crescente para Galácia, Tito para Dalmácia. Só Lucas está comigo... Alexandre, o latoeiro, causou-me muitos males... Ninguém me assistiu na minha primeira defesa, antes todos me desampararam." (2 Tm 4:10-16).

Uma vez alguém me enviou um vídeo de um conhecido pastor batista no qual ele sugere que Paulo deveria ter estudado teologia para poder explicar melhor suas ideias. Recentemente alguém escreveu mostrando grande indignação por ter escutado o mesmo pregador insinuar que a "água viva" que Jesus oferece à mulher de Samaria em João 4 seria o líquido seminal masculino, uma ideia que esse pregador deve ter aprendido com os hereges gnósticos, que já atuavam no segundo século da era cristã. Não é de surpreender que das escolas de teologia saem pessoas assim, que são "ordenadas" para pastorear rebanhos denominacionais, pois o que mais se aprende lá é conhecimento humano, e não a "sã doutrina". Alguns alegam que as escolas de teologia seguem a instrução dada por Paulo a Timóteo: "O que de mim, entre muitas testemunhas, ouviste, confia-o a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem os outros." (2 Tm 2:2). Será? Não creio.

Esta foi uma ordem pessoal de Paulo a Timóteo, pois ele tinha recebido ensinos e revelações que outros apóstolos não tinham recebido e isso precisava ser compartilhado numa sequência envolvendo Paulo, Timóteo, homens fiéis, outros homens fiéis. Esta era a maneira de disseminar a sã doutrina. A ordem de Paulo a Timóteo era que ele confiasse esse ensino "a homens fiéis", obviamente se referindo a irmãos experimentados e idôneos para ensinarem outros. Seria ingenuidade considerar alguém que passa num vestibular ou paga uma taxa de inscrição numa faculdade de teologia como um "homem fiel". Qualquer um pode sentar-se na carteira de uma escola assim, independente de seu caráter moral, pois na maioria delas o que vale é o "QI", no sentido regular e alternativo do termo.

Não se pode ler este versículo de 2 Timóteo 2:2 sem levar em consideração o estado de ruína do testemunho e abandono da pessoa e doutrina de Paulo que naquele momento estava no início, e só iria aumentar com o passar dos séculos. "Bem sabes isto, que os que estão na Asia todos se apartaram de mim... Demas me desamparou, amando o presente século, e foi para Tessalônica, Crescente para Galácia, Tito para Dalmácia... Alexandre, o latoeiro, causou-me muitos males... todos me desampararam." (2 Tm 1:15; 4:10-22). A sã doutrina já estava sendo atacada de todos os lados, daí a exortação "evita os falatórios profanos, porque produzirão maior impiedade. E a palavra desses roerá como gangrena; entre os quais são Himeneu e Fileto; os quais se desviaram da verdade" (2 Tm 2:16-18).

E quem era esse Paulo que esses homens abandonavam, desprezavam e criticavam, a exemplo do que fazem muitos pregadores modernos? Ninguém menos que o apóstolo a quem haviam sido revelados e confiados mistérios inestimáveis nunca antes conhecidos dos profetas do Antigo Testamento e nem mesmo dos apóstolos que vieram antes dele. Quais mistérios ou segredos eram esses? Os mistérios do evangelho da graça de Deus (Rm 16:25-26), do endurecimento de Israel por um tempo (Rm 11:25-27), do arrebatamento e da ressurreição do corpo de Cristo (1 Co 15:51-53), do um só corpo, a Igreja (Ef 3:1-9), da cidadania ou vocação celestial do crente no corpo de Cristo (Ef 1:3; Fp 3:20-21), do propósito de Deus de reunir todas as coisas em Cristo na dispensação da plenitude dos tempos (Ef 1:9-10), da graça de Deus (Rm 6:14), da identificação do crente com Cristo (1 Co 15:1-4), da iniquidade e do anticristo (2 Ts 2:6-12) e outras verdades decorrentes destas.

Então quando Paulo diz a Timóteo para confiar "a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem os outros" (2 Tm 2:2) as coisas que lhe tinham sido passadas, ele não estava de brincadeira. Certamente não estava dizendo para Timóteo abrir um Instituto Bíblico, uma Faculdade de Teologia ou um site na Web oferecendo algum curso livre com direito a um certificado de papel e a possibilidade de ser "ordenado pastor" e "abrir um trabalho", como se costuma dizer no meio evangélico. Paulo falava sério da necessidade de compartilhar a homens sérios e idôneos as coisas sérias que ele tinha recebido por revelação.

Tudo fará mais sentido se você juntar isso com o alerta do apóstolo no capítulo 3, no qual o assunto é continuação do capítulo 2 onde ele descreveu a condição da "casa de Deus" (1 Tm 3:15) que deveria ter sido "coluna e firmeza da Verdade", mas pela ação de homens inidôneos havia se transformado numa "grande casa" (2 Tm 2:20) onde havia vasos para honra e desonra. Veja o que o capítulo 3 fala dos homens que haviam tomado de assalto a "grande casa" e agora angariavam seguidores com promessas vãs. Foi disso que Paulo alertou os anciãos de Éfeso em Atos 20:29-31, quando disse: "eu sei isto que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não pouparão ao rebanho; e que de entre vós mesmos se levantarão homens que falarão coisas perversas, para atraírem os discípulos após si. Portanto, vigiai, lembrando-vos de que durante três anos, não cessei, noite e dia, de admoestar com lágrimas a cada um de vós.". Os comentários entre chaves são meus para explicar melhor:

"Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade [não se apresentam como bandidos], mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te. Porque deste número são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências [concupiscência: desejo ardente de possuir algo]; que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade. E, como Janes e Jambres resistiram a Moisés [imitando os milagres de Deus], assim também estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé. Não irão, porém, avante; porque a todos será manifesto o seu desvario, como também o foi o daqueles." (2 Tm 3:1-9).

Os homens desta passagem certamente não podem ser qualificados como "homens fiéis" para aprenderem com Timóteo. Além do mais, o encargo que Paulo dava a Timóteo não era baseado em idade ou formação, pois sabemos que Timóteo era um jovem que até mesmo devia enfrentar o preconceito de irmãos mais velhos. "Ninguém despreze a tua mocidade" (1 Tm 4:12), escreve Paulo. Portanto para considerar escolas de teologia como aquilo que é descrito por Paulo em 2 Timóteo 2:2 seria preciso admitir que um vestibular ou o pagamento de uma taxa de inscrição e outras mensalidades é tudo o que se requer de "homens fiéis". Além disso, se era para Timóteo encontrar homens assim para receber o ensino do Espírito dado através do apóstolo Paulo, seria preciso eles que esses "homens fiéis" tivessem um grande apreço por Paulo e sua doutrina, e não um desprezo declarado como é encontrado dentro das paredes dessas instituições. Ali é justamente o ensino de Paulo o mais rechaçado, pois muitos teólogos o consideram um machista recalcado que escrevia coisas que só serviam para sua época e costumes.

Quer um exemplo? Na maioria dessas escolas de teologia são admitidas mulheres para ensinar, algo totalmente fora daquilo que Paulo ensinou. Algumas estudantes sairão qualificadas, segundo o padrão humano, para receberem títulos pomposos, como "pastoras", "bispas" e "apóstolas", exercendo "autoridade de homem" (1 Tm 2:12 ARA). Quando Paulo ordenou que as mulheres ficassem caladas nas igrejas (1 Coríntios 14:33-37) ele concluiu dizendo que as coisas que ele escrevia eram "mandamentos do Senhor". Em 1 Timóteo 2:11-15 Paulo ampliaria o escopo de seu ensino sobre o lugar da mulher proibindo-a de ensinar e assumir autoridade designada ao homem. Seria ingenuidade pensar que as escolas de teologia ensinem isso, pois se os "pastores" saíssem levando esse ensino não encontrariam emprego em nenhuma denominação moderna.

Nessas escolas o que acontece é o que Pedro previu que aconteceria, ao se referir ao ministério de Paulo: "E tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada; falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição. Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão, guardai-vos de que, pelo engano dos homens abomináveis, sejais juntamente arrebatados, e descaiais da vossa firmeza." (2 Pe 3:15-17).

A leitura usual que se faz desta passagem é que Paulo escrevia difícil e que não sabia se expressar corretamente, portanto o que ele escreveu não é exatamente o que ele queria dizer e nem deve ser entendido ao pé da letra, muito pelo contrário. Pois bem, é justamente dos "indoutos e inconstantes" que usam desse raciocínio para torcerem os escritos de Paulo "e igualmente as outras Escrituras", que Pedro está falando. E repare que ao falar das cartas de Paulo o apóstolo Pedro as coloca em pé de igualdade com "as outras Escrituras", mostrando que elas são tão inspiradas quanto todo o cânon do Antigo Testamento, que era o que conheciam na época.

Mas antes que ache que o assunto de Paulo eram apenas as mulheres, lembre-se dos muitos mistérios que mencionei um pouco antes, os quais foram revelados em primeira mão a esse apóstolo, tudo aquilo "sabedoria de Deus, oculta em mistério, a qual Deus ordenou antes dos séculos para nossa glória" (1 Co 2:7). O que ele escreveu sobre o lugar da mulher e outras ordenanças não estão na lista dos "mistérios", mas são "mandamentos do Senhor" (1 Co 14:37) abrangendo muitas áreas da vida prática do cristão e da assembleia.

Portanto, não é nas escolas de teologia que você irá aprender a sã doutrina, mas muito mais "aos pés de Jesus" (Lc 10:39), aquela escola que um irmão norte-americano, que já está com o Senhor, costumava apelidar de "Saint Mary's at Jesus' Feet Theological Seminary" ("Seminário Teológico de Santa Maria aos Pés de Jesus"), referindo-se ao episódio em que Marta, ocupada com muitas coisas, é repreendida pelo Senhor que aponta para Maria, aprendendo aos seus pés, como alguém que escolheu a melhor parte. Esse irmão também costumava fazer trocadilho de "Theological Seminary" ("Seminário Teológico") com "Theological Cemetery" ("Cemitério Teológico"), porque o que podia se aprender ali nada mais era do que as obras mortas do conhecimento intelectual humano.

Dessas escolas podem sair muitos peritos em assuntos como os que copiei da grade curricular de um curso de teologia: Antropologia, Ciências, Epistemologia, Filosofia, História, Hermenêutica, Língua Portuguesa, Psicologia, Redação, Grego, Hebraico, Metodologia da Pesquisa Científica, Sociologia, Metodologia Exegética, Ética Filosófica, Teologia Sistemática, Aconselhamento, Fenomenologia da Religião, Comunicação, etc. Aparentemente Timóteo não iria conseguir ensinar tudo isso a "homens idôneos", pois nem ele estudou essas disciplinas e nem estaria qualificado a ensinar pelos padrões das escolas de teologia. Antes ele teria de conquistar um título de "Mestre" ou "Doutor". Tudo isso realmente serve para alimentar o intelecto do homem natural, mas não são o ensino do Espírito de Deus. E sabemos que "o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente" (1 Co 2:14).

Termino lembrando de um triste episódio no início dos anos oitenta. Depois de congregar alguns meses com irmãos de uma denominação religiosa numa cidadezinha no interior de Goiás, onde não havia pastor e o encargo de pregar era assumido informalmente por mim e outro irmão local, comecei a entender que devia congregar somente ao nome do Senhor, fora do sistema religioso denominacional. Como os líderes da denominação responsável por aquela congregação tinham percebido alguns predicados que me qualificariam a me tornar pastor, enviaram um obreiro para conversar comigo. Sua missão era me fazer desistir da ideia de recusar o batismo daquela denominação, pois eu já tinha sido batizado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, portanto já tinha recebido um batismo cristão.

Quando aquele obreiro viu que nenhum argumento adiantava, apelou para a avareza existente em minha carne e na carne de qualquer um. O que ele me disse foi algo assim: "Estamos prontos para oferecer a você a possibilidade de estudar em nossa faculdade de teologia sem precisar frequentar as aulas. Nós enviaríamos os livros e as lições, daríamos um jeito em suas faltas, e você só precisaria ir à faculdade (distante de quatro a seis horas, dependendo das chuvas e das estradas) uma vez por mês para fazer as provas. Em quatro anos você se tornará pastor, e se na metade disso se inscrever num curso de direito eliminando algumas matérias, além de pastor sairá também advogado e ganhará muito mais do que ganha como professor de ginásio".

Quando expliquei a ele que eu já era formado em Arquitetura e Urbanismo e estava ali ensinando a garotada por idealismo, ele não disse palavra. Virou as costas e foi embora. E se eu tinha alguma dúvida se devia ou não abandonar aquela pequena congregação onde eu pregava e minha esposa ensinava na Escola Dominical, naquele momento todas as minhas dúvidas se dissiparam e escrevi aos irmãos de uma assembleia congregada somente ao nome do Senhor pedindo meu lugar à comunhão à mesa do Senhor.

Sugiro também a leitura do texto abaixo:
http://www.respondi.com.br/2015/12/devo-seguir-as-palavras-de-paulo.html

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana