As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE "assunto"+"mario persona" NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Pesquisar este blog

Os diferentes ministerios em 1 Corintios 12 sao denominacoes?



https://youtu.be/8k3qRujnzY8

Baseando-se em 1 Coríntios 12 você perguntou se a existência de diferentes ministérios não seria um fundamento para existirem diferentes denominações ou igrejas. Não, é um verdadeiro erro usar essa palavra como justificativa para dividir os cristãos por diferentes nomes e seitas. Na mesma carta Paulo chama tal prática de carnalidade.

"Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa, e que não haja entre vós dissensões; antes sejais unidos em um mesmo pensamento e em um mesmo parecer. Porque a respeito de vós, irmãos meus, me foi comunicado pelos da família de Cloé que há contendas entre vós. Quero dizer com isto, que cada um de vós diz: Eu sou de Paulo, e eu de Apolo, e eu de Cefas, e eu de Cristo. Está Cristo dividido? foi Paulo crucificado por vós? ou fostes vós batizados em nome de Paulo?... E eu, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a meninos em Cristo. Com leite vos criei, e não com carne, porque ainda não podíeis, nem tampouco ainda agora podeis, porque ainda sois carnais; pois, havendo entre vós inveja, contendas e dissensões, não sois porventura carnais, e não andais segundo os homens? Porque, dizendo um: Eu sou de Paulo; e outro: Eu de Apolo; porventura não sois carnais? Pois, quem é Paulo, e quem é Apolo, senão ministros pelos quais crestes, e conforme o que o Senhor deu a cada um?"(1 Co 1:10-13; 3:1-5).

Ao falar do contraste entre a sabedoria que vem do alto e a meramente terrena, Tiago vai mais longe ao chamar o sentimento faccioso, que é justamente o desejo de se dividir os irmãos em diferentes grupos ou facções, de "sabedoria... terrena, animal e diabólica".

"Quem dentre vós é sábio e entendido? Mostre pelo seu bom trato as suas obras em mansidão de sabedoria. Mas, se tendes amarga inveja, e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade. Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica. Porque onde há inveja e espírito faccioso aí há perturbação e toda a obra perversa. Mas a sabedoria que do alto vem é, primeiramente pura, depois pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, e sem hipocrisia. Ora, o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que exercitam a paz." (Tg 3:13-18).

É surpreendente que a maioria dos cristãos não percebam isso, ainda mais quando o próprio Senhor expressou seu desejo de que seu povo devia ser um como forma de expressar a mesma unidade que ele tem com o Pai. Em sua oração antes de partir para o Pai ele deixa isso muito claro:

"E eu já não estou mais no mundo, mas eles estão no mundo, e eu vou para ti. Pai santo, guarda em teu nome aqueles que me deste, para que sejam um, assim como nós... E não rogo somente por estes, mas também por aqueles que pela sua palavra hão de crer em mim; para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste. E eu dei-lhes a glória que a mim me deste, para que sejam um, como nós somos um. Eu neles, e tu em mim, para que eles sejam perfeitos em unidade, e para que o mundo conheça que tu me enviaste a mim, e que os tens amado a eles como me tens amado a mim." (Jo 17:11, 20-23).

Para mim fica muito claro que se você disser "eu sou de Paulo" e eu disser "eu sou de Pedro" não estaremos demonstrando qualquer unidade. O mesmo vale para a versão moderna desse "eu sou de Paulo... eu sou de Pedro" que é dizer "eu sou batista" ou "eu sou presbiteriano" ou qualquer outra denominação que os homens inventaram. Será que é tão difícil para você entender que isso destrói o desejo do Senhor quando disse "que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste". Como o mundo pode crer se cada crente se identifica por um nome diferente ao invés de usar apenas o nome de Jesus sobre si?

Lembro-me de uma conversa com uma jovem irmã que se apresentou como sendo presbiteriana. Depois de eu explicar a ela que "há um só corpo" (Ef 4:4) e que Deus nunca ordenou e nem autorizou que os seus fossem identificados por diferentes nomes, ela tentou se corrigir dizendo: "Ah, mas quando vou falar de Jesus a alguém não digo que sou presbiteriana, digo apenas que sou cristã". "E por que não diz que é presbiteriana?" — perguntei. "Porque a pessoa pode ter alguma coisa contra a Igreja Presbiteriana e isso atrapalhar na evangelização". Então eu disse: "Minha irmã, como é que você pode ser algo que precisa esconder na hora de evangelizar para não atrapalhar na conversão de uma alma? Por que não se livra logo desse nome e fica só com o Nome que está acima de todo nome?".

Quando nos damos conta do que é a Igreja, o corpo de Cristo, e de quão exaltado é esse nome, passamos a considerar uma infantilidade querer identificar os crentes em Jesus por outro nome que não seja o único e mais sublime Nome que Deus escolheu para nos identificar. Ao orar pelos cristãos em Éfeso Paulo falou da sublimidade desse nome.

"Por isso, ouvindo eu também a fé que entre vós há no Senhor Jesus, e o vosso amor para com todos os santos,  não cesso de dar graças a Deus por vós, lembrando-me de vós nas minhas orações: Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação; tendo iluminados os olhos do vosso entendimento, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos; e qual a sobreexcelente grandeza do seu poder sobre nós, os que cremos, segundo a operação da força do seu poder, que manifestou em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos, e pondo-o à sua direita nos céus. Acima de todo o principado, e poder, e potestade, e domínio, e de todo o nome que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro; e sujeitou todas as coisas a seus pés, e sobre todas as coisas o constituiu como cabeça da igreja, que é o seu corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todos." (Ef 1:15-23).

Você não se sente ridículo dizendo que é alguma outra coisa que não seja apenas cristão? Não se sente usado quando é obrigado a alçar uma bandeira e defender um nome que não é o nome de Jesus apenas? Portanto, nem pense em querer dourar a pílula chamando as diferentes denominações de "ministérios". Isso é querer maquiar o erro com um termo bíblico que não tem nada a ver com essa vergonhosa colcha de retalhos em que se transformou o testemunho do corpo de Cristo nas mãos dos homens. O corpo continua um, porque é impossível dividir o corpo de Cristo. O que foi dividido pelos homens, despedaçado até, é o testemunho com suas diferentes "igrejas" denominacionais.

Ministério significa simplesmente serviço de ministrar ou prover algo, que pode ser tanto material quanto espiritual. Não tem nada a ver com denominações, pois ministério é a ação de uma pessoa, e como há diferentes pessoas há diversidade de ministérios, ou maneiras diferentes de se ministrar coisas materiais e espirituais. Por exemplo, um irmão ministra a Palavra para crianças, outro para adultos, um para ajudar necessidades espirituais, outro para suprir as materiais etc.

Em 1 Coríntios 12 temos nos versículos:

4 "Ora, há diversidade de dons [manifestações], mas o Espírito é o mesmo".
5 "E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo".
6 "E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos".

O versículo 4 nos fala de onde vem a capacitação ou poder para executar (o Espírito Santo). O versículo 5 nos mostra de onde vem a direção e autoridade para ministrarmos aquilo que esse poder nos capacita (o Senhor). O versículo 6 nos diz quem está acima de todas essas operações, ou seja, de quem é a supremacia, e também quem é responsável pelos resultados (Deus).

Veja também:
http://manjarcelestial.blogspot.com.br/2016/02/que-denominacao-e-esta.html
http://manjarcelestial.blogspot.com.br/2016/02/que-denominacao-e-esta.html
http://manjarcelestial.blogspot.com.br/2009/11/igreja-de-deus-nos-dias-de-hoje.html

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana