As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE "assunto"+"mario persona" NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Pesquisar este blog

Jesus mentiu quando disse que o Templo seria destruido?



https://youtu.be/q5lA5SmlYpE

Você ouviu um judeu defender o judaísmo argumentando que Jesus teria mentido quando falou que no templo não ficaria pedra sobre pedra, uma vez que o muro das lamentações existe até hoje. Eu nunca tinha escutado tal argumento, mas o fato de alguém usá-lo só mostra que o ódio a Cristo pode ser tamanho que até leva uma pessoa se candidatar a um atestado de ignorância. O templo foi sim todo demolido, não ficou pedra sobre pedra como Jesus havia previsto.

"Ao sair Jesus do templo, disse-lhe um de seus discípulos: Mestre! Que pedras, que construções! Mas Jesus lhe disse: Vês estas grandes construções? Não ficará pedra sobre pedra, que não seja derribada." (Mc 13:1-2).

Li em algum lugar que os soldados romanos atearam fogo ao templo, que era todo revestido de madeira coberta de ouro, e no incêndio o ouro se derreteu e infiltrou nas frestas entre as pedras da parede e do piso. Com o desmoronamento da cobertura, que era também de madeira e revestida de ouro por dentro, toda a construção veio abaixo. Então os romanos fizeram um trabalho cuidadoso de demolição para raspar de cada pedra o ouro que havia se derretido e infiltrado entre as pedras.

Se você reparar, tanto os discípulos quanto o Senhor estavam falando das grandes construções ou edifícios que compunham o Templo. O "Muro das Lamentações" é um muro de arrimo que foi levantado para segurar o aterro sobre o qual estava o Templo. Ninguém chama de edifício ou construção um muro de arrimo feito para segurar a terra de um aterro. Ninguém habita num muro de arrimo e nem usa um muro de contenção como parede para delimitar espaços utilizáveis, que é o que define um edifício feito para ser utilizado de alguma maneira.

Os judeus curiosamente transformaram um muro de arrimo em objeto de idolatria e veneração, e enfiam nas frestas entre as pedras bilhetes com orações como se Deus estivesse do outro lado do muro puxando esses bilhetes para atender seus pedidos. Mas do outro lado do "Muro das Lamentações" não tem nada, mas apenas terra compactada. Uma pessoa inteligente saberia diferenciar um edifício de um muro de contenção de aterro e dirigiria suas súplicas ao Deus verdadeiro, por meio de Jesus, ao invés de ficar falando para uma parede.

Você pergunta se Deus escutaria as orações feitas pelos judeus para aquele muro. Existe um princípio bíblico citado pelo cego que havia sido curado por Jesus de que Deus não ouve a oração de um ímpio. "Ora, nós sabemos que Deus não ouve a pecadores; mas, se alguém é temente a Deus, e faz a sua vontade, a esse ouve." (Jo 9:31). Embora alguns possam argumentar que na Bíblia existem vários exemplos de pecadores orando a Deus e sendo atendidos, é preciso entender que as circunstâncias mostram que eram pessoas tementes a Deus. Elas colocavam sua fé no Deus verdadeiro, algo que não se consegue fazer a menos que se tenha recebido vida através do novo nascimento, que até precede a total conversão do pecador.

O homem, em seu estado natural, não tem em si qualquer disposição de buscar o Deus verdadeiro, seja para adorar ou orar. "Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer. Não há ninguém que entenda; Não há ninguém que busque a Deus. Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só. A sua garganta é um sepulcro aberto; com as suas línguas tratam enganosamente; Peçonha de áspides está debaixo de seus lábios; cuja boca está cheia de maldição e amargura." (Rm 3:10-14).

Para pedir e ser ouvido é preciso ter um relacionamento com Deus, o qual se inicia a partir do novo nascimento, como era o caso de Cornélio, que tinha suas orações ouvidas (At 10:2). Faz parte do processo o arrependimento e reconhecimento de ser pecador necessitado de salvação colocando sua fé em Cristo e sua obra, como aconteceu com o mesmo Cornélio e seus amigos quando ouviram a mensagem completa do evangelho em Atos 10:37-44.

"Esta palavra, vós bem sabeis, veio por toda a Judeia, começando pela Galileia, depois do batismo que João pregou;como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com virtude; o qual andou fazendo bem, e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele. E nós somos testemunhas de todas as coisas que fez, tanto na terra da Judeia como em Jerusalém; ao qual mataram, pendurando-o num madeiro. A este ressuscitou Deus ao terceiro dia, e fez que se manifestasse, não a todo o povo, mas às testemunhas que Deus antes ordenara; a nós, que comemos e bebemos juntamente com ele, depois que ressuscitou dentre os mortos. E nos mandou pregar ao povo, e testificar que ele é o que por Deus foi constituído juiz dos vivos e dos mortos." (At 10:37-42).

Portanto, para se orar é preciso ter a mente de Deus para conhecer a sua vontade e pedir em consonância com ela. É preciso estar com suas cordas afinadas na mesma frequência de Deus, algo que um judeu hoje que continua em sua rebelião ao Cristo enviado por Deus obviamente não possui. Ele no máximo continuará falando para uma parede — um muro de arrimo — mas não poderá reclamar se suas orações não forem ouvidas ou atendidas.

A garantia que Jesus deu de que as orações de seus discípulos seriam atendidas era de que seriam feitas em seu nome. Um judeu que faça suas orações em nome de Jesus já não será um judeu, mas membro do corpo de Cristo, que é a igreja, formada por judeus e gentios. Pergunte a um judeu inconverso se está disposto a fazer suas orações em nome de Jesus. Ou melhor ainda, fique em frente ao "Muro das Lamentações" orando em voz alta em hebraico em nome de Jesus para ver se irá receber aplausos e tapinhas nas costas dos judeus que estão ali.

"E tudo quanto pedirdes EM MEU NOME eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho. Se pedirdes alguma coisa EM MEU NOME, eu o farei." (Jo 14:13-14).

"E naquele dia nada me perguntareis. Na verdade, na verdade vos digo que tudo quanto pedirdes a meu Pai, em meu nome, ele vo-lo há de dar. Até agora nada pedistes em meu nome; pedi, e recebereis, para que o vosso gozo se cumpra. Disse-vos isto por parábolas; chega, porém, a hora em que não vos falarei mais por parábolas, mas abertamente vos falarei acerca do Pai. Naquele dia pedireis em meu nome, e não vos digo que eu rogarei por vós ao Pai; pois o mesmo Pai vos ama, visto como vós me amastes, e crestes que saí de Deus. Saí do Pai, e vim ao mundo; outra vez deixo o mundo, e vou para o Pai. Disseram-lhe os seus discípulos: Eis que agora falas abertamente, e não dizes parábola alguma. Agora conhecemos que sabes tudo, e não precisas de que alguém te interrogue. Por isso cremos que saíste de Deus. Respondeu-lhes Jesus: Credes agora?" (Jo 16:23-31).

Se você ainda tem dúvidas quanto ao sentimento que impera no coração dos judeus inconversos em relação ao Deus verdadeiro a a Jesus, seu filho, leia com atenção este diálogo entre os líderes religiosos do judaísmo e Jesus. São os mesmos judeus que, tendo entregue Jesus para ser crucificado, lançaram sobre si mesmos uma maldição que permanece até hoje: "O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos" (Mt 10:25):

— Bem sei que sois descendência de Abraão; contudo, procurais matar-me, porque a minha palavra não entra em vós. Eu falo do que vi junto de meu Pai, e vós fazeis o que também vistes junto de vosso pai.
— Nosso pai é Abraão. 
— Se fósseis filhos de Abraão, faríeis as obras de Abraão. Mas agora procurais matar-me, a mim, homem que vos tem dito a verdade que de Deus tem ouvido; Abraão não fez isto. Vós fazeis as obras de vosso pai. 
— Nós não somos nascidos de prostituição; temos um Pai, que é Deus. 
— Se Deus fosse o vosso Pai, certamente me amaríeis, pois que eu saí, e vim de Deus; não vim de mim mesmo, mas ele me enviou. Por que não entendeis a minha linguagem? Por não poderdes ouvir a minha palavra. Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira. Mas, porque vos digo a verdade, não me credes. Quem dentre vós me convence de pecado? E se vos digo a verdade, por que não credes? Quem é de Deus escuta as palavras de Deus; por isso vós não as escutais, porque não sois de Deus.
— Não dizemos nós bem que és samaritano, e que tens demônio? 
— Eu não tenho demônio, antes honro a meu Pai, e vós me desonrais. Eu não busco a minha glória; há quem a busque, e julgue. Em verdade, em verdade vos digo que, se alguém guardar a minha palavra, nunca verá a morte. 
— Agora conhecemos que tens demônio. Morreu Abraão e os profetas; e tu dizes: Se alguém guardar a minha palavra, nunca provará a morte. És tu maior do que o nosso pai Abraão, que morreu? E também os profetas morreram. Quem te fazes tu ser? 
— Se eu me glorifico a mim mesmo, a minha glória não é nada; quem me glorifica é meu Pai, o qual dizeis que é vosso Deus. E vós não o conheceis, mas eu conheço-o. E, se disser que o não conheço, serei mentiroso como vós; mas conheço-o e guardo a sua palavra. Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia, e viu-o, e alegrou-se. 
— Ainda não tens cinqüenta anos, e viste Abraão? 
— Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou. 
Então pegaram em pedras para lhe atirarem; mas Jesus ocultou-se, e saiu do templo, passando pelo meio deles, e assim se retirou. (Jo 8:37-59).

http://www.respondi.com.br/2005/06/deus-responde-todas-oraes.html

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana