As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE "assunto"+"mario persona" NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Pesquisar este blog

Qual o nome do Pai de Jesus?



https://youtu.be/QhugVSTrraQ

Quando você abre a Bíblia logo encontra que "No princípio criou Elohim os céus e a terra" (Gn 1:1). Se Eloah significa "Deus" e Elohim é o plural de Eloah, então poderíamos traduzir Elohim como "os Deus". Não parece fazer sentido dizer "os Deus" até você chegar no versículo 26 de Gênesis 1 e encontrar "E disse Elohim: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança". O nome hebraico plural Elohim vai aparecer em todos os versículos de Gênesis diretamente ligados à Criação e também como uma declaração da pluralidade do único Deus como sendo três Pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo.

Então no capítulo dois de Gênesis aparece o nome JEOVÁ, que é o que se supõe que seja o significado de YHWH, como está nos originais hebraicos por seus escribas temerem escrever o nome de Deus em vão. Isso acabou mais tarde se transformando em YAHWEH ou JEOVÁ nas versões modernas, que costumam substituí-lo por SENHOR, enquanto ELOHIM aparece como Deus. Mas tudo isso estou dizendo apenas para tornar breve um assunto longo e complexo, porque você encontrará uma série de nomes sendo usados para designar a divindade nas Escrituras, muitos deles perdidos nas traduções modernas. Se quiser saber mais pesquise na Web por "nomes de Deus".

A impressão que fica (e eu creio ser assim) é que quando o assunto é a Criação o nome que aparece é ELOHIM, pois o Pai, o Filho e o Espírito Santo tiveram cada um sua parte na Criação. A partir daí JEOVÁ é o nome que tem a ver com Deus em sua relação com os seres humanos, e conhecendo o Novo Testamento descobrimos que Jeová no Antigo Testamento não era outro senão o próprio Jesus.

Isaías escreveu: "Eis a voz do que clama: Preparai no deserto o caminho do Senhor (Jeová), endireitai no ermo uma estrada para o nosso Deus." (Is 40:3) e depois Mateus mostrou que Jesus era aquele Jeová que agora João Batista vinha anunciando: "Pois é a João que se refere o que foi dito pelo profeta Isaías: Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor (Kurios), endireitai as suas veredas." (Mt 3:3). Isaías também disse: "Assim diz Jeová, rei de Israel, e o seu Redentor, Jeová dos exércitos: Eu sou o primeiro e eu sou o último, fora de mim não há Deus." (Is 44:6) e João em Apocalipse mostra Jesus, o Redentor, dizendo "Eu sou o Alfa e o Omega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso." (Ap 1:8). O profeta Joel falou de Jeová: "Acontecerá que todo aquele que invocar o nome de Jeová será libertado" (Jl 2:32) e Pedro citou Joel ao falar de Jesus: "Cumpre-se o que dissera o profeta Joel: ...E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo." (At 2:16-21). A menos que você seja um prisioneiro da Torre de Vigia, estas evidências são suficientes.
Acredito que esta introdução possa bastar para o assunto de sua pergunta "Qual o nome do Pai de Jesus?", pois ao longo da Bíblia Deus iria se revelar ao homem por diferentes nomes ou títulos. Abraão o conhecia por "Todo-poderoso", Moisés por YHWH ou, como hoje usamos, Jeová, mas nenhum deles conheceu a Deus com a intimidade e proximidade que encontramos no Novo Testamento. Ali Jesus chama a Deus de Pai, um privilégio que logo seria concedido também aos seus discípulos.

Então em João 1:18 encontramos que "Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o revelou", o que mostra um grande passo na revelação de Deus, passo este do qual os santos no Antigo Testamento não desfrutaram por Jesus, o Filho Unigênito, não ter ainda vindo ao mundo na ocasião. Tendo o Filho de Deus vindo em carne, no evangelho de Mateus ele se revela como o Rei de Israel, o Messias prometido pelos profetas do Antigo Testamento. Mas nem todos tinham o privilégio de reconhecê-lo ou conhecê-lo assim, o que demonstra que o conhecimento de quem o Senhor Jesus é tem a ver com revelação divina, e não com conhecimento intelectual.

"Naquele tempo, respondendo Jesus, disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos. Sim, ó Pai, porque assim te aprouve. Todas as coisas me foram entregues por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar." (Mt 11:25-27).

Disso deduzimos que o Pai poderia ser conhecido do homem mediante a revelação, feita pelo Filho, de quem ele era. Mas ao que parece a recíproca não é verdadeira, pois não diz que o Pai iria querer revelar o Filho, mas diz apenas que "ninguém conhece o Filho, senão o Pai". Entramos aqui em terreno santo e é preciso caminhar sobre ovos para não esmagar verdades sublimes e escorregar em conjecturas. Porém conforme o meu entendimento só poderíamos conhecer o Filho na sua humanidade que se sobrepunha à sua divindade, porque assim ele podia ser visto caminhando no mundo, assim como os israelitas no deserto só podiam conhece o exterior da Arca da Aliança, e ainda assim coberta, e não o seu interior.

Todavia, se você é um cientista que deseja conhecer ou entender como poderia a divindade que criou o Universo poderia "caber" num corpo humano, é melhor esquecer. Fique contente por já ter a possibilidade bendita ao extremo de conhecer a Jesus, Deus e Homem, como seu Salvador pessoal, e ao Pai, conforme o Filho nos quis revelar. Como o Senhor Jesus disse em Mateus 11, o conhecimento de Deus e das coisas de Deus está reservado aos pequeninos (Paulo fala mais disso no capítulo 1 de 1 Coríntios), enquanto os "sábios e entendidos" com seus telescópios e microscópios continuarão passando ao largo do real conhecimento de Deus.

De um artigo na revista "An Outline of Sound Words", de onde aprendi muito sobre o assunto, extraí que: "O Filho permanece num relacionamento com o Pai que somente o Pai poderia conhecer, pois mesmo na Pessoa do Filho existe um santo mistério que está além da capacidade de conhecimento de qualquer um, mas apenas do Pai. Mas o Filho veio para fazer o Pai conhecido, e nessa revelação está o cerne da verdade do cristianismo. Com que frequência vemos o Nome do Pai nos lábios do Filho, e enquanto ele demonstrava ao público a natureza da declaração do Nome do Pai, não era de todos que aquele Nome santo e precioso era conhecido, mas apenas daqueles a quem o Filho quisesse revelar o Pai. Muitos ouviram o Filho falar do Pai, mas poucos entraram no conhecimento do Nome do Pai.". Não existe referência sobre quem seria o autor do texto.

Em 1 João 2:13 lemos: "Eu vos escrevi, filhos, porque conhecestes o Pai", e "filhos" aí aparece em outras versões como "filhinhos" ou novos na fé. Ou seja, o conhecimento do Pai não se adquire nem com o conhecimento intelectual ou acadêmico adquirido, e tampouco com tempo e crescimento espiritual. Trata-se de algo revelado na presente dispensação a todo e qualquer filho de Deus que tenha recebido a verdade do Evangelho e sido selado com o Espírito Santo. "E, porque sois filhos", escreve o apóstolo Paulo, "Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai." (Gl 4:6). Se conhecemos a Cristo, então conhecemos ao Pai, como o próprio Senhor ensinou aos seus discípulos:

"Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e já desde agora o conheceis, e o tendes visto.Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta.Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai?Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras. Crede-me que estou no Pai, e o Pai em mim; crede-me, ao menos, por causa das mesmas obras." (Jo 14:7-11).

No Antigo Testamento não encontramos ninguém chamando a Deus de Pai no mesmo sentido de intimidade de relacionamento como a que Jesus inaugurou quando veio ao mundo. As quinze vezes em que Deus é mencionado como Pai no Antigo Testamento não tem a ver com uma relação pessoal do tipo alguém chamá-lo de Pai, mas como designação de Criador de todas as coisas e de pessoas, ou de quem era o Dono de Israel, como em Deuteronômio 32:6: "Recompensais assim ao Senhor, povo louco e ignorante? Não é ele teu pai que te adquiriu, te fez e te estabeleceu?" Mas ninguém ousaria chamar a Deus de Pai ou "meu Pai", como ninguém ousa até hoje, sejam os judeus, sejam os muçulmanos que dizem crer no Antigo Testamento.

(Pai de Israel: Dt 32:6; Is 63:16; 64:8 ; Jr 3:4; 3:19 ; 31:9 ; Ml 1:6; 2:10 / Pai de indivíduos: 2 Sm 7:14; 1 Cr 17:13; 22:10; 28:6; Sl 68:5; 89:26)

Só com isso já dá para ver o escândalo que era Jesus dirigir-se ao Pai chamando-o de Pai. A única vez em que ele não se dirigiu ao Pai como tal foi na cruz, quando clamou a Deus por tê-lo abandonado ali em razão de ter sido feito pecado. Se considerarmos que o sacrifício de Isaque foi uma figura do sacrifício do Filho de Deus (embora naquele caso Isaque tenha sido poupado e um carneiro morrido em seu lugar), é possível supor que o Pai tenha acompanhado o Filho até o Monte da Caveira para ser crucificado como Abraão acompanhou Isaque. Portanto não faria sentido naquela hora ele clamar "Meu Pai, meu Pai, por que me abandonaste", e sim "Meu Deus", pois ali ele era abandonado por Deus e julgado pela justiça divina. Antes que você me pergunte como o Pai poderia estar ali com o Filho e ao mesmo tempo Deus ter abandonado Jesus, é preciso saber que a Trindade não é assunto para o intelecto e para a razão, mas sim para a fé.

Então chegamos a uma das passagens mais benditas da Bíblia. Se os discípulos já tinham se acostumado com Jesus dizendo "meu Pai", ou os ensinando a orar com "Pai nosso que estás no céu", com sua morte e ressurreição ele escancarou aos seus aquele relacionamento que ele desfrutava, ao dizer a Maria Madalena: "Não me detenhas, porque ainda não subi para meu Pai, mas vai para meus irmãos, e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus." (Jo 20:17).

Depois de tudo isso você já deve estar impaciente para que eu diga qual o nome do Pai de Jesus, e talvez não tenha percebido que eu já disse ao longo de tudo o que falei até aqui. Entenda assim: Se Jesus nos revelou o Pai, se tudo que era do Pai era também dele, se as obras que ele fazia era o Pai quem fazia, se ele e o Pai eram um, como é que você ainda não entendeu qual é o nome do Pai? Se quiser chamá-lo hoje, que nome usará para isso? Talvez um exemplo ajude. Uma vez perguntei a uma menininha qual era o nome de seu pai e ela imediatamente respondeu com total segurança e um brilho no olhar: "O nome do meu pai é Papai".

E você, aprendeu agora o nome do Pai de Jesus?

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana