As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE "assunto"+"mario persona" NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Pesquisar este blog

Jesus veio nos salvar ou ensinar a nadar?



https://youtu.be/fz-r0yD8UKA

Você escreveu dizendo que "todas as vezes que a nação de Israel pecou, eles foram expulsos da terra prometida, enviados para a escravidão, mortos pela espada etc..." Com base nisso você alega que "a salvação não pode ser recebida por graça, mas por mérito" e que Jesus teria servido apenas como um modelo a ser seguido para sermos salvos. Outro argumento recorrente por pessoas que não creem na salvação por graça foi também usado por você na afirmação "A fé sem obras está morta!", sem entender que está mesmo, porque uma das consequências de uma fé viva são as obras que acompanham a salvação.

Bem, se você pretende ser salvo seguindo o exemplo de Jesus como modelo, então deverá primeiro começar tendo nascido sem pecado, pois Jesus era sem pecado (não tinha a natureza pecaminosa). Você seria capaz de seguir este modelo? Não, isso é impossível a qualquer um e é por isso que precisamos de um Salvador, não de um exemplo. O exemplo vem depois da salvação, e aí sim Jesus é o modelo no qual devemos nos espelhar no modo como andou aqui.

Mas o que você está dizendo é que uma pessoa que está se afogando deveria seguir o exemplo do salva-vidas e aprender a nadar como ele. Ora, a pessoa está se afogando e o salva vidas está ali para salvá-la, não para dar aulas de natação. Quanto fôlego você acha que a vítima de afogamento terá até morrer de vez tentando nadar? Quanta capacidade de seguir o exemplo de Jesus um pecador perdido terá até sair desta vida e entrar no além?

Talvez se você estivesse aos pés da cruz há dois mil anos, e visse aquele malfeitor arrependido dizer "Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino" (Lc 23:43) você teria dito: "Amigo, não incomodes o Mestre. Agora já não dá mais tempo de você seguir o exemplo dele, porque você viveu a vida na marginalidade. Sinto muito, você está perdido". Felizmente você não estava lá e a resposta não cabia a você dar àquele homem que não podia apresentar uma boa obra sequer para merecer a salvação. Foi da boca de Jesus, o Salvador, que ele ouviu palavras de graça e certeza: "E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso." (Lc 23:44).

Se você não se reconhecer TOTALMENTE, COMPLETAMENTE, MISERAVELMENTE pecador nunca será salvo, porque tentará se esforçar para fazê-lo e isso não vai acontecer. Obviamente Deus não quer que os que foram salvos pela fé em Cristo e unicamente por graça vivam depois pecando. Mas a verdade é que mesmo depois de salvos pecamos, e se dissermos que não, aí estamos mentindo (o que é pecado).

"Se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos em trevas, mentimos, e não praticamos a verdade. Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado. Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça. Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós. Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo. E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo." (1 Jo 1:6-10 ; 2:1-2).

Quando você diz que precisamos fazer algo para sermos salvos não está percebendo que não existe em nós qualquer centelha de bondade e poder capaz de viver uma vida agradável a Deus. Entenda assim: Primeiro você é salvo por Cristo pela fé (não por boa conduta). É no momento em que crê que recebe o completo perdão de Deus, que tira de você a pena da perdição eterna que lhe era contrária. Depois de salvo você terá a Jesus como seu exemplo de vida agradável a Deus, não para ser salvo, mas PORQUE FOI SALVO. Caminhar longe do pecado será algo que somente sua nova vida será capaz de fazer, e fará isso por gratidão e porque essa é a condição normal a uma vida que você recebeu de Deus, não de Adão. Uma coisa é a salvação, que é por fé somente. A outra é a comunhão com Deus no dia-a-dia, que é andar de maneira agradável a ele.

"Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. NÃO VEM DAS OBRAS, para que ninguém se glorie; porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas." (Ef 2:8-10).

Se você tivesse qualquer parcela de mérito em sua salvação a glória seria sua, e Deus não divide sua glória com ninguém. Você só será salvo quando deixar de confiar em si mesmo e em sua capacidade e render-se completamente nos braços de Jesus. Se você acha que serão suas obras que darão a você o direito de entrar no céu, então é melhor deixar de chamar Jesus de Salvador e passar a chamá-lo de "Coach""Coadjuvante" ou "Parceiro" em sua salvação. Ou se achar que a participação dele é irrelevante, então chame-o de "Espectador da Salvação".

TODAS as religiões ensinam salvação como se fosse por mérito. Se você for bom será salvo, se for mau estará perdido. Mas a condição do homem pecador é de total ruína em seu ponto de partida, de onde não tem condições de sair porque já está condenado por definição. "Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus." (Jo 3:18).

O que Deus quer lhe dar é perdão, não uma nota por bom comportamento. Adão foi expulso da presença de Deus por causa de UM pecado. Ninguém entrará na presença de Deus se tiver UM pecado. Como passar uma borracha neles para ficar limpo? Ninguém tem a capacidade de conseguir isso, por isso a pergunta sem resposta que encontra em Provérbios 20:9: "Quem poderá dizer: [EU] Purifiquei o MEU coração, limpo estou [EU] de meu pecado?". Esta pergunta deveria vir seguida daquele som de grilo numa noite sem luz e sem respostas.

A única resposta para ter o coração limpo não está em você mesmo, está no sangue de Jesus. Nem religião e nem boas obras poderão ajudá-lo. Paulo, um religioso fiel à sua religião judaica, irrepreensível, e mesmo assim precisou entender que só poderia ser salvo salvo por graça. Ele escreve:

"Ainda que também podia confiar na carne; se algum outro cuida que pode confiar na carne, ainda mais eu: Circuncidado ao oitavo dia, da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus; segundo a lei, fui fariseu; segundo o zelo, perseguidor da igreja, segundo a justiça que há na lei, irrepreensível. Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo. E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo, e seja achado nele, não tendo a minha justiça que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé." (Fp 3:4-9).

"Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; e com efeito o querer está em mim, mas não consigo realizar o bem. Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço. Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que habita em mim. Miserável homem que eu sou! quem me livrará do corpo desta morte? Dou graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor. Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus." (Rm 7:18-25; 8:1).

No modelo de "trem da salvação" que você está apresentando os vagões andam ao lado da locomotiva, mas não é assim. Primeiro você precisa nascer de novo pela ação da Palavra de Deus e do Espírito Santo para sentir o peso de seus pecados e a inutilidade de tentar salvar-se por si mesmo. Depois, ao perceber que está se afogando em seus pecados, deve pedir socorro a Jesus para receber dele a salvação, o que acontece de imediato. Então irá querer viver de modo a agradar a ele. Parece que as passagens que estou citando aqui não estão fazendo qualquer efeito. Que parte do "não das obras" você não entendeu? "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus." (Ef 2:8).

Tiago 2, que você citou ao falar da fé sem obras que é morta, fala da justificação horizontal, de homem para homem. "Mas dirá alguém: Tu tens a fé, e eu tenho as obras; mostra-me a tua fé sem as tuas obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras." (Tg 2:18). Mas a justificação diante de Deus só acontece por fé, porque Deus não justifica o bom, ele justifica o ÍMPIO.

"Porque, se Abraão foi justificado pelas obras, tem de que se gloriar, mas não diante de Deus. Pois, que diz a Escritura? Creu Abraão em Deus, e isso lhe foi imputado como justiça. Ora, àquele que faz qualquer obra não lhe é imputado o galardão segundo a graça, mas segundo a dívida. Mas, àquele que não pratica, mas CRÊ NAQUELE QUE JUSTIFICA O ÍMPIO, a sua fé lhe é imputada como justiça. Assim também Davi declara bem-aventurado o homem a quem Deus imputa a justiça sem as obras, dizendo: Bem-aventurados aqueles cujas maldades são perdoadas, E cujos pecados são cobertos. Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa o pecado." (Rm 4:2-8).

Você alega que Jesus disse à mulher adúltera "vai-te, e não peques mais", mas se esqueceu de dizer o que veio antes disso, que foi o perdão: "Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais" (Jo 8:11). A admoestação de Jesus veio depois do perdão, não veio? E Jesus não poderia ter dito algo diferente de "não peques mais", pois Deus não quer que os seus vivam pecando. Mas a questão é que pecamos, e se dissermos que não, aí estamos mentindo (o que é pecado), e para isso, depois de salvos, temos um Advogado diante do Pai, o mesmo que antes nos serviu como Salvador.

por Mario Persona


Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana