As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

Mulheres cristas nao podem falar?



https://youtu.be/ReSjmRrlnvI

Recebi de um leitor uma série de indagações sobre algo que leu a respeito da ordem nas reuniões da igreja. Vou colocar aqui suas perguntas e minhas respostas:

[Leitor] Você diz em seu blog que as mulheres não podem falar na reunião.

Bem, eu não digo nada, porque se disser não tem valor algum. Eu simplesmente coloco ali o que encontro na Palavra de Deus. E a Palavra diz isso com todas as letras.

[Leitor] Por que a mulher não pode falar na Igreja? Por que a mulher não pode profetizar? Por que a mulher não pode ensinar?
Porque são mandamentos do Senhor: "Porventura saiu dentre vós a palavra de Deus? Ou veio ela somente para vós? Se alguém cuida ser profeta, ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor." 1 Coríntios 14

[Leitor] É fato que o Apóstolo Paulo em sua epístola, faz algumas restrições às manifestações das mulheres na igreja, mas, antes de generalizarmos estas recomendações Paulina é preciso que façamos uma analise da situação feminina diante da cultura oriental, ainda hoje, as mulheres são vista como um ser inferior sem voz ativa, eram comercializadas, proibidas de estudarem, saírem às ruas ou mesmo se mostrarem. Esta visão cultural justifica por completo a ação do Apostolo, a igreja carecia de credibilidade diante da sociedade constituída por gentios, a instituição de mulheres como líderes não seria uma atitude sábia à obra da evangelização.

Sim, o apóstolo diz, todavia não é opinião sua, mas uma ordenança ou mandamento do Senhor, que é como ele termina o texto (veja vers. acima). Afinal, quais coisas que ele escreveu que eram mandamentos do Senhor e quais não? Se tentarmos peneirar, vamos certamente peneirar segundo nosso critério. Sim, eu conheço o argumento cultural contra o que é dito na Palavra.

Sempre que precisamos procurar uma explicação cultural para algo na Bíblia abrimos um precedente perigoso. Eu poderia argumentar que o sexo fora do casamento não é mais fornicação, ou que o homossexualismo não é mais pecado, porque hoje são práticas perfeitamente aceitas pela sociedade moderna. Mais em "Os costumes citados em Coríntios valem para nossos dias?"

[Leitor] O que dizer sobre Ana, a profetiza (Lc 2.36)

Não estava em uma reunião da igreja, como é o caso do mandamento de 1 Coríntios 14, era uma israelita e não vivia no contexto do povo celestial de Deus (israelitas não fazem parte da igreja que só teve início em Atos). Sem entender o lugar distinto que a Igreja tem nos planos de Deus fica impossível dividir bem a Palavra da Verdade e saber o que foi dito a Israel e o que foi dito à Igreja. Para entender o que é igreja e o que é Israel, sugiro:

Por que tantas denominações?
Em que templo devo adorar?
O que significa a mesa do Senhor?
Como celebrar a ceia do Senhor?
Onde celebrar a ceia do Senhor?
O que significa a palavra 'igreja'?
O que significa reunir-se ao nome do Senhor?
Qual o verdadeiro lugar de adoração?
Quem deve liderar as reuniões da igreja?
Devemos usar instrumentos musicais na igreja?

Você já pertenceu a alguma denominação?
É possível congregar-se com desprendimento denominacional?

Qual a hierarquia na igreja?
Devemos obedecer aos pastores?
Como deve ser o clero na igreja?

[Leitor] O que dizer sobre Maria, a mãe de Jesus e as outras mulheres (At 1.14)?

Idem.

[Leitor] O que dizer sobre Junia, que era conhecia como Apóstola (Rm 16:7)?

Não diz que era "conhecida como apóstola", mas "Saudai a Andrônico e a Júnias, meus parentes e meus companheiros na prisão, os quais se distinguiram entre os apóstolos e que foram antes de mim em Cristo." Rm 16:7
Júnias pode ser uma forma reduzida de Junianus. Se for o caso, trata-se de nome de homem. Mas, como é mais provável, se for Júnia como nome feminino do jeito que aparece em algumas versões, trata-se sem dúvida da esposa ou irmã de Andrônico.

"Os quais [Júnias e Andrônico] se distinguiram entre os apóstolos". Creio que o sentido seja o mesmo de "os quais ganharam a admiração dos apóstolos". Como provavelmente tenham se convertido antes de Paulo, "que foram antes de mim em Cristo", devem ter sido frutos da obra de Pedro e dos outros nos primeiros dias da igreja, atraindo uma estima especial dos apóstolos.

Como a Bíblia não se interpreta com versículos isolados, basta darmos uma olhada nas prerrogativas para ser um apóstolo e qual a posição ocupada pela mulher na igreja para ficar claro que não se tratava de "uma apóstola" como alguns querem crer. Mais sobre apóstolo em "Como saber se um apóstolo é genuíno?":

[Leitor] O que dizer sobre Febe, que era diaconisa da igreja de Cencréia (Rm 16:1)?
Considerando que "diácono" era um serviço prestado e não um dom, não vejo qualquer ligação disso com a questão da mulher falar nas reuniões da igreja. Os dons eram apóstolo, profeta, evangelista, pastor e doutor ou mestre. Esses dons se manifestavam na Igreja, sendo que os dois primeiros "apóstolos e profetas" já não existem, por terem sido dados para a formação da base ou fundamento da igreja. Um diácono cuidava de servir necessidades físicas das pessoas, como muitos homens e mulheres fazem. Era um ofício, não um dom.

[Leitor] O que dizer sobre as quatro filhas profetizas de Filipe, o evangelista (At 21:8-9; Rm 16.3)?

Não é dito que elas profetizassem nas reuniões da igreja, o que certamente não faziam, pois iria contrariar o ensino de 1 Coríntios 14.

[Leitor] O que dizer sobre Priscila, que claramente ensinava (At 18:26)?

"Ele começou a falar ousadamente na sinagoga; e, quando o ouviram Priscila e Áqüila, o levaram consigo e lhe declararam mais precisamente o caminho de Deus." O texto indica ter sido um trabalho conjunto. Se eu fosse visitá-los e depois dissesse que "Priscila e Áquila me receberam muito bem, prepararam uma feijoada e estava ótima", estou falando de uma situação onde um dos dois estava preparando a feijoada enquanto o outro estava fazendo sala para mim. Eu acharia estranho encontrar Priscila ensinando, independente de Áqüila. Além do mais, a ordenação dada na carta a Timóteo é muito clara: "Não permito, porém, que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre o marido, mas que esteja em silêncio." 1 Timóteo 2:12.

Se encontrar algo em Atos dos Apóstolos que mostre algum cristão agindo contrariamente à uma ordenança dada nas epístolas, só posso concluir que a pessoa estava agindo errado, já que não é um livro de doutrina dos apóstolos - encontrada nas cartas - mas das ações dos apóstolos. É por isso que você não repartiu todos os seus bens com seus vizinhos cristãos. Aquilo era feito pelos primeiros cristãos, mas não é uma ordenança, apenas uma decisão que eles tomaram. Em Atos você encontra também decisões erradas de Paulo.

[Leitor] O que dizer sobre Evódia e Síntique (Fp 4:2-3)?
"Rogo a Evódia, e rogo a Síntique, que sintam o mesmo no SENHOR. E peço-te também a ti, meu verdadeiro companheiro, que ajudes essas mulheres que trabalharam comigo no evangelho, e com Clemente, e com os outros cooperadores, cujos nomes estão no livro da vida."
Essas mulheres ajudavam Paulo no evangelho, não diz que falavam ou ensinavam nas reuniões da igreja. Há uma distância muito grande entre uma mulher pregando numa reunião da igreja e uma mulher visitando enfermos em um hospital e falando do Senhor a essas pessoas.

[Leitor] Digo mais, na primeira epístola aos coríntios Paulo mostra de forma clara que as mulheres não só falavam como profetizavam na reunião da Igreja. Veja: (I Corintios 11:5) - "Mas toda a mulher que ora ou profetiza com a cabeça descoberta, desonra a sua própria cabeça, porque é como se estivesse rapada".

Foi você quem acrescentou "na reunião da igreja", algo que o texto não fala. Essa ordem é genérica, para qualquer lugar. Evidentemente as mulheres oram (audível ou não) e profetizam (audível, evidentemente) em qualquer lugar, menos de forma audível nas reuniões da igreja, porque ali está claro que não devem falar.

Eu não entendo a razão dessa insistência em isolar versículos. Isso é perigoso. A leitura da Bíblia deve ser na forma de complementar as coisas, não de isolá-las. Já vi horrores sendo feitos usando esse costume, como alguns que isolam o caso de Saul e a feiticeira para justificarem a comunicação com os mortos, ou outros que isolam a passagem onde diz que Davi amava Jônatas (2 Samuel 1:26) para justificarem o homossexualismo, descartando todas as outras passagens que condenam essas práticas.

Então leia assim: se em uma parte da Bíblia você encontrar que há uma mulher falando, e na outra encontrar uma ordem para a mulher não falar, simplesmente verifique o contexto. No primeiro caso pode ser em termos genéricos e no segundo a exceção. Tipo assim: É permitido jogar bola na escola, menos na sala de aula. Pronto, é muito simples de entender quando não estamos com idéias pré-concebidas. Quando temos idéia formada, vamos ficar horas explicando que não é bem assim, que a sala de aula faz parte da escola, portanto quem deu a ordem estava equivocado, que "sala de aula" é uma expressão regional que não se aplica a todas as escolas e culturas e por aí vai....

[Leitor] A mulher precisa falar para orar e profetizar, não é? Orar e profetizar é falar, não é? 

É claro que é, portanto ela pode fazer tudo isso, desde que não seja na reunião da igreja. Mas não confunda "igreja" ou "assembleia" com o lugar físico onde as reuniões da igreja ou assembleia são feitas. Quando a epístola fala que as mulheres devem permanecer caladas nas igrejas não está se referindo ao prédio ou sala onde a igreja ou assembleia se reúne. Está falando da reunião, no período desde quando começa até quando termina. Quando os irmãos em uma assembleia determinam que sua reunião começa às 19 horas e termina às 20 horas, nesse período é a reunião da igreja e é quando as mulheres devem permanecer caladas.

[Leitor] Cantar é falar, não é?

O problema agora não é de Bíblia, mas de dicionário. "Falar" é "exprimir por meio de palavras" e "Cantar" é "Formar, emitir com a voz sons ritmados e musicais". Você não precisa de palavras para cantar, mas é impossível falar sem palavras (exceto na linguagem por sinais). Eu posso passar o dia cantando "trá-lá-lá" e não dizer uma palavra. Portanto a epístola não proíbe a mulher de CANTAR mas de FALAR. O que você acha que aconteceria se o Roberto Carlos, ao invés de cantar em um show, passasse duas horas falando? As pessoas iriam querer o dinheiro de volta. Então a distinção é clara.

Além disso é preciso entender a razão da proibição de as mulheres falarem nas reuniões da igreja: elas são mais suscetíveis ao engano do que os homens, pois Eva foi enganada e Adão não foi. "Adão não foi enganado, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão" (1 Tm 2:14). A proibição tem por objetivo evitar que uma mulher introduza má doutrina durante a reunião da igreja. Quando ela canta, está seguindo um texto previamente preparado e isento de erros doutrinários, portanto não existe aí o risco de ser enganada e enganar. Assim, isto é, seguindo a letra de um hino que foi previamente selecionado por um varão para o cântico em assembleia, ela acabará em um certo sentido "falando", mas obviamente sem ter a iniciativa do quê falar, que é quando poderia errar e induzir ao erro. Por esta razão a mulher também não deve ler a Palavra de forma audível durante as reuniões da igreja porque é possível errar e induzir ao erro até trazendo um versículo fora do contexto ou do momento apropriado.

[Leitor] Então eu te perguntou, será que é certo privar as mulheres de orar, profetizar, ensinar e falar?

Essa forma de generalização é perigosa. Foi usada pela primeira vez no Jardim do Éden: "É assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim?" Gênesis 3:1 Satanás generalizou como se Deus fosse um tirano e sua ordem um absurdo. A palavra "privar" parece ter sido colocada para soar como uma injustiça. Não, Deus não está privando as mulheres de orar, profetizar, ensinar e falar. A Palavra de Deus, inspirada pelo Espírito, está apenas estabelecendo limites e em todas as circunstâncias, é sempre a vontade própria que acaba entornando o caldo quando decide fazer as coisas do seu próprio jeito, como se os fins justificassem os meios:

"Porém Samuel disse: Tem porventura o SENHOR tanto prazer em holocaustos e sacrifícios, como em que se obedeça à palavra do SENHOR? Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar; e o atender melhor é do que a gordura de carneiros. Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, e o porfiar é como iniqüidade e idolatria." 1 Samuel 15

[Leitor] Onde estão as recomendações para que a mulher não ensine? Nas epístolas aos coríntios e nas epístolas a Timóteo, não? Te pergunto, onde Timóteo estava quando recebeu a carta? Por ventura, ele não estava em Corinto?

Aqui: "Não permito, porém, que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre o marido, mas que esteja em silêncio." 1 Timóteo 2:12
Sinceramente não sei onde Timóteo estava. Mas o contexto aqui não é o da reunião da igreja (isso já ficou estabelecido em Corinto), mas na relação entre homem e mulher, devendo esta dar o lugar que Deus definiu nessa ordem que estabeleceu (algo como a ordem estabelecida numa empresa, onde há gerentes, supervisores etc., mas onde a ordem não significa que um seja inferior ou superior ao outro em sua capacidade, qualidade, etc.). No contexto diz também a razão dessa proibição:

"Porque primeiro foi E Adão não foi enganado, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão." Na minha Bíblia diz que foi esta a razão.

Mais acessadas da semana