As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

Como você entende a expressão "casa de deus"?



https://youtu.be/n-CD0d_orfw

Deus tem uma casa e nela deve haver ordem, assim como tenho uma casa e devo manter a ordem nela. A diferença que a ordem da casa de Deus foi dada por Ele aos homens (1 Tm 3.15). Estou agora me referindo à Igreja em um aspecto diferente. Já falei dela em outras cartas como Corpo, organismo, tendo a cabeça no céu. A casa é a parte terrena. Como já disse em outra carta, o corpo continua perfeito (Efésios 4). A casa não (2 Timóteo 2). Mas isto não nos exime da responsabilidade da casa, que foi dada a homens.

O que vemos em 1 Coríntios 5? O cuidado da casa. Havia pecado e Paulo clama por ação. Trata-se de um caso de disciplina na Igreja ou assembléia no seu caráter de casa de Deus. Deveriam deixar que o que se prostituía decidisse se devia ou não participar da Ceia? Obvio que não. Os irmãos tinham o poder ou autoridade do Senhor para agir. É claro que no capitulo vemos algo mais que não temos hoje, a autoridade de entregar alguém a Satanás para a destruição da carne (morte) como Pedro fez com Ananias e Safira, o que é mais ou menos o caso do "pecado para morte" (do corpo) que encontramos nas epistolas.

Mas Paulo manda "tirai dentre vos a esse iníquo" (1 Co 5.13). Se pensarmos nos padrões modernos quando o homem inventou um montão de coisas que não encontramos nas Escrituras, uns iriam dizer que isto seria equivalente a hoje cassar a carterinha de membro do fulano, ou não deixar que entre no templo ou que participe de certas reuniões reservadas, proibi-lo de cantar no coro, tocar na banda, etc. etc.

Mas tudo isso não tem fundamento bíblico portanto não encontraremos os Coríntios agindo assim. Não tinham carterinha, não tinham templo, não tinham coro ou banda. Mas o que tinham então? Tinham a mesa do Senhor. Ou por que estaria escrito: "com o tal nem ainda COMAIS?" Onde comemos? Na mesa, o lugar de comunhão. Onde expressamos comunhão com os outros membros do corpo? No pão, partido a mesa do Senhor (1 Co 10).

1 Coríntios 5 não se trata de tirar alguém do corpo, pois isto é impossível, mas trata-se de tirar alguém da mesa do Senhor. E creio que se a assembléia (não um pastor, pois não encontramos "the one-man-band", ou melhor, "the one-man-ministry" nas epistolas) tinha o poder de excluir alguém da comunhão a mesa do Senhor, ela também tinha o poder de admitir, ou readmitir (que parece ser o assunto de 2 Co 2.7,8 quanto ao que foi excluído em 1 Co 5). E isto era feito não com a autoridade de homens, mas com a autoridade do Senhor. Era feito em nome do Senhor Jesus Cristo (1 Co 5.4).

Fazer algo "em nome de" é fazer com autoridade delegada. Esta é a razão de meu posting anterior perguntando sobre a mesa do Senhor sob uma bandeira denominacional. Não consigo entender como algo dentro de uma denominação possa estar sendo feito SOMENTE em nome do Senhor, e não em nome dEle **E** da denominação. Mas isto já é outra historia.

Onde entra 1 Coríntios 11.28? (o "Examine-se a si mesmo")? Entra para os que JÁ estão a mesa. Colocando em termos práticos. Alguém chega a um local onde os irmãos estão reunidos ao nome do Senhor (Mt 18.20), celebrando a ceia do Senhor, a mesa do Senhor, e se apresenta como sendo cristão. Deve ser recebido com base no que fala? Não, pois a responsabilidade e cuidado da mesa foi dado aos que estão ali reunidos ("Tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, etc." Mt 18.18 - não se trata aqui de salvação, mas de administração).

O recém chegado pode ser um herege, um espírita (espíritas se dizem cristãos), um discípulo do Moon, etc. Ou, se for cristão, pode estar vivendo em adultério ou estar publicamente desonrando o nome do Senhor. Como posso me sentar a mesa e ter comunhão com alguém assim? Devemos nos lembrar Deus havia dado aos israelitas semelhante cuidado quando da ordenação da páscoa: "Nenhum incircunciso comera dela" (Ex 12.48)

Como sei se o que chegou é cristão? Não sei, pois só Deus conhece o coração. Mas pelas suas obras posso ter uma idéia. E só posso conhecer suas obras se observá-lo por algum tempo, ou receber com ele uma carta de recomendação de irmãos que conheço (como vemos que era feito no N.Testamento). Resolvida esta questão, certamente aquele irmão terá o seu lugar a mesa do Senhor para celebrar a memória da Sua morte.

Hei, Mario, você se esqueceu do "Examine-se a si mesmo"! Ah, sim! E o que vem a seguir? "...e ASSIM COMA DESTE PÃO E BEBA DESTE CÁLICE". (1 Co 11.28). O examine-se não é no sentido da própria pessoa julgar ou não se é digna de comer ou não. Éramos todos indignos, mas o Senhor nos fez dignos. Se cheguei até aqui, a ordem é "COMA!". E, assim examinado (um ex-indigno feito digno), eu como sempre. Não diz "veja se deve comer ou não", mas diz, "ASSIM COMA". Se estiver em algum pecado que desonre o nome de Cristo, não devo nem chegar a tal ponto. Devo antes confessar aos irmãos com os quais estou reunido e eles, com a autoridade que o Senhor deu a assembléia, decidirão se devo ser excluído da comunhão a mesa do Senhor.

É interessante como somos criteriosos quando se trata da nossa casa, mas como abrimos todas as portas quando se trata da casa do Senhor! Será que o que escrevi acima tem fundamento bíblico? Antes de refutarem, esperaria que os irmãos analisassem cuidadosamente. Não é porque já fazemos algo há muitos anos que estamos fazendo certo. A Palavra de Deus é nosso padrão, não o que vemos sendo praticado ao redor.

Mais acessadas da semana