As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

Por que Deus mandou matar nações inteiras no AT?



https://youtu.be/4nV9i5NUylQ

Você escreveu que "não podemos conceber de forma alguma que DEUS coloque no decálogo um mandamento dizendo: "Não matarás" e em seguida mande que Moisés mate todos os povos conquistados", e chamou a isso de "uma berrante contradição do mandamento 'não matarás'".

Se fosse contradição, seria um crime qualquer país manter um exército. Não sei se você é militar ou policial, mas há muitos espíritas militares e policiais, não há? Na hora de defender o país ou a população, o que ele vai fazer, atirar flores?

Em Gn 9 Deus dá ao homem a autoridade de matar como forma de exercer juízo. Essa autoridade é confirmada no NT em Rm 13 e essa é a dificuldade de muitas pessoas não entenderem que a pena de morte, por exemplo, ou a morte na guerra, foram coisas autorizadas por Deus em Gênesis 9 e nunca revogadas.

Obviamente hoje o cristão, por ser um cidadão do céu, talvez não se sinta bem em estar na posição de um algoz, embora existam muitos cristãos que ocupem postos de soldados e policiais onde eventualmente terão de matar como forma de proteger a si mesmo ou outras pessoas.

Eu também tinha dificuldade para entender esse modo de proceder de Deus no Antigo Testamento, até entender a noção de autoridade, algo a que todos estamos sujeitos. Não cabe ao subordinado julgar se a autoridade está certa ou errada, cabe a ele se submeter aos poderes superiores (pais, professores, policiais, prefeitos, governadores, presidentes, juízes...).

Quando Deus mandava os judeus invadirem uma terra, Ele estava exercendo Seu juízo sobre povos cruéis. Você pode entender isso quando Ele adia seu juízo sobre os Amorreus porque ainda não tinham enchido a medida de iniquidade: "Na quarta geração, porém, voltarão para cá; porque a medida da iniqüidade dos amorreus não está ainda cheia". Gênesis 15:16

Mas Deus não usou apenas judeus como Seu instrumento de juízo. Ele usou gentios, como Ciro: "Assim diz o Senhor ao seu ungido, a Ciro, a quem tomo pela mão direita, para abater nações diante de sua face, e descingir os lombos dos reis; para abrir diante dele as portas, e as portas não se fecharão" Isaías 45:1

E se pensarmos no reino milenial de Cristo que ocorrerá após o arrebatamento da Igreja e a grande tribulação, e antes do juízo final, fica fácil entender que não será uma coisa tão idílica quanto muitos pensam, já que durante aquele período quem não se sujeitar a Deus será morto. O juízo será todas as manhãs. "Pela manhã destruirei todos os ímpios da terra, para desarraigar da cidade do Senhor todos os que praticam a iniquidade" ( Sl 101:8).

É difícil admirar o trabalho de um soldado na guerra, de um policial na luta contra o crime, ou de um carcereiro em trancafiar pessoas, mas eles são instrumentos da justiça humana (e, por tabela, divina). É ingenuidade você pensar em um mundo sem autoridades superiores, e é ingenuidade maior ainda pensar em um Deus sem autoridade para julgar e condenar segundo os Seus (e não os nossos) critérios de justiça.

Afinal, de onde você acha que aprendeu as noções de justiça que hoje traz em sua mente? De uma cultura judaico-cristã, da qual você não pode fugir. Todavia, se por um lado você se arvora no direito (e capacidade) de julgar o que é certo e errado nos atos divinos, isso o torna juiz de Deus.

Será que ainda não se deu conta de que há coisas que você, como uma criança em relação aos desígnios divinos, não entende? Você não se deu conta de que ainda há coisas que precisará aprender? Como se acha já capaz de julgar o que é certo ou errado se até essas noções você recebeu por meio de um aculturação do meio judaico-cristão em que nasceu?

Seus filhos, quando pequenos, certamente não entendiam muitas de suas ordens ou forma de proceder. E veja que eles estavam a apenas poucos anos de serem adultos para entender essas coisas. A que distância você se considera estar de Deus para achar que já pode entender Seus desígnios, julgá-los e separar em quê Ele está com a razão ou não?

Mais acessadas da semana