As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

A Bíblia é diferente dos originais?



https://youtu.be/mPGnpCC3U8U

Dizer que a Bíblia é diferente dos originais costuma ser o argumento daqueles que não creem na Bíblia ou mais especificamente no Novo Testamento. Há 2 mil anos os judeus já usavam o Antigo Testamento que temos hoje, mas obviamente o Novo Testamento ainda estava sendo escrito. Os que temos hoje são baseados nos manuscritos que chegaram até nós.

O argumento de que sejam diferentes dos originais só seria válido se alguém tivesse o original para comparar, caso contrário não passa de especulação. Ninguém tem os originais, portanto não há como comparar ou afirmar. O que existe são milhares de cópias manuais que podem diferir entre si em algumas pequenas porções, mas que de uma forma geral concordam. A menos que você conheça os originais, não poderá dizer que os manuscritos de onde saiu o Novo Testamento sejam diferentes.

Há também algumas evidências internas ao próprio texto que apontam para sua veracidade. Por exemplo, as primeiras testemunhas da ressurreição de Jesus foram mulheres, algo inconcebível na época. Uma invenção da história teria certamente colocado personagens homens como testemunhas, já que o testemunho de mulheres não era levado em conta na época. Ninguém imaginaria então inventar algo e colocar que quem viu isso foram mulheres.

A idéia de terem sido lendas (a concepção virginal de Cristo, os milagres, Sua morte, ressurreição etc) foi descartada por um escritor que é considerado um dos maiores especialistas em lendas do mundo: J. R. R. Tolkien, autor de "Senhor dos Anéis". Cristão convicto, Tolkien convenceu seu grande amigo ateu C. S. Lewis de que a narrativa do Novo Testamento não é uma lenda. Lewis se converteu a Cristo e escreveu vários livros, entre eles "As Crônicas de Narnia".

P. E se você tiver um tradutor de hebraico e ele te provar que tudo que está escrito lá foi adulterado pela igreja católica ao longo de mais de 1000 anos de completo domínio sobre as primeiras traduções pro grego e depois latim?

O Novo Testamento foi todo ele escrito em grego, que era o "inglês" universal da época, exceto o evangelho de Mateus que foi escrito em aramaico, a língua falada na palestina na época. Apenas o Antigo Testamento é judaico. A igreja católica não possui todos os manuscritos, apenas alguns. Aqui você encontra uma lista de mais de 300 manuscritos com porções do Novo Testamento e os lugares onde estão guardados (o mais antigo é do ano 200 DC).

Aqui, mais de 500 papiros também com porções do Novo Testamento (os mais antigos do ano 150 DC).

Aqui, mais porções escrito em grego minúsculo (o grego usado no Novo Testamento era só de maiúsculas), produzidos em média mil anos depois de Cristo.

Aqui, manuscritos em Latim (mais antigo é de 350 DC).

Existem ainda os textos clássicos que são volumes mais completos, alguns contendo também o Antigo Testamento, como o Código Vaticano, o Código Saniático e o Código Alexandrino. Uma tradução também do século IV muito importante foi a de "São Jerônimo". A maioria destas traduções são conservadas na Biblioteca Vaticana. O Código Alexandrino, escrito no Egito, é conservado no Museu Britânico, em Londres. Com a profusão de outros manuscritos todos eles puderam ser comparados com textos mais antigos existentes em outros lugares do mundo (a descoberta de novos manuscritos continua).

Aqui você encontra boas informações sobre como o Novo Testamento surgiu. Percebe agora como a expressão "grosseiramente adulterado pela igreja católica" não tem qualquer respaldo na história ou mesmo nas pesquisas mais modernas que continuam sendo feitas em cima dos manuscritos? Existe um exemplo interessante para mostrar como os copistas da antiguidade zelavam pela fidelidade das cópias. Na década de 40 foram descobertos manuscritos do livro de Isaías numa caverna em Qam Ram que eram 700 anos mais antigos do que os que foram usados para a tradução que temos hoje de Isaías. O texto era o mesmo.

Mais acessadas da semana