As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

O primeiro a falar do arrebatamento foi John Nelson Darby?



https://youtu.be/z3igDltMZZM

Não, o primeiro a falar do arrebatamento não foi John Nelson Darby. Apesar de Darby ter escrito bastante sobre o assunto, e também sobre as diferentes dispensações ou formas de Deus tratar com o homem nas diferentes épocas, existem referências ao arrebatamento da Igreja feitas por outros autores contemporâneos a eles e também referências bem mais antigas. Algumas trazem alguns ensinamentos confusos, mas ao menos servem para mostrar que a idéia de um arrebatamento era conhecida no passado entre os cristãos.

Uma delas está em um manuscrito chamado Pseudo-Efraim escrito entre o ano 374 e 627 (não existe uma concordância quanto à data exata):

"Portanto, por que não rejeitamos todo cuidado terrenal e nos preparamos para encontrar o Senhor Cristo, de modo que Ele possa nos tirar da confusão que toma conta do mundo?... Pois todos os santos e eleitos de Deus são reunidos, antes da tribulação que virá, e são levados para o Senhor a fim de não verem a confusão que está para dominar o mundo por causa de nossos pecados"

Outro texto foi escrito por Morgan Edwards em 1744 e publicado em 1788:

"A distância entre a primeira e a segunda ressurreição será de aproximadamente mais de mil anos. Digo aproximadamente mais porque os santos mortos ressuscitarão e os vivos serão transformados quando Cristo aparecer nos ares; e isso acontecerá cerca de três anos e meio antes do milênio, como veremos a seguir: mas ficarão ele e eles nos ares todo esse tempo? Não: eles subirão ao paraíso, ou para alguma das muitas mansões na casa do Pai, e desaparecerão durante o periodo de tempo mencionado. O objetivo dessa retirada e desaparecimento será para julgar os santos ressuscitados e transformados; pois eis que o tempo do juízo deve começar e isso pela casa de Deus...

Há também um texto de 1316 chamado "História do Irmão Dolcino", escrito por um autor anônimo da diocese de Vercelli no norte da Itália. O texto em latim fala das obras e crenças de uma ordem religiosa chamada de Irmãos Apostólicos, sob a liderança de Irmão Dolcino, existente naquela época. O texto foi recopiado em 1551 e mais tarde impresso em 1740 no Rerum Italicarum Scriptores. A edição mais recente é de 1907. A ordem dos Irmãos Apostólicos foi perseguida pelo Papa e apenas no ano de 1307 mais de 400 deles foram mortos pelo exército do Papa. Vamos ao texto, que mostra existir naquela época uma idéia da existência de um arrebatamento, muito embora o relato seja de alguém ligado a Roma e pode não representar com precisão as crenças de Dolcino:

"Dolcino acreditava e pregava e ensinava que naqueles três anos o próprio Dolcino e seus seguidores pregarão a vinda do Anticristo. E que o Anticristo vinha ao mundo naquele período de três anos e meio; e que após vir, então ele (Dolcino) e seus seguidores seriam transferidos para o Paraíso, no qual estão Enoque e Elias. E desse modo eles serão poupados da perseguição do Anticristo. E que então os próprios Enoque e Elias descerão à terra para pregar contra o Anticristo. Então eles serão mortos pelos servos do Anticristo, e assim o Anticristo irá reinar por um longo tempo. Mas quando o Anticristo for morto, o próprio Dolcino, que então será o santo padre, e seus seguidores que o seguiram, descerá à terra e pregará a verdadeira fé em Cristo a todos, e converterá aqueles que crerem à verdadeira fé de Jesus Cristo".


Todavia, é inegável a influência que o pensamento de Darby e os muitos livros que publicou tiveram na sociedade do século 19 e na história do mundo. Mesmo sem ter se envolvido com política, hoje sabemos que até a decisão da Inglaterra de apoiar a criação do estado de Israel foi tomada sob influência do pensamento dispensacional, do qual Darby foi um dos principais propagadores. Outros cristãos também tiveram grande influência na história do mundo cada um em seu tempo, como foi o caso de Martinho Lutero e Charles Wesley.

Embora não fosse intencional, a configuração do mundo cristianizado atual é consequência do modo como Deus usou Lutero, e a a própria manutenção da coroa britânica deve muito a Charles Wesley e ao volume de pessoas que se converteu em uma época quando a inquietação pública estava a ponto de levar o país a uma revolução. Quando hoje vemos cristãos falando em arrebatamento, vinda do Senhor antes da tribulação ou que o cristão não tem nada que dominar a Terra, mas que isso será dado a Israel no futuro, poucos sabem o quanto do que crêem teve a influência dos escritos de John Nelson Darby.

Uma matéria escrita por um jornalista britânico faz críticas aos pensamentos de Darby, mas atribui a ele boa parte do desenho do mundo político atual. Obviamente Darby não tinha qualquer intenção de se intrometer em política, mas é interessante ler o artigo (em inglês) para entender o lugar que teve na história, leia o trecho que colei no final.

O artigo completo está aqui.
Para ler o mesmo em uma tradução automática do Google Translator, clique aqui lembrando mais uma vez que trata-se de um artigo crítico escrito por um jornalista secular.

Outro artigo aqui com tradução automática aqui.

"If Darby’s teaching and that of others who shared his perspective had remained simply a topic of debate among Christians over how to interpret the difficult apocalyptic passages of Scripture, it would have had little impact on world affairs. As it was, it had great influence: Darby’s teaching came to influence key nineteenth-century British political figures at a time when the British Empire was still in full sail.

The most important of these figures was Lord Anthony Ashley Cooper, seventh Earl of Shaftesbury.23 Lord Shaftesbury was an influential figure among evangelicals of his day. He also had the ear of powerful British politicians including the British foreign minister, Lord Palmerton. Shaftesbury became a tireless advocate for the dispensationalist take on biblical teaching both in his work with the church and on the political scene."
CHRISTIAN ZIONISM: A HISTORICAL ANALYSIS AND CRITIQUE By John Hubers

"John Nelson Darby (1800-81), a renegade Irish Anglican priest, added several unique features to Way's teachings, including the doctrine of "the Rapture," whereby "born again Christians" would be literally removed from history and transferred to heaven prior to Jesus' return. Darby also placed a restored Israel at the center of his theology, claiming that an actual Jewish state called Israel would become the central instrument for God to fulfill His plans during the last days of history. Only true ("born again") Christians would be removed from history prior to the final battle of Armageddon through the Rapture - based on his literal interpretation of 1 Thessalonians 4:16.


Darby's extensive writings and 60-year career as a missionary consolidated a form of fundamentalism called "premillennialism" (Jesus would return prior to the Battle of Armageddon and his millennial rule on earth). Darby made six missionary journeys to North America, where he became a popular teacher and preacher. The premillennial theology and its influence on Christian fundamentalism and the emerging evangelical movement in the United States can be directly traced to Darby's influence" Christians and Zion: Part I - Part I: "British Stirings" - by Donald Wagner - Daily Star

Mais acessadas da semana