As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

Foi errada a escolha de Matias para apostolo?



http://youtu.be/UP5XVBsFQtw

Sua dúvida é se a escolha de Matias não teria sido uma iniciativa de homens apenas, e não de Deus. Segundo você, Pedro teria se apressado ao decidir que alguém deveria tomar o lugar de Judas, sem esperar para saber qual era a intenção do Senhor. Além disso, a escolha feita lançando sortes não seria, no seu entender, correta para um cristão. No meu entender, a escolha de Matias foi correta por algumas razões.

1. Os doze apóstolos originais não foram escolhidos como apóstolos para a Igreja, mas para Israel, já que a Igreja só viria a existir a partir de Atos 2. A missão dos apóstolos era primeiramente pregar o evangelho do Reino a Israel.

2. Todo o relacionamento do Senhor com Seus apóstolos nos evangelhos é um relacionamento judaico, onde coisas como o Templo, sacrifícios, ofertas, sacerdotes etc. continuam em vigor. Os apóstolos não tinham o Espírito Santo habitando neles, o que só ocorreu após Pentecostes, mas tinham o Espírito atuando por intermédio deles.

3. Embora não tivessem ainda o Espírito habitando em si, os apóstolos tinham a autoridade apostólica que o Senhor delegou a eles, e isso inclui Judas. Autoridade delegada não significa infalibilidade.

4. É com base nessa autoridade que eles procedem à escolha do décimo segundo, mas mesmo assim não decidem de si mesmos, mas colocam diante do Senhor. Primeiro eles fazem uma seleção com base nas características e pré-requisitos que aprenderam do próprio Senhor: ter convivido com o Senhor Jesus desde o batismo de João até o dia da ascensão, e ter testemunhado a ressurreição. Isso restringia as possibilidades a apenas dois candidatos.

At 1:21-26 "É necessário, pois, que, dos varões que conviveram conosco todo o tempo em que o Senhor Jesus entrou e saiu dentre nós, começando desde o batismo de João até ao dia em que dentre nós foi recebido em cima, um deles se faça conosco testemunha da sua ressurreição. E apresentaram dois: José, chamado Barsabás, que tinha por sobrenome o Justo, e Matias. E, orando, disseram: Tu, Senhor, conhecedor do coração de todos, mostra qual destes dois tens escolhido, para que tome parte neste ministério e apostolado, de que Judas se desviou, para ir para o seu próprio lugar. E, lançando-lhes sortes, caiu a sorte sobre Matias. E, por voto comum, foi contado com os onze apóstolos".

5. O fato de terem lançado sortes para que o Senhor indicasse através das sortes não era anti-bíblico se considerarmos que eles ainda não tinham o Espírito Santo neles dando discernimento. O Antigo Testamento autorizava essa prática, e reconhecia-se que a decisão viria do Senhor.

Pv 16:33 "A sorte se lança no regaço, mas do SENHOR procede toda a sua disposição".

Hoje o crente pode receber a direção do Senhor pela Palavra de Deus e também pelo Espírito Santo que habita em si. Não é aconselhável tomar decisões hoje lançando-se sortes como faziam aqueles que não tinham o Espírito Santo. Quem abre a Bíblia a esmo esperando tomar uma decisão baseada num versículo qualquer apontado de olhos fechados corre o risco de encontrar sob seu dedo o trecho: "E ele, atirando para o templo as moedas de prata, retirou-se e foi-se enforcar".)

6. A escolha de Matias não é negada ou repreendida por Deus em lugar algum do Novo Testamento, pelo contrário, ele passa a ser reconhecido como um dos "doze" antes mesmo do surgimento de Paulo.

At 6:2 "E os doze, convocando a multidão dos discípulos, disseram: Não é razoável que nós deixemos a palavra de Deus e sirvamos às mesas".

7. O próprio apóstolo Paulo reconhece que Matias é um dos doze ao mencionar que o Senhor foi visto "pelos doze", o que refere-se ao número completo incluindo Matias, já que então Judas estava morto. Paulo também faz distinção entre a experiência dos apóstolos e a sua própria, bem posterior, como de um nascido fora de tempo.

1 Co 15:5-8 "e que foi visto por Cefas e depois pelos doze [deve estar agora se referindo a Cefas + os 11]. Depois, foi visto, uma vez, por mais de quinhentos irmãos, dos quais vive ainda a maior parte, mas alguns já dormem também. Depois, foi visto por Tiago [talvez individualmente] , depois, por todos os apóstolos [outra vez "os doze"] e, por derradeiro de todos, me apareceu também a mim, como a um abortivo".

8. O apóstolo Paulo foi o apóstolo escolhido do Senhor para ser o apóstolo dos gentios. A ele foi feita uma revelação que não tinha sido feita aos outros: a Igreja. Nenhum dos doze apóstolos sabia da Igreja antes de Paulo explicar a eles. Os doze tinham sido comissionados pelo Senhor para anunciar o Cristo, que estava aqui no mundo, aos judeus. Paulo foi comissionado para anunciar Jesus, no céu em glória, aos gentios.

Finalmente, quanto à sua última dúvida, se é Matias ou Paulo que terá seu nome em um dos doze fundamentos da Santa Jerusalém que desce do céu em Apocalipse 21:

Apo 21:14 "E o muro da cidade tinha doze fundamentos e, neles, os nomes dos doze apóstolos do Cordeiro".

A resposta é Matias. Considere que:
  • Matias foi o apóstolo escolhido em Atos 1 para ser o décimo-segundo e completar "os doze"
  • Ele foi reconhecido como "os doze" em Atos 6
  • Efésios 2:20 diz que a Igreja (e é a Igreja essa Santa Jerusalém que desce do céu em Apocalipse) foi edificada "sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina".
  • A fundação (a inauguração ou o lançamento dos fundamentos) da Igreja ocorreu em Atos 2, antes de Paulo se converter. Embora Paulo fale do fundamento em 1 Co 3:10, ali ele está se referindo a Cristo.

Mais acessadas da semana