As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

As mulheres devem lavar os pes dos irmaos?



https://youtu.be/CYR9Ndpa67Y

Sua dúvida está relacionada à passagem de 1 Timóteo 5:1-16 que traz instruções para as viúvas entre os irmãos. Muito do que é dito a elas também pode ser aplicado às irmãs em geral, como é o caso do trecho que gerou sua dúvida, "se exercitou hospitalidade, se lavou os pés aos santos, se socorreu os aflitos, se praticou toda a boa obra." (1 Tm 5:10).

O lavar dos pés era um costume dos judeus, tanto para si mesmos, como para os visitantes que chegavam a uma casa. É fácil entender isso em uma sociedade onde não existiam ruas e calçadas e as condições climáticas produziam muita poeira. Quando um visitante chegava podia-se tanto dar a ele uma bacia com água, como ordenar a um servo que lavasse os pés do visitante, caso fosse uma casa mais rica. Portanto, quem lavasse os pés de alguém precisaria se encurvar como fazia um servo, humilhando-se a fazer uma tarefa assim. Foi exatamente o que o Senhor fez com seus discípulos:

"Jesus... evantou-se da ceia, tirou as vestes, e, tomando uma toalha, cingiu-se. Depois deitou água numa bacia, e começou a lavar os pés aos discípulos, e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido...  Depois que lhes lavou os pés, e tomou as suas vestes, e se assentou outra vez à mesa, disse-lhes: Entendeis o que vos tenho feito? Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou. Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros. Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também. Na verdade, na verdade vos digo que não é o servo maior do que o seu senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou. Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes." (Jo 13:3-17).

Um anfitrião podia demostrar sinal de hospitalidade lavando os pés de seu convidado ou ordenando a um servo que o fizesse. O ósculo (beijo) fazia parte da saudação e provavelmente também um pouco de azeite derramado sobre a cabeça do visitante. O Senhor, quando visitou a casa de um fariseu, observou que este não lhe deu água para os pés: "E, voltando-se para a mulher, disse a Simão: Vês tu esta mulher? Entrei em tua casa, e não me deste água para os pés; mas esta regou-me os pés com lágrimas, e mos enxugou com os seus cabelos. Não me deste ósculo, mas esta, desde que entrou, não tem cessado de me beijar os pés. Não me ungiste a cabeça com óleo, mas esta ungiu-me os pés com ungüento." (Lc 7:44-46).

Portanto a passagem das viúvas pode tanto ter este significado literal de praticar hospitalidade dando ao convidado tudo o que precisa, como também significar colocar-se numa posição de humilhação como o Senhor ensinou ao lavar os pés dos discípulos. Existe ainda o significado espiritual, que é aplicar a água da Palavra (Ef 5:26) àquela parte que teve contato com o mundo, para tirar a "poeira" que vai grudando em nós. Mulheres não têm um ministério público de ensino e pregação da Palavra, mas podem muito bem aplicar a Palavra no relacionamento com os irmãos, "lavando seus pés", isto é, ajudando-os a se livrarem das contaminações do mundo. Mulheres podem ser de grande encorajamento neste sentido porque os homens tendem a dar ouvidos a elas, principalmente quando observam nelas uma conduta exemplar.

"Semelhantemente, vós, mulheres, sede sujeitas aos vossos próprios maridos; para que também, se alguns não obedecem à palavra, pelo porte de suas mulheres sejam ganhos sem palavra; Considerando a vossa vida casta, em temor." (1 Pe 3:1-2).

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana