As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

Se os homens morrem uma vez por que Lazaro morreu duas?



https://youtu.be/xeQjpmjsAVA

Sua dúvida é, se em Hebreus 9:27 é dito que "aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo" como foi que Lázaro morreu duas vezes? Sua pergunta é interessante, mesmo porque apesar de não termos na Bíblia um relato da segunda morte de Lázaro, sabemos que ele deve ter morrido novamente por ninguém ter visto Lázaro caminhando por aí desde então. E ele também não poderia ter ressuscitado porque sabemos que "Cristo ressuscitou dentre os mortos, e foi feito as primícias dos que dormem" (1 Co 15:20).

Mas quero acrescentar um pouco mais de dificuldade à sua pergunta colocando outras: Se "aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo" como foi que Enoque nunca morreu, mas foi arrebatado? O que dizer de Elias, que subiu ao céu em um redemoinho sem ter experimentado a morte? Se parecia difícil explicar como Lázaro teria morrido duas vezes, o que dizer destes que nunca morreram nem uma vez sequer?

Podemos ir mais longe se pensarmos nos outros que ressuscitaram, no Antigo Testamento e no Novo Testamento, obviamente nenhum deles a ressurreição para viverem eternamente, mas apenas a volta ao velho corpo de carne. No Antigo Testamento temos o filho da viúva (1 Reis 17:17-24), a mulher sunamita (2 Reis 4:32-37) e o homem cujo cadáver tocou nos ossos de Eliseu (2 Reis 13:20-21). No Novo Testamento temos o filho da viúva (Lucas 7:11-15), a filha de Jairo (Lucas 8:41-42, 49-55), Lázaro (João 11:1-44), os muitos santos que haviam morrido e ressuscitaram por ocasião da morte de Jesus (Mateus 27:52), Tabita (Atos 9:36-43) e Êutico (Atos 20:9-10), apesar de não ficar claro se ele morreu ou não, já que apesar de a passagem dizer que ele "foi levantado morto", Paulo diz que "sua alma nele está". Obviamente não incluo aqui Jesus, porque sua ressurreição até agora foi a primeira e única de alguém que está em um corpo glorioso.

Mas espere, ainda não terminei. Pense também nos milhões e milhões que serão arrebatados quando Cristo vier buscar sua Igreja e não experimentarão a morte. Acredito que este seja um grupo diferente daquele de Enoque e Elias, porque neste caso seremos transformados para termos nosso corpo semelhante ao de Cristo ressuscitado, ou seja, corpos gloriosos prontos para a eternidade. Se Cristo é "as primícias dos que dormem" no sentido da ressurreição definitiva, Enoque e Elias ainda não desfrutaram deste privilégio. A aparição de Elias, com Moisés, no monte da transfiguração poderia ser explicada do mesmo modo como o Senhor apareceu diversas vezes no Antigo Testamento, mesmo sem ter vindo antes em carne, ou do mesmo modo como ocorriam as aparições de anjos em forma humana.

Portanto entendo que em Hebreus 9 temos uma ordem genérica, ou seja, aos homens está ordenado morrerem uma só vez vindo depois disso o juízo. E em todos os casos que citei temos milagres ou exceções à ordem genérica. Para entender isso, pense na força da gravidade, que atinge tudo e todos debaixo do céu. Essa força foi a mesma que derrubou Êutico da janela e da qual é dito que "no lugar em que a árvore cair ali ficará" em Eclesiastes 11:3.  No entanto em 2 Reis 6:1-6 vemos o relato de um machado que flutuou e, no caso de Elias, sabemos que ele subiu desafiando a gravidade. Também sabemos que Jesus caminhou sobre as águas, o que contradiz essa lei que atinge a tudo e a todos.

Resumindo, o que diz em Hebreus 9 é o que acontece, como diria meu professor de química, "em condições normais de temperatura e pressão". Os casos excepcionais são milagres operados por Deus que extrapolam a ordem natural e normal das coisas, e sabemos que Deus é soberano em mexer os pauzinhos conforme lhe apraz. Você vê nisso um problema? Não, graças a Deus por isso! Caso contrário jamais teríamos sido salvos, pois o pecado leva à morte e ao juízo, e nossa salvação é claramente uma exceção à regra genérica de que "aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo" (Hb 9:27). No caso do crente que for arrebatado a morte nunca virá, e para o crente que já morreu, o juízo nunca chegará. Pois Jesus mesmo garantiu isso, ao dizer: "quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida" (Jo 5:24).

por Mario Persona


Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana