As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

Existia morte antes da queda do homem?



https://youtu.be/S8-upLKGfRU

P: Como esclarecer a entrada da morte no mundo pelo pecado original visto que os
dinossauros morreram antes do homem?

Obs. Este texto é uma continuação de O que a Biblia diz dos dinossauros?

Até receber seu email eu nunca tinha me preocupado muito com a questão dos dinossauros ou da morte antes da queda do homem. Eu simplesmente afirmava, baseado em Romanos 5:12, que "por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos pecaram". Eu também associava Romanos 8 à morte dos animais:

Rom 8:20-22 "Porque a criação ficou sujeita à vaidade, não por sua vontade, mas por causa do que a sujeitou, na esperança de que também a mesma criatura será libertada da servidão da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus. Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora".

O problema é que Rm 5:12 não fala que a morte passou a toda a criação, mas "a todos os homens" por causa do pecado, e Rm 8:20-22 não fala de morte relacionada à Criação, mas de vaidade, servidão, corrupção e sofrimento (gemido, dores). Além disso, nenhum crente iria imaginar que, uma vez completada a obra da redenção dos humanos, os animais viriam a ressuscitar. Creio que a "liberdade da glória dos filhos de Deus" venha a trazer alívio par ao sofrimento animal, não o fim de sua morte. Mesmo durante o reino milenial de Cristo continuará existindo a morte de animais que serão sacrificados.

Com sua pergunta decidi pesquisar e pensar mais sobre o assunto, e minhas conclusões sobre os dinossauros estão em http://www.respondi.com.br/2010/04/o-que-biblia-diz-dos-dinossauros.html

Entenda que muito do que escrevo ali é apenas especulação, já que Deus não nos revelou os detalhes destes assuntos. Quando não temos algo revelado na Palavra de Deus é porque isso não é importante para nós, e devemos descansar no fato de que Deus quis revelar apenas aquilo que seria útil para nossa salvação e para o conhecimento de Jesus, o Salvador.

Não temos também uma revelação clara da morte de animais e humanos existir ou não antes da queda do homem. O que temos é:

. Animais podem ter morrido antes, se os fósseis e plantas forem mesmo de uma criação original referida no versículo 1 de Gênesis, antes do cataclismo que transformou a Terra em sem forma, vazia e coberta de trevas no versículo 2. Carvão mineral e petróleo são formados a partir de plantas mortas.

. Nada é dito sobre a alimentação da vida marinha que Deus criou em Gn 1:21. Como a quase totalidade da vida marinha hoje é carnívora, e essa vida não tinha acesso à terra cujas plantas foram dadas como alimento aos animais terrestres, é provável que os animais marinhos já fossem carnívoros em sua criação.

. As plantas morriam quando eram comidas pelos animais terrestres. Estes podiam ou não ser carnívoros e nada é dito sobre serem imortais, portanto eles também deviam ter um ciclo de vida como tinham as plantas. Crescer, reproduzir-se e morrer é o ciclo da vida no planeta.

. Somente depois do dilúvio Deus deu os animais aos homens como alimento, mas nada é dito que então isso tenha sido feito também com os animais. Portanto eles podiam já se alimentar de outros animais antes. A passagem em Is 65:25, na qual o leão comerá palha como o cordeiro, não é conclusiva para as condições primordiais da Criação, pois fala de um acontecimento futuro.

. A ameaça de Deus feita a Adão, ao dizer que ele morreria se comesse do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, não faria sentido se "morte" fosse uma palavra que não existisse no vocabulário de Adão (eu mesmo devo ter dito em algum lugar que Adão não entendeu quando Deus lhe falou de morte, o que pode ter sido um equívoco meu).

Portanto, é bem provável que a morte já existisse para plantas e animais mesmo antes da queda do homem. A morte poderia até existir no ciclo de existência do homem original, já que Deus colocou no Éden uma árvore da vida, cujo acesso é vedado ao homem depois da queda, para ele não comer e viver eternamente na condição de pecador. Gn 3:22

Aparentemente Deus colocou a árvore da vida e a árvore do conhecimento do bem e do mal, proibindo esta, mas não aquela, para que o homem escolhesse a vida. Adão escolheu a desobediência e morte. Creio que até mesmo o intercurso sexual com Eva, que foi abençoado por Deus para que o casal procriasse, não foi algo que Adão e Eva buscassem de início. Tudo indica que a prioridade para eles foi desejarem ser como Deus comendo do fruto proibido.

Em Provérbios 3:18 diz que os caminhos de Deus são arvore da vida para aqueles que retêm a sabedoria de Deus. Isto indica que essa vida relacionada àquela árvore original não se limitava à vida animal do corpo. A árvore da vida volta a aparecer com frequência em Apocalipse como promessa de vida.

Deduzo disso tudo que temos tipos distintos de "vida" na Palavra de Deus. Uma é a vida das plantas, que nascem, crescem, se multiplicam e morrem. Outra é a vida dos animais ou "almas viventes", que além de nascerem, crescerem, se multiplicarem e morrerem, também têm inteligência e sentimentos, pois têm alma além de corpo.

Finalmente há a vida humana, que teria dois aspectos. Além de ser alma vivente como os animais, ou seja, com um corpo que nasce, cresce, se multiplica e morre, e uma alma com inteligência e sentimentos, o ser humano foi o único que recebeu o sopro de Deus, uma ligação com o Criador que nenhum outro ser vivo possui. Se assim for, a morte para o ser humano possui um significado muito mais amplo do que a morte do vegetal ou animal.

O homem tem algo que nenhum animal ou planta tem: o homem tem o espírito imortal que foi dado a ele por Deus. Plantas e animais são finitos, isto é, sua existência cessa na morte. O homem não. O rico e Lázaro estão ambos vivos e conscientes após a morte do corpo, embora em condições extremamente diferentes. O espírito humano é imortal, a alma humana (sentimentos, emoções, inteligência) é imortal, e o corpo humano é imortal em certo sentido, já que tanto salvos como perdidos irão ressuscitar no final, uns para o céu, outros para o lago de fogo.

A distinção no final é que alguns terão vida eterna, uma vida que vem de Deus e que nem mesmo Adão possuía. Veja que, com tudo isso, não é tão simples distinguir a que "morte" e "vida a Bíblia está se referindo em algumas passagens.

Joã 3:16 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

Quando vemos tudo isso neste contexto, até mesmo João 3:16 ganha um sentido novo: aquele que crê ganha um "tipo" de vida que não é apenas infinita, mas eterna, por ter vindo do próprio Deus, mesmo que seu corpo venha a morrer no processo natural da vida animal. Aquele que não crê morre (perece), mas não apenas no sentido de morte do corpo, e sim de um juízo eterno. Portanto a noção de vida e morte têm um aspecto muito mais amplo do que as limitações que temos no vocabulário.

Então se você me perguntar se existia morte antes da queda do homem eu posso dizer que não existia, se estivermos falando de uma vida que é distinta da vida de plantas, animais e da que foi dada inicialmente ao homem. Mas estaria igualmente correto responder que existia morte antes da queda, tanto dos dinossauros em tempos imemoráveis, como de outros seres vivos (plantas e animais) na Terra feita para habitação do homem.

Se quiser ampliar ainda mais essas elocubrações, pense no fato de Deus ter criado um jardim, o Éden, para colocar o homem. Nada é dito de como eram as condições fora do jardim, o que amplia ainda mais o leque das possibilidades.

Felizmente Deus não revelou nenhum detalhe acerca dessas coisas por achar que não traria qualquer proveito a nós, e devemos deixar assim. Ficamos, portanto, no campo das suposições e jamais devemos usar estas coisas como forma de estabelecer crenças ou doutrinas que dividam os cristãos. O maior número de divisões ocorre com base naquilo que Deus não disse em Sua Palavra, e não no que ele efetivamente disse.

Você irá encontrar textos e pregações que fiz afirmando coisas diferentes do que acaba de ler aqui porque na ocasião eu não tinha pensado no assunto como tenho feito agora. Mas, repito, espero que isto não venha a tirar seus olhos do assunto principal da Bíblia, que é CRISTO, e não dinossauros, animais, vida vegetal e coisas do tipo.

Para aquele que confia que Deus é justo em todos os Seus caminhos e propósitos, existir ou não a morte animal antes da queda do homem não vai fazer qualquer diferença. Apegar-se a pontos obscuros só serve para dar munição aos ímpios, ateus e incrédulos, portanto espero que tenha lido isto dentro do propósito com o qual eu mesmo escrevi, que é o de dar uma mera opinião pessoal, evitando de todas as formas que isto se torne em pedra de tropeço para a sua fé ou de qualquer outro que creia em Jesus.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana