fonte

Jesus diz que somos deuses?



https://youtu.be/_TOC5uEWk8g

Sobre sua dúvida em João 10:34-36 vou traduzir um comentário que achei bem completo:

"Respondeu-lhes Jesus: Não está escrito na vossa lei: Eu disse: sois deuses? Pois, se a lei chamou deuses àqueles a quem a palavra de Deus foi dirigida ( e a Escritura não pode ser anulada ), àquele a quem o Pai santificou e enviou ao mundo, vós dizeis: Blasfemas, porque disse: Sou Filho de Deus?"

Aqui o Senhor Jesus citou o Salmo 82:6 para aqueles judeus. Ele chamou isso parte da Lei. Em outras palavras, foi tirado do AT que eles reconheciam como sendo a Palavra de Deus inspirada. O versículo completo diz assim: "Eu disse: vós sois deuses, e vós outros sois todos filhos do Altíssimo". O Salmo era dirigido aos juízes de Israel. Eles eram chamados "deuses" não por serem divinos, mas por representarem a Deus quando julgavam o povo. A palavra hebraica para "deuses" (elohim) significa literalmente "poderosos" e pode ser aplicada para personalidades importantes como os juízes. (Fica claro pelo restante do Salmo que eles não passavam de homens e não deidades, pois julgavam injustamente, faziam acepção de pessoas e pervertiam a justiça).

O Senhor usou este versículo dos Salmos para mostrar que Deus usava a palavra "deuses" para descrever homens aos quais foi dada a Palavra de Deus. Em outras palavras, esses homens eram porta-vozes de Deus. Deus falava à nação de Israel através deles. Eles eram uma manifestação de Deus em seu lugar de autoridade e juízo, e eram os poderes ordenados por Deus. "E a Escritura não pode ser anulada", disse o Senhor, expressando sua crença na inspiração nas escrituras do Antigo Testamento. Ele fala delas como escrituras infalíveis que devem se cumprir, e que não podem ser negadas. Na verdade, as próprias palavras das Escrituras são inspiradas, não apenas seus pensamentos ou idéias. Todo o argumento do Senhor está baseado numa única palavra, "deuses".

O argumento do Senhor vai do menor para o maior. Se juízes injustos eram chamados "deuses" no Antigo Testamento, quanto mais direito tinha Ele (Jesus) de dizer que era o Filho de Deus. A Palavra de Deus veio a eles; Ele era e é a Palavra de Deus. Eles eram chamados "deuses"; Ele era e é Deus. Jamais poderia ser dito deles que o Pai os houvesse santificado e enviado ao mundo. Eles nasceram no mundo como quaisquer outros filhos do caído Adão. Mas Jesus foi santificado (separado) pro Deus Pai desde a eternidade para ser o Salvador do mundo, e foi enviado ao mundo do céu onde sempre habitou com Seu Pai. Assim Jesus tinha todo o direito de reivindicar igualdade com Deus. Ele não estava blasfemando quando clamava ser o Filho de Deus, igual com o Pai. Os próprios judeus usavam o termo "deuses" para homens corruptos que eram meros porta-vozes ou juízes designados por Deus. Quanto mais podia Ele (Jesus) reivindicar o título, já que ele realmente era e é Deus.

Traduzido de BELIEVER'S BIBLE COMMENTARY by WILLIAM MACDONALD;Edited by Arthur Farstad - THOMAS NELSON PUBLISHERS

Nunca compartilharemos seu email com terceiros.

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional www.mariopersona.com.br. Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.
O que respondi by Mario Persona is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License. Creative Commons License
Esclarecimentos: O conteúdo deste blog traz respostas a perguntas de correspondentes, portanto as afirmações feitas aqui podem não se aplicar a outras pessoas e situações. Algumas respostas foram construídas a partir da reunião das dúvidas de mais de um correspondente. O objetivo é apenas mostrar o que a Bíblia diz a respeito das questões levantadas, e não sugerir qualquer ingerência de cristãos na política e na sociedade, no sentido de exigir que as pessoas sigam os preceitos bíblicos. O autor é favorável à livre expressão e, ainda que seu entendimento da Bíblia possa conflitar com a opinião de alguns, defende o respeito às pessoas de diferentes crenças e estilos de vida. Aqui são discutidas ideias e julgadas doutrinas, não pessoas. A opção "Comentários" foi desligada, não por causa das opiniões contrárias, mas de opiniões que pareciam favoráveis mas que tinham o objetivo ofender pessoas ou fazer propaganda de alguma igreja ou religião, induzindo os leitores ao erro.

Respondi

O que Respondi

3 Minutos

Evangelho em 3 Minutos

Pela Graça