As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

O evangelho será pregado em todo o mundo antes do fim?



https://youtu.be/aCWWN68b3go

Não na forma como o vemos pregado hoje. A Palavra de Deus nos dá bons indícios do que está reservado imediatamente para o mundo, uma vez que este O rejeitou:

1 João 5:19 - "Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno". "Porque não são do mundo, como Eu não sou do mundo" Jo 17.14 "Não rogo pelo mundo" Jo 17.9 "Não perdoou o mundo antigo, mas guardou a Noé..." 2 Pd 2.5. "Os céus e a terra que agora existem pela mesma palavra se reservam como tesouro, e se guardam para o fogo... mas nos, segundo a Sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça" 2 Pd 3

Deus amou e ama o pecador e quer salvá-lo, mas o homem, de um modo geral, O rejeitou. O que resta para Deus fazer? Ele enviou Seus servos (Lucas 20), que foram mortos. Enviou então Seu Filho e eles O mataram. A resposta dada a Deus foi: "Não queremos que este reine sobre nós".(Lucas 19.14). Mas, a todo aquele que recebe o Seu Filho, Deus o torna uma criatura celestial. Não são do mundo como o Senhor não era (vide vers. acima).

Alguns alegam que antes de Cristo voltar o evangelho será pregado em todo o mundo. O versículo que usam é: "E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, em testemunho a todas as nações. Então vira o fim" (Mateus 24:14).

Esta profecia ainda não se cumpriu. Acredito que todo o capitulo 24 é profético e está intimamente ligado com o remanescente judeu que estará aqui na terra na tribulação. Você pode ler em conjunto com o capitulo 21 de Lucas, exceto dos vers. 20 ao 24 deste último, que se refere a algo que já ocorreu, a queda de Jerusalém. Em Mateus você nota a relação que existe entre o que esta sendo dito e os judeus: Vers. 15 nos fala do Templo em Jerusalém, vers. 16 fala da Judéia, vers. 20 fala do sábado e a salvação do vers. 22 é salvação da carne, "nenhuma carne se salvaria", ou seja, são os que não morrerão para entrar com vida no reino milenial de Cristo.

Mas o ponto no versículo 14, que precede o fim, é que o fim não é o arrebatamento, mas o fim do atual estado de coisas antes de se dar entrada no Reino milenial de Cristo. O que persevera até o fim é o que se mantém firme no período que precede o Reino. São as ovelhas e os pequeninos que encontramos nos Evangelhos.

"E este evangelho DO REINO será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as gentes (nações)" Isto precede o julgamento das "nações". Leia em 25:32 que as "nações" serão reunidas diante do Rei no inicio do Seu reinado.

Um ponto importante é o tipo do evangelho a que Mateus se refere. Não é o Evangelho da Graça de Deus, como encontramos em Romanos e nas epistolas. É o Evangelho do Reino, o mesmo que João Batista pregava. Qual a diferença?

João Batista: "Arrependei-vos porque é chegado o reino dos céus" (este é o anuncio do Rei)
Os apóstolos: "Crê no Senhor Jesus e serás salvo" (este é o evangelho que pregamos)

Se ler com cuidado todas as palavras de João Batista que encontrar nos evangelhos e compará-las com o que você prega hoje verá uma diferença. O remanescente judeu que se levantará na tribulação pregará o evangelho de João Batista. Eles anunciarão o Rei que está voltando. Não anunciamos o Rei, pois o Senhor não é Rei para a Igreja. Ele é Senhor. Não me lembro de nenhuma ocorrência dos apóstolos chamando o Senhor de Rei após Pentecostes, exceto no sentido de seu reinado universal sobre os homens na terra, judeus e gentios. O lugar da Igreja é celestial, portanto ela reina com Cristo e não sob Cristo. Jesus não é rei da Igreja; para ela ele é Senhor. Isso fica claro pela segunda passagem que faz referência à sua vinda com a Igreja para reinar, o que ocorre uns 7 anos após o arrebatamento da Igreja.


1Tm 1:17  Ora, ao Rei dos séculos, imortal, invisível, ao único Deus sábio, seja honra e glória para todo o sempre. Amém. 

1Tm 6:14-15  Que guardes este mandamento sem mácula e repreensão, até à aparição de nosso Senhor Jesus CristoA qual a seu tempo mostrará o bem-aventurado, e único poderoso Senhor, Rei dos reis e Senhor dos senhores; 


Quando o Senhor vier nos buscar (pode ser hoje!) ficarão muitos aqui que não terão escutado o Evangelho. Se não fosse assim ninguém se salvaria durante a tribulação, e, no entanto muitos se salvarão. Digo isto porque, quando 1 Tess. 2 fala do filho da perdição, apos ser tirado da terra "o que o detém" que é o Espírito Santo habitando na Igreja (que é o sal e não deixa toda a carne apodrecer de uma vez), nos é dito que Deus enviará a operação do erro. Deus mesmo fará com que todos os que não receberam o amor da verdade creiam na mentira. Quem escutar a Verdade hoje e não crer, crerá na mentira apos o arrebatamento. Aqueles que nunca escutaram, ou que não tinham idade para entender, serão os que poderão se converter durante a tribulação.

Espero que os irmãos não tenham desfeito as malas quando leram que há 8.000 povos que ainda precisariam ouvir o evangelho antes do Senhor voltar. Aconselho que voltem a ficar com o cajado na mão e sandálias nos pés, prontos para a partida a qualquer momento. O mundo ímpio pergunta com sarcasmo: "Onde está a promessa da Sua vinda?" (2 Pd 3.4). Existe um espírito de mornidão na cristandade hoje que diz: "O meu senhor tarde virá" (Mt 24.48). Mas graças a Deus podemos confiar nas palavras do Senhor, que diz: "Certamente cedo venho" (Ap 22.19) Nosso coração se alegra ao responder: "Amém! Ora vem, Senhor Jesus!".

Mais acessadas da semana