fonte

Com que autoridade bíblica? Perguntas que não querem calar.



https://youtu.be/UWWmKOxLNJg

O autor do livro "A Ordem de Deus", Bruce Anstey, coloca uma lista interessante de tópicos começando com "Com que autoridade bíblica...?" que pode ser útil para quando você analisar a cristandade para saber qual o fundamento de suas doutrinas e práticas. Você poderia fazer esta pergunta também, e vou apresentar esta lista que na versão completa tem cerca de trinta pontos.

- Com que autoridade bíblica "denominamos" assembleias de cristãos, chamando-as de "igrejas"? (Sei que você entende que os únicos nomes dados no Novo Testamento eram de cidades ou localidades). As divisões são claramente combatidas no NT.

- Com que autoridade bíblica *escolhemos* estes nomes (ex. batista, presbiteriano, pentecostal, etc)? Os cristãos eram chamados simplesmente cristãos (pelos outros) ou *irmãos* pelo próprio Senhor.

- Com que autoridade bíblica colocamos nomes de homens nestes grupos (Luterana, Menonita, Wesleyana)? 1 Cor. condena dizer: Sou de Paulo, sou de Cefas, etc.

- Com que autoridade bíblica estabelecemos essas igrejas segundo diferenças nacionais? (ex. Igreja Grega Ortodoxa, Igreja Cristo Pentecostal do Brasil, etc.)

- Com que autoridade bíblica chamamos edifícios de "igreja" quando esta palavra (eclésia) significa simplesmente reunião ou ajuntamento de pessoas?

- Com que autoridade bíblica chamamos esses edifícios de "templos" quando sabemos que Deus só reconheceu o templo de Jerusalém, e hoje o templo somos nos, pessoas, individual e coletivamente?

- Com que autoridade bíblica temos cultos de adoração previamente ensaiados, ate mesmo com programas impressos, se encontramos em 1 Co 14 total liberdade do Espírito para escolher a quem Ele quer para o que Ele determinar?

- Que autoridade bíblica (lembre-se, estamos no NT.) temos para ter o louvor efetuado por um coral, e não por toda a congregação, e para a introdução de bandas, conjuntos, cantores profissionais fazendo da reunião mais um espetáculo para a platéia?

- Que autoridade bíblica temos para designar vestes especiais para os que cantam, para os que pregam, etc.?

- Que autoridade bíblica temos para as irmãs participarem das orações com a cabeça descoberta?

- Que autoridade bíblica temos para mulheres falarem nas reuniões da igreja?

- Que autoridade bíblica temos para reuniões dirigidas por um só homem?

- Que autoridade bíblica temos para homens ordenarem homens, e se temos, por quem foram os primeiros ordenados?

- Que autoridade bíblica temos para denominar pessoas como "Reverendo", "Pastor", "Presbítero" nos mesmos moldes do "Dr." que usamos hoje, ou seja, transformar dons ou ofícios em títulos honoríficos? (Você sabia que na Bíblia inglesa diz que "Reverendo é Deus"?)

- Que autoridade bíblica temos para designar um pastor para uma assembléia local quando o dom de pastor é um dom dado universalmente à Igreja?

- Que autoridade bíblica temos para, como Igreja, observar dias "santos" ou especiais, como páscoa, natal, etc.?

- Que autoridade bíblica temos, na doutrina dada 'a Igreja, para a pratica do dizimo?

- Que autoridade bíblica temos para solicitar contribuições de visitantes e pessoas não salvas?

- Que autoridade bíblica temos para instituir diplomas e certificados de pastores, ou mesmo dar títulos como "Doutor em Divindade" a irmãos que deveriam ser iguais aos outros?

- Que autoridade bíblica temos para considerar a Igreja como uma instituição que ensina. Costumamos ouvir "Nossa Igreja ensina isto ou aquilo"?

Espero que entenda que esta longa lista não é nenhuma crítica dirigida a algum cristão ou grupo de cristãos, mas um exercício para que você pondere se as coisas que aceitou sem questionar têm realmente autoridade bíblica. Talvez você ou as pessoas com as quais se reúne não se enquadrem em nenhuma destas características, mas acaso não é isto o que encontramos na Cristandade como um todo? E será que com tudo isto podemos nos gabar de estarmos fazendo as coisas com a autoridade da Palavra de Deus? Será que estamos reconhecendo o Senhorio de Cristo nestas coisas, buscando na Sua Palavra os detalhes para cada proceder?

Nunca compartilharemos seu email com terceiros.

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional www.mariopersona.com.br. Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.
O que respondi by Mario Persona is licensed under a Creative Commons Atribuição-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License. Creative Commons License
Esclarecimentos: O conteúdo deste blog traz respostas a perguntas de correspondentes, portanto as afirmações feitas aqui podem não se aplicar a outras pessoas e situações. Algumas respostas foram construídas a partir da reunião das dúvidas de mais de um correspondente. O objetivo é apenas mostrar o que a Bíblia diz a respeito das questões levantadas, e não sugerir qualquer ingerência de cristãos na política e na sociedade, no sentido de exigir que as pessoas sigam os preceitos bíblicos. O autor é favorável à livre expressão e, ainda que seu entendimento da Bíblia possa conflitar com a opinião de alguns, defende o respeito às pessoas de diferentes crenças e estilos de vida. Aqui são discutidas ideias e julgadas doutrinas, não pessoas. A opção "Comentários" foi desligada, não por causa das opiniões contrárias, mas de opiniões que pareciam favoráveis mas que tinham o objetivo ofender pessoas ou fazer propaganda de alguma igreja ou religião, induzindo os leitores ao erro.

Respondi

O que Respondi

3 Minutos

Evangelho em 3 Minutos

Pela Graça