As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

Prosperidade: Não sou filha legítima de Deus?



https://youtu.be/sz8vev6qwqM

Este é um dos e-mails tristes que costumo receber, vindos de pessoas que descobriram que foram iludidas por lobos em pele de cordeiro:

Gostaria de saber o que você pensa acerca do que está escrito em João 10:10, pois a teologia da prosperidade tem tentado me ensinar que eu, para me sentir filha de DEUS, e que ELE me ame, tenho de ter uma vida próspera. Se ainda não a tenho, é porque não sou filha legítima do meu DEUS. O que você tem a me dizer? (João 10:10 - "Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância".)

Vejo que você foi vítima dos lobos vestidos de ovelhas, ou pior ainda, de pastores, que vivem por aí desafiando a Deus. O Senhor Jesus falou de pessoas que profetizariam em Seu nome, fariam milagres em Seu nome, expulsariam demônios em Seu nome, mas dos quais Ele diria: "Nunca vos conheci" (Mt. 7:23). Quem seriam essas pessoas?

Certamente não seriam ateus, espíritas, muçulmanos, budistas ou coisa do tipo. São pessoas que usam o nome do Senhor Jesus para seu próprio proveito. E a melhor isca para atrair multidões é dizer que ficarão ricas, o que de certa forma é coerente com o próprio modo de vida que levam. Afinal, esses pastores ficaram ricos, não ficaram? Então a maioria das pessoas os seguem cegamente pensando: "Vai funcionar comigo também".

Historicamente a doutrina da prosperidade teve início nos Estados Unidos como uma decorrência do enriquecimento dos pastores e pregadores de lá. Com a evidente evolução de seu padrão de vida graças ao crescimento do número de fiéis, a antiga teologia fundamentalista de simplicidade e contentamento pregada por décadas passou a criar um problema de imagem. Alguma coisa precisava ser mudada e fazer crer que a fidelidade a Deus enriquecia financeiramente foi o melhor argumento. A partir de então, pastores prósperos eram sinônimo de fidelidade e comunhão com Deus e isso atraía mais gente que os tornava ainda mais prósperos.

A vida em abundância que o Senhor promete é a própria vida dEle naqueles que crêem. Não é vida com abundância de bens. Não consigo entender como o diabo consegue cegar tantas pessoas nos dias de hoje, que estão buscando a Cristo como um talismã de boa sorte, e não como Salvador de pecadores. É muito fácil desmascarar essa doutrina.

O Senhor Jesus foi rico? Não, não tinha onde reclinar a cabeça, e os poucos pertences que tinha foram divididos pelos soldados. Os apóstolos foram ricos e saudáveis? Não, viviam presos, perseguidos, precisando se ajudar uns aos outros, e até doentes. Então com base em quê todas essas promessas de prosperidade? Com base no Antigo Testamento, quando Deus fez promessas terrenas a um povo que nunca recebeu promessas celestiais: a eles foi prometido terra, colheitas, saúde, filhos etc, tudo em abundância, mesmo porque a perspectiva que tinham era de morar na terra prometida, Israel.

O que foi prometido ao cristão enquanto é peregrino neste mundo? O céu. E aqui no mundo? "No mundo tereis tribulações" João 16:33. Mas e quanto a bens materiais, devo me contentar com o que Deus me deu até aqui? "Tendo, porém, alimento e vestuário, estaremos com isso contentes". 1 Timóteo 6:8 Seria pedir muito que aceitássemos este conselho como sendo a mais pura Palavra de Deus?

Não se deixe levar pelo engano do diabo que quer colocar nossos olhos neste mundo, e não no céu. Colossenses diz para pensarmos nas coisas que são do alto: "Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra", Colossenses 3:2. Timóteo diz que os que querem ficar ricos caem em engano: "Os que querem tornar-se ricos caem em tentação e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, as quais submergem os homens na ruína e na perdição" I Timóteo 6:9. Obviamente há cristãos ricos porque Deus quis assim, mas não deve ser este o sonho ou a meta de um cristão. A mensagem da Palavra de Deus é clara demais, mas é a concupiscência de nosso coração que não quer enxergar isso.

Aceite a simplicidade de que o Senhor Jesus veio ao mundo para salvar você de seus pecados e do juízo. Não veio aqui para lhe dar uma empresa, casa em Miami, fazendas e meia dúzia de carros importados. Se aqui estiver tudo 100%, você iria querer se mudar para o céu? É claro que não. Iria querer ficar no mundo, no mesmo mundo onde o Senhor foi crucificado, o mesmo mundo que terá tudo queimado com fogo no final.

Ainda que o SENHOR CRISTO JESUS seja, verdadeiramente, o meu Pastor, eu sou uma pessoa muito competitiva, mas sem visão alguma, e por isso, estou sem qualquer sinal de prosperidade em minha vida. O que acho uma tremenda incongruência.
Que tal olhar para Cristo e não para sua vida? Existe uma doutrina, chamada do Domínio, que acredita que a Igreja seja a substituição de Israel. Tal doutrina leva a crer que as bênçãos do Antigo Testamento, dadas aos judeus, seriam agora para a Igreja que teria ocupado seu lugar. Trata-se de uma usurpação e uma tentativa de se fundamentar a doutrina da prosperidade material para o cristão.

O judeu continua no coração de Deus e um remanescente judeu será restaurado na tribulação. Aliás, muito do que encontramos nos Salmos nos fala desse remanescente e de seus exercícios. Principalmente do 42 ao 49, 79 ao 87. Hoje o judeu convertido a Cristo faz parte da Igreja. Não é mais, aos olhos de Deus, judeu.

Houve uma época quando havia na terra só gentios. Depois você encontrava gentios e judeus. Hoje há gentios, judeus e Igreja (1 Co 10.32). Logo (talvez hoje!) a Igreja será tirada e ficarão gentios e judeus, continuando assim no Milênio. Então virá o estado eterno, quando Deus terá só um povo. Então o tabernáculo (a presença) de Deus habitará com os homens.

Veja por exemplo 2 Timóteo, a ultima carta de Paulo, que trata dos últimos dias (1 Timóteo fala dos últimos tempos - 1 Tm 4:1), ou seja, quando não falta mais nada e o Senhor está à porta. O cap. 3 fala da degradação do testemunho cristão (ali não são pagãos os homens amantes de si mesmos, mas cristãos professos). Eles levam cativas mulheres néscias, "levadas de varias concupiscências" (desejos ardentes por coisas diversas). Seriam pessoas que querem ter tudo?

Esses lobos que pregam prosperidade material e cura física, inventando sabonetes santos, águas bentas do rio Jordão, azeites de Israel, portais disso, fogueiras daquilo e outras coisas, enchem suas igrejas com a sua contraparte: pessoas levadas pelas mesmas concupiscências das coisas materiais que eles prometem. Trata-se, a meu ver, de um acordo de ambas as partes.

Você promete o que eu quero e eu pago para ouvir essas promessas esperando ser sorteado com a benção, desde que mantenha suas contribuições em dia. Obviamente não são todos, mas a grande maioria não está ali em busca de salvação eterna, mas de conforto temporal. Uns enganam deliberadamente e outros são deliberadamente enganados. E todo mundo sai feliz. Menos alguns que, como você, saem cheios de dúvidas.

Portanto não é o verdadeiro evangelho que corre nesses lugares, mas a promessa de suprir as concupiscências que todos os homens têm de uma vida confortável neste mundo. Se eu gritar na praça "QUEM QUER FICAR RICO?", quantas pessoas acha que virão me ouvir? O uso da Bíblia nesses lugares dá apenas o toque de legitimidade para aplacar as consciências. Naquele dia o Senhor dirá, tanto dos que guiam assim, como dos que são guiados: "Nunca vos conheci". É triste, mas é a realidade.

O fato de alguém se converter, de se tornar crente no Evangelho, não significa que tenha de ficar bobo e jogar fora seu desconfiômetro. Ninguém deve aceitar como vindo de Deus tudo o que tem o selo "evangélico". A Palavra de Deus é nosso parâmetro sempre e nela estamos seguros. É claro que existe outro elemento aí, que é o terrorismo praticado por alguns desses líderes, que fazem ameaças de danação eterna a qualquer um que duvide do que prometem ou abandone suas "igrejas". Para isso apelam a passagens do tipo "Obedecei a vossos guias, sendo-lhes submissos; porque velam por vossas almas". Hebreus 13:17. Bem, digamos que há aqueles que velam pelas almas... Mas e os lobos declarados?

"Eu sei que depois da minha partida entrarão no meio de vós lobos cruéis que não pouparão rebanho... Guardai-vos dos falsos profetas, que vêm a vós disfarçados em ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores... amantes de si mesmos, gananciosos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a seus pais, ingratos, ímpios, sem afeição natural, implacáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando-lhe o poder... sempre aprendendo, mas nunca podendo chegar ao pleno conhecimento da verdade... estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé. Afasta- te também desses... Portanto, sede prudentes como as serpentes e simples como as pombas". Mateus 10:16Atos 20:29 Mateus 7:15 2 Timóteo 3:2-5

O Evangelho da prosperidade que pregam não é o que encontro na Palavra de Deus. O verdadeiro evangelho precisa dar a solução para o pecado, não para a conta bancaria, a falência da empresa, o cônjuge abandonado ou a pressão alta. O verdadeiro evangelho precisa ter morte, sangue e ressurreição. O que apela para as necessidades naturais do ser humano -- concupiscência da carne, dos olhos e a soberba da vida -- é um falso evangelho dirigido ao ventre.

"O EVANGELHO que vos tenho anunciado... pelo qual tambem sois salvos se o retiverdes tal como vo-lo tenho anunciado; se nao e' que crestes em vao. Porque primeiramente vos entreguei o que tambem recebi: QUE CRISTO MORREU POR NOSSOS PECADOS, segundo as escrituras, E QUE FOI SEPULTADO, E QUE RESSUSCITOU ao terceiro dia, segundo as Escrituras." 1 Co 15:1-3

Agora, cá entre nós, será que não somos capazes de detectar um vigarista quando encontramos um? As roupas, as palavras, o tom da voz, as promessas, a sedução... Se não estivermos hipnotizados pela ganância, certamente conseguiremos. E é aí que mora o perigo: embora salvo, o cristão ainta carrega em si sua carne, sua velha natureza, e ela sempre dá ouvidos às coisas que apelam para suas concupiscências. Prosperidade material é uma delas.

Mais acessadas da semana