As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

O que fazer com o ciume doentio?



https://youtu.be/jIIAQykzCYU

A Palavra de Deus deixa muito claro que o ciúme é pecado. Não falo aqui do santo ciúme que Deus tem pelos que são Seus, mas do ciúme da carne, que é uma mescla de zelo e inveja pelo risco de se perder (ou deixar de se obter) algo ou alguém.

O ciúme é tão sério que Números 5:11-31 descreve em detalhes uma espécie de "detector de mentiras", que era uma oferenda que servia para detectar se o marido ciumento teria ou não razão em suspeitar da fidelidade da esposa.

Núm 5:14-16 E [se] o espírito de ciúmes vier sobre ele, e de sua mulher tiver ciúmes, por ela se haver contaminado, ou sobre ele vier o espírito de ciúmes, e de sua mulher tiver ciúmes, não se havendo ela contaminado, Então aquele homem trará a sua mulher perante o sacerdote, e juntamente trará a sua oferta por ela; uma décima de efa de farinha de cevada, sobre a qual não deitará azeite, nem sobre ela porá incenso, porquanto é oferta de alimentos por ciúmes, oferta memorativa, que traz a iniqüidade em memória. E o sacerdote a fará chegar, e a porá perante a face do SENHOR. (Leia do versículo 11 ao 31 para entender melhor).

A gravidade e perversidade do ciúme é demonstrada também em Provérbios 27:4, onde o ciúme é considerado pior que o furor e a ira:

"Cruel é o furor e impetuosa a ira, mas quem poderá resistir ao ciúme?" (versão CNBB). (As diversas versões Almeida, inclusive a NVI, trazem "inveja" em lugar de "ciúme", e parece que os tradutores preferiram colocar "ciúme" nas passagens em que consideravam o sentimento positivo, e "inveja" para a conotação negativa do sentimento).

Foi por ciúme (ou inveja) que Caim matou seu irmão Abel. Por ciúme os irmãos de José, o predileto de seu pai Jacó, o venderam como escravo, e o mesmo sentimento levou os judeus a condenarem Jesus à morte.

At 7:9 Os patriarcas, movidos por ciúme, venderam José aos egípcios. Mas Deus estava com ele. (CNBB)

Às vezes Deus mesmo gera ciúme como forma de juízo ou castigo, como Ele fez com seu povo Israel por terem rejeitado o Messias. Muita gente fala do ódio que os gentios nutrem pelos judeus e das perseguições que ao longo da história foram promovidas contra aquele povo, mas pouca gente se dá conta de que Deus colocou no coração dos judeus um sentimento de ciúme em relação aos cristãos. Você percebe esse sentimento quando fala do evangelho a algum Judeu.

Rom 10:19 Mas digo: Porventura Israel não o soube? Primeiramente diz Moisés: Eu vos porei em ciúmes com aqueles que não são povo, Com gente insensata vos provocarei à ira.

O ciúme tem seu lado interno, que é o sentimento de desapontamento por não conseguir ter ou ser o que outro é, portanto é um sentimento de auto-glorificação. Esperamos que as pessoas vejam em nós o que gostaríamos de ser, e quando elas veem isso em outro e nos deixam, sentimos ciúme. Neste sentido o ciúme não é excesso de amor por outra pessoa, mas por si mesmo. Não passa de puro egoísmo. A falta de humildade gera isso. Como era o sentimento do Senhor, o Homem perfeito?

Fp 2:5-8 Cristo Jesus, Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.

Aquele que era tudo transformou-se em nada e não teve qualquer sentimento de inferioridade associado a isso, ou de ciúme por ter sido preterido pelo seu povo. Ele teve sim foi pena e compaixão das pessoas por ver que elas o abandonaram, mas não por sentir-se diminuído por elas, mas por saber das consequências trágicas que isso traria a elas.

O Senhor nunca pensou em si mesmo e nem mesmo fez milagres em seu próprio benefício. Ele não transformou as pedras em pães quando estava com fome e nem fez água fluir do poço de Samaria quando teve sede. Tampouco desistiu de fazer a vontade do Pai em sua hora de angústia no Getsemani e nem invocou as mais de doze legiões de anjos que poderiam tirá-lo da cruz.

Quando ponderamos nisso vemos quão mesquinho e interesseiro é o ciúme. Certamente é um sentimento da carne, do velho homem, mas jamais da nova vida que possui aquele que creu em Jesus como seu Salvador. É um pecado e deve ser tratado como tal.

O ciúme também me faz achar que sou eu quem decide o que é melhor para mim e, tal qual uma criança mimada, me revolto quando não sou atendido em meus caprichos de ter total domínio sobre algo ou alguém. O ciúme é um endeusamento do ego.

Rom1:22-23 Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível [o que inclui endeusar o próprio eu]

Pessoas ciumentas estão sempre preocupadas consigo mesmas, com seu próprio bem estar e a satisfação de seus próprios desejos, e não exatamente com o bem estar da pessoa amada. Basta ver quantos acessos de ciúme terminam em ferimento e morte da pessoa objeto do ciúme. Será que é isso que Deus deseja para o cristão?

1Pe_4:2 Para que, no tempo que vos resta na carne, não vivais mais segundo as concupiscências dos homens, mas segundo a vontade de Deus.

Joã_6:38 Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade [a qual, diga-se de passagem, era perfeita], mas a vontade daquele que me enviou.

O ciúme traz dano sempre: à terceira pessoa que o provoca, àquela que sente ciúme e à pessoa que é objeto do ciúme. Suas consequências são tão desastrosas que existe até um termo jurídico para elas: "crime passional".

Prv 6:27-35 Porventura tomará alguém fogo no seu seio, sem que suas vestes se queimem? Ou andará alguém sobre brasas, sem que se queimem os seus pés? Assim ficará o que entrar à mulher do seu próximo; não será inocente todo aquele que a tocar.... Porque os ciúmes enfurecerão o marido; de maneira nenhuma perdoará no dia da vingança. Não aceitará nenhum resgate, nem se conformará por mais que aumentes os presentes.

Acredito que já ficou muito claro que ter ciúme é como viver com uma granada amarrada ao peito: cedo ou tarde ela irá explodir e destruir o ciumento e os que estiverem à sua volta, incluindo a pessoa objeto do ciúme.

Então como evitá-lo? Querer ensinar técnicas para evitar um sentimento tão forte seria o mesmo que tentar ensinar alguém a evitar se apaixonar. Uma vez que o ciúme se instale no coração, dificilmente sairá dali, pois é um sentimento acalentado por quem o possui como se fosse um tesouro bem guardado.

E aí está outro problema: acalentar o sentimento ou vangloriar-se de ser ciumento como se isso fosse alguma vantagem. Geralmente costumamos considerar a inveja perniciosa, mas damos um desconto ao ciúme por ele estar associado ao romantismo. Porém, quando a Palavra de Deus fala do amor genuíno do cristão, ela exclui o ciúme (que em muitas versões foi aqui traduzido como "inveja"):

1Co 13:4 O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso [ciumento]; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.

Portanto o ciúme é um sentimento carnal, da paixão, que deve ser repudiado por aquele que é nascido de novo, que é nova criação.

1Co 3:3 Ainda agora não podeis, porque ainda sois carnais. Porquanto havendo entre vós ciúmes e contendas, não é assim que sois carnais e andais segundo o homem? (Versão Brasileira)

Não existe cura para o ciúme, a não ser que ela venha de Deus, mas para isso é preciso que se deseja ser curado e principalmente estar disposto a abrir mão, fazer concessões. O Senhor Jesus mostrou que não podia curar os judeus porque deliberadamente endureceram seus corações, taparam olhos e ouvidos, por desejarem fazer a própria vontade.

Mat 13:15 Porque o coração deste povo está endurecido, E ouviram de mau grado com seus ouvidos, E fecharam seus olhos; Para que não vejam com os olhos, E ouçam com os ouvidos, E compreendam com o coração, E se convertam, E eu os cure.

Mesmo um cristão que dê licença à carne, em um sentimento de indulgência para consigo mesmo, não será curado disso para produzir o fruto do Espírito que é "amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança" Gl 5:22. O remédio para qualquer desvio de comportamento é andar no Espírito, não na carne; é ocupar-se com Cristo, não consigo mesmo; é procurar fazer a vontade do Pai, não seus próprios desejos e caprichos.

O ciúme é também incredulidade. Se eu confio que Deus cuida de mim e me dá ou conserva aquilo de que eu preciso, então não existe razão para eu me preocupar com o risco de não ter ou de perder algo ou alguém. A vontade de Deus, e não a minha própria, será soberana e sempre a melhor para mim.

Todas as coisas que escrevi estão mais relacionadas ao ciumento ou à pessoa que é objeto de seu ciúme, porém acredito que existe um aspecto que é o mais sério relacionado ao ciúme: a idolatria. Aí estamos falando do efeito que o ciúme tem sobre Deus, e então a coisa fica ainda mais séria.

A pessoa ciumenta tem a outra, objeto de seu ciúme, em tão alta estima que acredita ser impossível viver sem ela. Então apenas o pensamento de que alguém possa tomá-la ou de ser traído a leva a ações desesperada. A história está repleta de casos de pessoas que matam por causa do "deus" que adoram e tanto as infames Cruzadas como o "11 de Setembro" estão aí para comprovar.

Quando o assunto é idolatria -- substituir o Deus verdadeiro por qualquer ídolo ou até por nossa concepção de Deus -- aí sim Deus é um Deus ciumento, pois não deseja ser substituído por qualquer coisa ou pessoa. Ele é o único que pode fazer isso, pois nos criou para adorá-lo e não irá admitir que sejamos desviados para outro propósito, até mesmo por nos amar e saber que qualquer outro propósito para nossa vida seria vazio, inútil e desastroso. A resposta dos discípulos ilustra bem isso:

Joã 6:66-69 Desde então, muitos dos seus discípulos tornaram para trás e já não andavam com ele. Então, disse Jesus aos doze: Quereis vós também retirar-vos? Respondeu-lhe, pois, Simão Pedro: Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna, e nós temos crido e conhecido que tu és o Cristo, o Filho de Deus.

Se algo ou alguém além de Deus for a razão de você viver, então você é idólatra.

Êxo 20:3-6 Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o SENHOR teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. E faço misericórdia a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos.

Todos estamos cientes do significado do versículo 3, mas nem sempre dos versículos seguines. Que não devemos ter outros deuses além do Deus verdadeiro está muito claro, mas não é tão clara a questão das imagens. Ficamos tão acostumados a associar os versículo 4 ao 6 às imagens de esculturas de ídolos ou pessoas usadas por algumas religiões, que nos esquecemos de que a palavra "imagem" inclui qualquer representação de valor.

Uma cédula de cem reais não passa de um pedaço de papel impresso e você jamais daria cem reais por algum outro pedaço de papel impresso com as mesmas cores e medidas. A questão é que o valor atribuído à cédula está no que ela representa, ou seja, a garantia em ouro no Tesouro Nacional ou em valor de compra. A cédula de cem reais é uma imagem por causa do valor intrínseco que lhe é atribuído. Para a maioria das pessoas ela não é um ídolo pois seu valor não é infinito, mas está claramente limitado pelo número ali impresso. Trata-se de valor relativo.

Uma namorada, namorado, esposo, esposa, filho ou filha também podem se transformar em imagens ou ídolos, quando atribuímos a essas pessoas um valor absoluto que jamais deveria competir com o valor que deve ser atribuído unicamente ao Senhor. Podemos viver sem dinheiro, sem um cônjuge ou sem os filhos, mas não podemos viver sem Deus. Quando alguém perde a cabeça por ciúme (confundido como amor), agindo de forma violenta ou contrária ao amor cristão, é porque a pessoa amada já conquistou uma parcela de seu coração que só deveria pertencer ao Senhor.

Mat_10:37 Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim.

Como você pode ver, a coisa é muito mais séria do que se pode imaginar. Ciúme é pecado, e pecado grave, tão grave quanto idolatria. E, a considerar os vários exemplos que temos na Bíblia e na sociedade, o ciúme pode acabar em tragédia.

Assim que li seu email, no qual você descreve o ciúme doentio que sente por sua bela namorada, algumas coisas me vieram à mente. A primeira tem a ver com estas passagens:

Mat 5:28-30 Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela. Portanto, se o teu olho direito te escandalizar, arranca-o e atira-o para longe de ti; pois te é melhor que se perca um dos teus membros do que seja todo o teu corpo lançado no inferno. E, se a tua mão direita te escandalizar, corta-a e atira-a para longe de ti, porque te é melhor que um dos teus membros se perca do que seja todo o teu corpo lançado no inferno.

Aqui o Senhor vinha falando do perigo do adultério, que começa com um simples olhar que irá despertar desejos pecaminosos e fatalmente levará ao pecado. A mera contemplação de algo pode despertar o desejo que pode levar a atos pecaminosos. Então o mal que há em nós precisa ser cortado pela raiz. O simples gesto de olhar ou tocar podem desencadear o processo, daí o Senhor falar figuradamente em arrancar olhos e membros.

Prv 23:29-35 Para quem são os ais? Para quem os pesares? Para quem as pelejas? Para quem as queixas? Para quem as feridas sem causa? E para quem os olhos vermelhos? Para os que se demoram perto do vinho, para os que andam buscando vinho misturado. Não olhes para o vinho quando se mostra vermelho, quando resplandece no copo e se escoa suavemente. No fim, picará como a cobra, e como o basilisco morderá. Os teus olhos olharão para as mulheres estranhas, e o teu coração falará perversidades. E serás como o que se deita no meio do mar, e como o que jaz no topo do mastro. E dirás: Espancaram-me e não me doeu; bateram-me e nem senti; quando despertarei? aí então beberei outra vez.

Aqui a Bíblia fala do vinho, quando este passa a ser um atrativo maior do que deveria. No primeiro caso o Senhor falava da resposta interna a um estímulo externo, e agora ele fala da própria coisa que gera esse estímulo e uma resposta ou concupiscência interna. O cristão que detecta esse risco e possibilidade, deve evitar aquilo que possa ser uma ponte para pecar, e não são apenas coisas ilícitas, mas também as lícitas que devem ser levadas em conta.

1Co_6:12; 10:23 Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma... todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam.

Alguém que tem propensão a beber jamais deverá trabalhar em uma loja de bebidas; alguém com propensão a comer deve evitar ter guloseimas em casa; quem deixou de fumar deve evitar ambientes com fumantes; quem tem problemas com pornografia deve guardar seu olhar de fotos, sites e programas que o induzam a pecar.

Enfim, pessoas com problemas com os efeitos nocivos de qualquer coisa ou atividade deve evitar a causa. Como respondeu aquele médico da anedota ao paciente que reclamou que doía quando ele apertava um determinado lugar do corpo. "Então não aperte", respondeu o doutor.

Um enfermo ou viciado deve sempre vigiar contra o que pode levá-lo a cair em seu hábito, ou às vezes precisa até ser vigiado. Em casos extremos a pessoa não pode nem sequer ficar só, precisando da companhia de alguém o tempo todo para evitar ser vencida por seu hábito. Já ouvi o caso de uma mãe que trancou seu filho alcoólatra em casa e ele bebeu todos os perfumes e desodorantes que encontrou.

Mas o que fazer quando o ciúme é pela namorada, como é o seu caso? Eu diria que seu caso é mais simples de resolver agora do que depois que se casar. Primeiro, porque ainda não existe um vínculo matrimonial que não deverá ser rompido depois. Cristãos também trazem temperamentos diferentes, e algumas dessas diferenças foram pelo pecado transformadas em verdadeiras aberrações.

Veja Pedro, por exemplo. Seu temperamento era de uma pessoa pronta para toda obra, o que é bom, mas esse temperamento distorcido pelo pecado na carne fazia de suas atitudes um problema, como quando arrancou a orelha de um dos que foram prender Jesus. Mas sua prontidão dirigida pelo Espírito pode ser vista também em seu ministério. O temperamento dócil do apóstolo João, normalmente visto como antagônico e positivo quando comparado ao impulsivo Pedro, não era menos maléfico quando controlado pela carne. Pessoas assim costumam ser depressivas.

Quando um cristão se vê incapaz de controlar um temperamento ele pode até ser levado a tomar medicamentos, receber tratamento ou nos casos mais graves precisa ser mantido isolado, como ocorre em alguns casos mais graves de doenças mentais. A doença mental é um dos efeitos que o pecado teve no corpo humano. O cristão que sofre de uma doença mental pode ser obrigado a se abster de certas coisas, assim como o cristão que sofre do coração irá se abster de certos alimentos e esforços. Cada um deve ter bem claro em sua mente se deve ou não afastar-se das pessoas que ama quando percebe que seu temperamento virou doença e está além de sua capacidade de controle.

Você repetiu duas vezes a palavra "neurose" em seu email, o que pode significar que seu caso realmente está tomando um rumo doentio com consequências imprevisíveis. Pessoas que sofrem de alguma neurose às vezes são obrigadas a se afastar por um tempo daquilo que as leva a perder a cabeça, para o bem de si mesmas e dos outros ao redor.

Um outro aspecto que me veio à mente relacionado ao que você contou, é que esse ciúme doentio que agora sente por sua namorada enquanto ela é jovem e bonita, pode dar lugar ao tédio e desinteresse quando ela estiver velha e feia, e você descobrir que o que amava mesmo era o que sua namorada tinha enquanto era bela, e não o que ela era como pessoa.

Conheço casos assim, de homens que foram extremamente ciumentos quando namoravam, e poucos anos depois de casados perderam completamente o interesse pela esposa e foram atrás de amantes mais jovens. Nunca existiu amor, apenas um sentimento de propriedade, como o que temos pelo carro. Quando é novo cuidamos bem, quando está velho e quebrado, descartamos e compramos outro. Caberá a você detectar se é isto o que está ocorrendo com você agora quando o carro é novo.

Finalmente, como você descreveu que sua namorada já conhece seu ciúme e procura fazer tudo para deixar você contente, evitando as coisas que você diz a ela para evitar, poderá chegar um momento (e parece que você está detectando isso) quando ela não mais evitará, mas apenas irá mascarar as coisas para evitar que você veja e fique magoado.

Isso naturalmente acontecerá sem que ela mesma perceba, pois acabará se tornando um hábito. Então ela involuntariamente passará a omitir de você informações, ou até mesmo a mentir e usar de outros subterfúgios que evitem despertar o ciúme. Do ponto de vista da pessoa que ama, ela acreditará estar fazendo isso por amor e até para o seu bem, mas isso é pecado de qualquer maneira.

Sugiro que ouça esta pregação sobre a idolatria, pois acredito que é o que mais fundo vai no problema:

http://files.3minutos.net/idolatras.mp3
por Mario Persona

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana