As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

Judas foi salvo?



https://youtu.be/_GWzZIe3EWw

É difícil para qualquer um dizer quem foi salvo e quem não foi salvo. Eu particularmente acredito que Judas não foi salvo, pois ele era claramente o filho da perdição. O arrependimento dele foi igual ao de Caim e é como o arrependimento do bandido que é preso ou do beberrão numa ressaca. Não é um arrependimento causado pela consciência do ato, mas das consequências. 

Se o bandido não fosse preso e se tudo desse certo para ele, não teria se arrependido. O bandido não se arrepende do crime, mas do crime ter dado errado. Ele se arrepende das consequências de seu crime, não do crime em si. O beberrão não se arrepende de ter bebido demais, mas porque o exagero na bebida causou ressaca. Quando esta passar ele estará pronto para voltar a beber.

Por alguma razão as coisas não deram como Judas planejou e seu desapontamento o levou ao desespero. Em Mateus diz que ele se "arrepende" depois de ver que Jesus foi condenado, portanto podemos imaginar que Judas achou que a história teria outro desfecho e que ele sairia com o dinheiro e continuaria amigo de Jesus.

Mat 27:3  Então Judas, o que o traíra, vendo que fora condenado, trouxe, arrependido, as trinta moedas de prata aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos, 

Em Atos diz que ele foi para o "seu próprio lugar", e como ele é chamado de "filho da perdição" posso supor que Judas tenha sido condenado ao hades e será lançado no lago de fogo no dia do juízo.

Joã_17:12  Estando eu com eles no mundo, guardava-os em teu nome. Tenho guardado aqueles que tu me deste, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que a Escritura se cumprisse.

O versículo em 2 Coríntios 7 mostra que existe um arrependimento que é segundo Deus e que existe uma tristeza que é segundo o mundo e que leva à morte. Acredito que esta seja a grande diferença do arrependimento, por exemplo, de Pedro, que foi segundo Deus (afinal, ele negou o Senhor), e o remorso de Judas, que teve sua honra manchada, seu orgulho ferido pela recusa dos sacerdotes de aceitarem de volta o dinheiro e sua reputação destruída aos olhos de todos. Judas suicidou-se de vergonha por causa do mal que seu ato causou, não a Jesus, mas a si mesmo.

2Co 7:10  Porque a tristeza segundo Deus opera arrependimento para a salvação, da qual ninguém se arrepende; mas a tristeza do mundo opera a morte. 

Mesmo assim, não é Judas quem deveria ser considerado o maior vilão da história, e sim os sacerdotes. Judas foi um peão no tabuleiro onde havia peças mais importantes agindo, as quais não sentiram sequer o remorso que Judas sentiu. Foram pessoas tão iníquas que certamente ocuparão um lugar pior que o de Judas na condenação. Quando Judas tentou devolver as moedas a esses mesmos homens, vemos que eles não tinham um pingo de consciência de sua responsabilidade no caso:

Mat 27:3-4  Então Judas, o que o traíra, vendo que fora condenado, trouxe, arrependido, as trinta moedas de prata aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos, Dizendo: Pequei, traindo o sangue inocente. Eles, porém, disseram: Que nos importa? Isso é contigo. 

Os príncipes e anciãos dos judeus, bem como todo o povo que os seguiam, estavam tão seguros de que Deus jamais os alcançaria, que lavraram sua própria sentença:

Mat 27:25  E, respondendo todo o povo, disse: O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos

É por isso que, em seu julgamento, Jesus mostra que nem mesmo Pilatos tinha uma responsabilidade tão grande quanto a do clero e dos judeus:

Joã 19:11  Respondeu Jesus: Nenhum poder terias contra mim, se de cima não te fosse dado; mas aquele que me entregou a ti maior pecado tem

Esta passagem mostra que existem graus de culpabilidade, pois os judeus, representados pelo sumo-sacerdote, eram mais culpados que Pilatos por conhecerem que o Messias viria e teria as mesmas credenciais apresentadas por Jesus ao longo de seu ministério. Numa escala crescente de culpa eu colocaria em último Pilatos, depois o povo, depois Judas e no topo da pirâmide os sacerdotes e anciãos encabeçados pelo sumo-sacerdote.

O Salmo abaixo mostra o que se passa no coração dos ímpios, o mesmo que deve ter passado no coração daqueles sacerdotes e também de Judas:

Slm 10:6-11 Diz em seu coração: Não serei abalado, porque nunca me verei na adversidade. [o ímpio só considera que será abalado se as coisas derem errado] A sua boca está cheia de imprecações, de enganos e de astúcia [ele é tão confiante em sua capacidade de enganar que acaba enganando a si próprio]; debaixo da sua língua há malícia e maldade. Põe-se de emboscada nas aldeias; nos lugares ocultos mata o inocente; os seus olhos estão ocultamente fixos sobre o pobre [perceba que eles ocultam seu intento de prejudicar os mais fracos]. Arma ciladas no esconderijo, como o leão no seu covil; arma ciladas para roubar o pobre; rouba-o, prendendo-o na sua rede. Encolhe-se, abaixa-se, para que os pobres caiam em suas fortes garras. Diz em seu coração: Deus esqueceu-se, cobriu o seu rosto, e nunca isto verá. 

Este link pode dar mais informações:
http://www.3minutos.net/2011/02/236-o-falso-apostolo.html


por Mario Persona

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana