As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE "assunto"+"mario persona" NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Pesquisar este blog

Devo protestar contra a exposição de arte LGBT?



https://youtu.be/bHCtbBXM03U

A dúvida é se eu chamaria de arte aquilo que tentaram expor com o patrocínio de um banco e continha objetos, pinturas e elementos contrários e ofensivos à fé cristã , além de abominações como sexo com animais. Diante de tamanho descalabro, não seria o caso de cristãos promoverem protestos e lutarem pela preservação da moral e dos bons costumes?

Começo dizendo que sim, aquilo é arte, e acho que entendo um pouquinho do assunto para palpitar. Em todas as épocas a arte sempre representou o estagio da civilização daqueles que a produziram, e muito da história dos povos que conhecemos vem do conhecimento da arte. Essa exposição apenas revela que a civilização moderna ocidental atingiu um nível de maturidade. Ela está perfeitamente madura para receber o juízo de Deus.

Quando digo que de arte eu entendo, é porque desde criança fui aficionado pelas artes. Muito novo eu já desenhava, inclusive nas paredes da cozinha, para desespero de minha mãe. Meus amiguinhos gostavam de brincar de massa de modelar comigo porque eu esculpia os animaizinhos fazendo a fazenda em miniatura mais real, quando eram colocados no curral feito de palitos de sorvete fincados na areia da “praia” à beira do “rio” de água suja da sarjeta em frente de casa. No ginásio e colegial ganhava algum dinheiro ilustrando os trabalhos dos colegas, e era preciso ser artista para a professora não suspeitar que vinham todos de uma mesma pessoa, que não era obviamente o dono do trabalho. Também precisava ter senso artístico para desenhar esqueletos, células e entranhas de sapos e minhocas para trabalhos de Biologia.

De praia eu gostava porque podia passar horas esculpindo na areia. Nunca mais encontrei aquele mini binóculo com o slide que um fotógrafo de praia tirou de minha escultura gigante do Netuno romano (ou Posseidom grego) que seria destruído depois pelas ondas depois de algumas horas. Enquanto outros garotos colecionavam embalagens de cigarro e tampinhas de garrafa eu colecionava livros de arte, para entender de pintura, e gibis, para imitar Will Eisner, que desenhava “The Spirit”. Fatalmente eu acabaria sucumbindo aos anúncios dos gibis e me tornaria aluno do popular curso de desenho artístico por correspondência do “Instituto Universal Brasileiro”.

Enquanto fazia cursinho em São Paulo, visitava exposições de arte e lojas especializadas em gibi, e também desenhava retratos para amigos. Refestelei-me mesmo foi no curso de Arquitetura e Urbanismo em Santos, porque ali desenhar não tinha gosto de “trabalho escolar”, mas de prazer. Ganhava algum dinheiro desenhando perspectivas para stand de vendas de apartamentos e cheguei até a esculpir em argila a maquete de um projeto acadêmico. Em meu TCC, que recebeu uma das melhores notas da turma, o memorial descritivo foi entregue datilografado, mas também encadernado em formato de história em quadrinhos. Ninguém na banca examinadora olhou para o datilografado.

Então, sim, acho que posso palpitar sobre o que é arte e o que não é arte, e qualquer exposição hoje em um país do Ocidente que promova homossexualismo, zoofilia, pedofilia, necrofilia e outras aberrações segundo os padrões bíblicos pode ser considerada arte. Enquanto alguns pensam que a arte sirva para mudar os costumes, eu digo que a arte é a expressão exata de costumes latentes ou evidentes em uma sociedade. A arte diz para o mundo: “Vejam todos a que ponto chegamos!”.

Portanto quando alguém usa de argumentos como “É arte sim, porque as casas dos romanos em Pompéia eram decoradas com afrescos pornográficos!... As esculturas gregas já mostravam figuras fazendo sexo com animais!”, tem toda razão. Mas a pergunta que deveria ser feita é: O que aconteceu com essas civilizações depois de atingirem tal estágio de promiscuidade, ou vanguardismo, como queira? Sua arte foi o jornal de sua época que noticiou sua decadência antes do colapso final.

Quando alguém se converte a Cristo e conhece a Palavra de Deus passa a ter uma visão e um entendimento da vida e do mundo que falta à maioria das pessoas. Quem diz isso é a própria Palavra de Deus: “Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido. Porque, quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo. E eu, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a meninos em Cristo.” (1 Co 2:14-16; 3:1).

A passagem fala de três classes de pessoas: O homem natural, descendente da Adão, que não possui a nova vida recebida pelo novo nascimento, e nem o Espírito Santo de Deus para compreender as coisas espirituais, o homem espiritual, que é o nascido de novo e tem seus novos sentidos agora exercitados pela Palavra e pela comunhão com Deus, e o homem carnal, no caso aqui os cristãos de Corinto, que raciocinavam com a mente herdada de Adão ao invés de discernirem as coisas com “a mente do Senhor”.

Quando você vê no noticiário pessoas chegando às vias de fato para defender uma exposição LGBT está vendo o homem natural no seu melhor momento. Quando vê cristãos professos devolvendo os socos e pontapés querendo fincar bandeira para impedir a deterioração da moral e dos bons costumes no mundo, está vendo o homem carnal, um cristão sem noção que pensa que o mundo lhe pertence e que cabe a ele sair em defesa da tradição, família e propriedade se valendo para isso de armas carnais.

Mas como deve agir o homem espiritual? Com o discernimento de que fala o versículo 15 de 1 Coríntios 2: “O que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido”. Trocado em miúdos isso quer dizer que um crente espiritual entende a razão de o incrédulo pensar e agir do modo como pensa e age, mas o incrédulo não entende a razão de o crente espiritual pensar e agir como age. O incrédulo até entende o crente carnal, porque este está raciocinando e brigando igual ao incrédulo, mas não como deveria fazer se fosse um crente espiritual.

Então, como se obtém esse entendimento espiritual das coisas? Não recorrendo ao cérebro, mas à Palavra de Deus pela direção do Espírito Santo. Quando vamos à outra carta de Paulo escrita aos cristãos de outra grande civilização, como tinha sido a grega, encontramos uma passagem que é cheia de significado. O texto é longo mas vale a pena você prestar atenção porque nele está a chave do que está acontecendo hoje no Brasil e no mundo. Ali o apóstolo Paulo escreve:

“Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e injustiça dos homens, que detêm a verdade em injustiça. Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou. Porque as suas coisas invisíveis, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se veem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis; porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis.

“Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si; pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém. Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.

“E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm; estando cheios de toda a iniquidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade; sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães; néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia; os quais, conhecendo a justiça de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem.” (Rm 1:18-32).

O texto começa falando daira de Deus endereçada contra toda a impiedade e injustiça dos homens que retém, ou seja, aprisionam ou suprimem a verdade em troca da injustiça. É o caso do que diz Isaías 5:20-23: “Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo! Ai dos que são sábios a seus próprios olhos, e prudentes diante de si mesmos! Ai dos que são poderosos para beber vinho, e homens de poder para misturar bebida forte; dos que justificam ao ímpio por suborno, e aos justos negam a justiça!”.

Repare que Deus coloca no mesmo saco aqueles que fazem essa inversão de valores com os que são sábios aos seus próprios olhos e os que participam de corrupção política, a mesma que os que são pró-arte-LGBT combatem em outras manifestações. Portanto, enquanto as pessoas que tiraram suas roupas em público nas últimas manifestações correm procurar suas fotos no noticiário e nas redes sociais para se alegrarem com seus quinze minutos de fama, Deus armazena sua ira para derramar no momento oportuno.

A passagem fala ainda dos dos gentios, não judeus, como os gregos e romanos, que não tiveram o privilégio de conhecer os oráculos de Deus, mas tiveram conhecimento de Deus por meio da Criação e mesmo assim preferiram cultuar a própria razão, e “dizendo-se sábios, tornaram-se loucos”. Então entra em cena a idolatria, que começa pela adoração do ser mais elevado da Criação de Deus, que é o homem, todavia “corruptível”, e vai descendo para “aves... quadrúpedes e répteis”, que na arte da dita exposição são usados para substituir homens e mulheres no ato de copular. A sociedade moderna, esclarecida, sofisticada e humanista, tem no homem o seu referencial máximo, o seu deus.

Foi assim que os seres humanos “mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador”. Quando se exclui a autoridade suprema de Deus cria-se um vácuo que só pode ser preenchido por outra autoridade suprema, no caso o próprio homem. Ao voltarem as costas à verdade de Deus, expressa na sua Palavra, os homens precisam colocar algo no lugar da verdade, e é aí que entra a mentira.

Agora vem a parte mais solene de tudo isso, porque neste ponto não está falando de uma ação do homem, mas do próprio Deus: “Por isso Deus os abandonou às paixões infames.”. Anotou aí? “Deus os abandonou”. Segue-se uma descrição do lesbianismo e do homossexualismo, além de qualquer outra coisa que você queira incluir no “sentimento perverso”, que obviamente tem espaço suficiente para agasalhar as mais estranhas formas de sexo citadas como abominações na Lei dada aos judeus no Antigo Testamento.

Mas se tudo isso condena os incrédulos que praticam ou promovem tais práticas, qual o recado do texto àquele que professa crer em Cristo e teme a Deus e sua Palavra? Duas frases: Deus os abandonou às paixões infames” (Rm 1:26) e Deus os entregou a um sentimento perverso” (Rm 1:28). Quando um cristão tenta barrar a manifestação artística assim ele está indo contra o que Deus “abandonou” e “entregou”. Com sua arte essas pessoas estão desenhando a opinião que elas têm de Deus, ao mesmo tempo em que anunciam o derradeiro estado de uma civilização decadente, como foi a de Roma, Grécia e outras. Enquanto isso, o cristão que tenta barrar tal manifestação não está percebendo que foi Deus quem “abandonou” e “entregou” essas pessoas a cometerem torpezas para acumularem juízo para si mesmas. E não digam elas que não foram avisadas, “porque Deus lho manifestou”.

Nas Escrituras temos vários exemplos de atitudes e disposições de homens que foram originadas em Deus, por não terem eles se submetido à sua vontade. Foi assim que Deus endureceu o coração de Faraó no Egito, depois de Faraó ter endurecido seu próprio coração. No primeiro encontro de Moisés com Faraó em Êxodo 5, Faraó diz “Quem é o Senhor?” e “Não conheço o Senhor”, e a partir daí decide não deixar o povo de Israel sair do Egito. Então Deus endureceu o coração de Faraó e nada podia ser feito para que voltasse atrás.

Quando Jeroboão estava prestes a causar uma divisão no reino de Israel, o rei Roboão recusou-se a ouvir a Deus por meio de seus profetas e dos conselheiros de seu pai, preferindo dar ouvidos aos seus jovens amigos. Esse conselho viria a causar a divisão do reino, e em 1 Crônicas 10:15 diz que o rei não deu ouvidos aos clamores do povo “porque esta mudança vinha de Deus”. Em outra passagem do mesmo livro é a vez de Amazias, rei de Judá, recusar o conselho “porque isto vinha de Deus, para entregá-los na mão dos seus inimigos; porquanto buscaram os deuses dos edomitas” (2 Cr 25:20). Nos evangelhos é a vez de os judeus endurecerem seus corações rejeitando a Cristo, para que se cumprisse neles o que dissera o profeta Isaías: “Cegou-lhes os olhos, e endureceu-lhes o coração, A fim de que não vejam com os olhos, e compreendam no coração, e se convertam, e eu os cure.” (Jo 12:40).

Portanto, querido cristão sem noção, sim, você mesmo que é arrastado pelo calor da carne e dos clamores das ruas para protestar e se opor à deterioração dos costumes deste mundo, o que você pensa que está fazendo? Contra quem você está realmente lutando? Se foi Deus quem “os abandonou” e se Deus “os entregou”, quem é você para querer ir na contramão dos juízos que Deus tem para essas pessoas e o mundo? Ao invés de entrar numa luta física contra os que insistem em despencar pelo abismo do juízo, que tal mudar de estratégia e tentar resgatá-los “dos laços do diabo, em que à vontade dele estão presos”? Isso se consegue com a espada da Palavra, não com armas carnais.

“Porque, andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas; destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo” (2 Co 10:3-5).

“E rejeita as questões loucas, e sem instrução, sabendo que produzem contendas. E ao servo do Senhor não convém contender, mas sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor; instruindo com mansidão os que resistem, a ver se porventura Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade, e tornarem a despertar, desprendendo-se dos laços do diabo, em que à vontade dele estão presos.” (2 Tm 2:23-26).

Portanto, pare de atirar versículos nas pessoas e bater com a Bíblia em suas cabeças e comece a pregar o evangelho da graça de Deus e a orar pelos que perecem para que se convertam. Quando Pedro escreveu que “nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências...” e que “o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras — (inclusive obras de arte) que nela há, se queimarão”, que parte disso você não entendeu? Se quiser eu desenho. Como já disse, entendo um pouquinho de arte.

“Sabendo primeiro isto, que nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências... Eles voluntariamente ignoram isto, que pela palavra de Deus já desde a antiguidade existiram os céus, e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste. Pelas quais coisas pereceu o mundo de então, coberto com as águas do dilúvio, mas os céus e a terra que agora existem pela mesma palavra se reservam como tesouro, e se guardam para o fogo, até o dia do juízo, e da perdição dos homens ímpios... O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo [paciente] para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se. Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão. Havendo, pois, de perecer todas estas coisas, que pessoas vos convém ser em santo trato, e piedade... Por isso, amados, aguardando estas coisas, procurai que dele sejais achados imaculados e irrepreensíveis em paz.” (2 Pe 3:3-14).

Veja também:

http://www.respondi.com.br/2017/08/a-biblia-diz-como-lidar-com.html 
http://www.respondi.com.br/2017/06/devo-protestar-contra-parada-gay.html
http://www.respondi.com.br/2013/04/os-cristaos-devem-combater-o-casamento.html
http://www.respondi.com.br/2015/04/pessoas-do-mesmo-sexo-podem-se-casar.html
http://www.respondi.com.br/2010/09/igreja-deve-celebrar-o-casamento-de.html
http://www.respondi.com.br/2005/06/o-que-bblia-diz-sobre-o.html
http://www.respondi.com.br/2007/03/irei-para-o-inferno-por-ser-homossexual.html
http://www.respondi.com.br/2011/05/como-evitar-sonhos-homossexuais.html
http://www.respondi.com.br/2010/08/o-que-fazer-agora-que-sei-que-minha.html
http://www.respondi.com.br/2011/05/qual-pecado-e-mais-grave.html
http://www.respondi.com.br/2009/06/davi-e-jonatas-eram-homossexuais.html
http://www.respondi.com.br/2009/01/o-que-fazer-se-meu-marido-e-homossexual.html
http://www.respondi.com.br/2011/12/os-beijos-entre-davi-e-jonatas-provam.html
http://www.respondi.com.br/2008/10/deus-nao-aprova-homoafetividade.html
http://www.respondi.com.br/2012/04/quais-foram-os-pecados-de-sodoma-e.html 

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana