As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE "assunto"+"mario persona" NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Pesquisar este blog

Deus aprova o aborto em caso de estupro?



https://youtu.be/kkFaR942gJU

Na Bíblia vemos claramente que Deus é pró-vida, e por isso jamais iria aprovar a morte de um bebê, independente de sua idade ser contada em horas ou em meses. Os debates dos que são pró-aborto só podem ser promovidos porque 100% dos que apoiam o aborto já nasceram, e é só por isso que podem se posicionar a favor da matança dos que ainda não nasceram só por terem sido gerados por meio de estupro.

Não pense que minha afirmação é sarcástica, porque não é. Explico. Qual de nós pode afirmar com total certeza de que não é descendente de alguma estupro ancestral? Você seria capaz de afirmar que no passado alguma mulher do ramo que você descende de sua árvore genealógica não tenha sido estuprada? E se foi, ela certamente decidiu por não abortar, ou você não teria nascido, não é mesmo? Se todas as mulheres que foram estupradas no passado tivessem decidido pelo aborto, então provavelmente eu, você e muitos que apoiam o aborto em caso de estupro não estariam aqui.

Antes que diga que estou viajando em especulações, veja como isso é fácil de se constatar quando consideramos uma amostragem, como a de uma população que durante séculos procurou manter-se separada de outros povos, como é o caso dos judeus. Durante a diáspora eles ficaram errantes e muitos acabariam indo parar no norte da Europa, em regiões que sofreram ataques dos bárbaros ruivos, de pele branca e olhos azuis. Isso você pode constatar que ocorreu estudando História.

No judaísmo é judeu quem é filho de mãe judia, portanto se você conhecer algum judeu louro ou ruivo, de olhos verdes ou azuis e pele bem branca, ele é certamente descendente de uma mulher que foi vítima de estupro, porque os judeus são originalmente morenos, olhos negros e pele mais escura do que a de um habitante do norte da Europa.

Curiosamente, talvez até mesmo entre os defensores e promotores do aborto em caso de estupro existam judeus e judias por aí carregando cartazes e gritando palavras de ordem em manifestações públicas sem saber que nem teriam nascido se não fosse por um estupro ocorrido séculos atrás. Se você é judeu ou judia olhe-se bem no espelho antes de sair na próxima manifestação.

Mas se depois de se olhar no espelho você achar que deve sim mandar matar os bebês filhos de estupradores, então provavelmente você tem um problema de descontentamento com a própria existência e deseja descontar isso na existência daqueles que estão ainda na linha de partida.

Tem muita gente que lida muito bem com o fato de ser filho ou filha de um estuprador. Rebecca Kiessling, por exemplo, não apenas é filha de um estuprador, como é contra o aborto em caso de estupro. E como poderia ser diferente? Se a mãe dela, que foi estuprada com uma faca encostada no corpo, decidisse não seguir adiante com a gravidez Rebecca não teria nascido. Veja o que ela escreve em seu site:

Todos nós já ouvimos alguém dizer: 'Sou contra o aborto exceto em casos de estupro...' ou 'A mãe deve decidir, principalmente em casos de estupro...' Você já chegou a considerar o insulto que é dizer a alguém 'Acho que sua mãe devia ter abortado você'? É como dizer 'Por mim você devia estar morta'. E é isso o que ouço todas as vezes que alguém diz que é a favor do aborto em caso de estupro, porque eu eu sou uma que teria sido abortada se a lei do estado de Michigan permitisse o aborto quando eu ainda era um feto. Posso garantir a você que ouvir essas coisas me faz mal.

Mas eu sei que a maioria das pessoas nunca pensam em um ser humano real ao se referirem ao aborto. Elas falam do aborto como se não passasse de um conceito. Dão sua opinião, deixam o assunto de lado e logo se esqueceram. Eu realmente espero que, por ter sido gerada de um estupro, eu possa ajudar a dar um rosto e uma voz à questão do aborto. — Rebecca Kiessling



http://www.respondi.com.br/2016/02/acaso-sou-eu-guardador-de-meu-irmao.html
http://www.respondi.com.br/2009/03/o-que-voce-pensa-do-aborto.html

por Mario Persona


Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana