As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

Por que nao posso falar?



http://youtu.be/GD8YTuxJf1s

Você escreveu contando que visitou uma assembleia de irmãos congregados somente ao nome do Senhor e que, em determinado momento, abriu sua Bíblia e leu um versículo. Sua surpresa foi depois da reunião um irmão ter ido conversar com você explicando que normalmente apenas aqueles que estão em comunhão à mesa do Senhor é que devem ministrar a Palavra. Não se preocupe, eu fiz a mesma coisa na primeira reunião na qual estive há mais de 30 anos. Eu não entendia que liberdade do Espírito é uma coisa, mas a responsabilidade dos irmãos em guardar a assembleia do mal é outra que caminha junto. Antigamente não seria preciso tanto cuidado assim, mas hoje, com tanta confusão na cristandade, às vezes até um versículo dado fora do contexto pode gerar dúvidas quanto ao que foi ministrado antes por algum irmão.

Às vezes esse cuidado pode ser preciso até fora das reuniões da assembleias, na escolha de "parcerias" que se faz na hora de pregar o evangelho aos incrédulos. Associar-se à pessoa errada pode comprometer a mensagem pregada. Eu me lembro de quando visitei um povoado no interior de Goiás para pregar o evangelho. Não conhecia ninguém ali e a primeira porta onde bati o homem que atendeu logo se identificou como sendo crente e se dispôs a me ajudar a reunir algumas pessoas para ouvir o evangelho.

Depois que um pequeno grupo estava reunido na sala de sua casa para ouvir, preguei as boas novas da graça de Deus e terminei dizendo algo do tipo "para ter a salvação basta você crer agora mesmo em Jesus que morreu na cruz para levar os seus pecados e ressuscitou para sua justificação". Eu mal tinha acabado de falar e aquele homem que me ajudou a juntar aquelas pessoas complementou: "...e guardar os dez mandamentos, porque se não guardar a lei não poderá ser salvo". Foi então que entendi que ele era Adventista do Sétimo Dia e tinha acabado de comprometer o evangelho da graça que eu havia acabado de pregar. Evitei contestar para não confundir os ouvintes, mas aí o mal já tinha sido feito.

Eu tenho certeza de que o cuidado dos irmãos da assembleia que você visitou não foi tanto por você ter lido um versículo da Palavra de Deus, mas para esclarecer um ponto que talvez você ainda não soubesse sobre esse cuidado e evitar que, numa próxima ocasião, você viesse a ministrar algum assunto durante a reunião. O Espírito pode sim usar quem Ele quer, mas imagine que entrasse um testemunha de Jeová numa reunião dizendo-se cristão e começasse a ensinar suas heresias contra a Pessoa e Divindade do Senhor no meio da reunião. Antes que os irmãos tivessem tempo de ordenar que se calasse ele já teria contaminado os ouvintes. Por isso existe a este respeito o mesmo cuidado que a Palavra fala sobre bispos e diáconos, que só podiam exercer sua função se fossem antes provados.

1Tm 3:10 E também estes sejam primeiro provados, depois sirvam, se forem irrepreensíveis.

Ou seja, os irmãos que ministram devem ser conhecidos dos irmãos e sua doutrina também deve ser reconhecidamente sã para evitar que a assembleia seja contaminada. Mas mesmo assim cada um que ministra está sujeito a ser calado no meio do que está falando, caso fale algo sem fundamento na Palavra. Por isso diz:

1Co 14:29 E falem dois ou três profetas, e os outros julguem.

Não se trata de julgar a pessoa, mas o que ela falou. Já aconteceu comigo e com muitos irmãos, tanto de ser interrompido no que falava ou, por não ser um desvio grave, ser melhor instruído em particular após a reunião. Aliás, um casal que hoje congrega foi convencido de que estávamos congregados da forma bíblica quando visitou uma reunião e ficou surpreso por um irmão ancião ter sido interrompido e corrigido no que falou, e isso na frente de todos. Esse irmão que nos visitava estava acostumado com a denominação que frequentava, onde o "pastor" que ministra é intocável e ninguém jamais ousaria interrompê-lo e mandar que se sentasse por dizer algo fora da Palavra. Ao perceber que ali ninguém tinha a primazia a não ser o Espírito Santo, e que qualquer um, independente da idade e tempo de conversão, poderia ser corrigido caso cometesse algum deslize, ficou convencido de que aquela era a forma e o lugar onde devia congregar.

Uma das características do lugar que o Senhor estabeleceu para colocar o Seu Nome é que existe julgamento de pecado e de doutrina. Quando não há julgamento não se pode contar com a presença do Senhor no meio, pois ele jamais iria ser conivente com o pecado. Se ler Mateus 18:20, que é onde o Senhor prometeu estar no meio dos seus congregados ao seu Nome, verá que tal revelação aparece ali envolvendo instruções de como julgar o mal e tomar decisões na terra que seriam reconhecidas no céu.

Quanto ao seu pedido para participar da ceia do Senhor à mesa do Senhor ter sido recebido com a resposta de que os irmãos iriam orar a respeito, não se trata de esperar alguma "revelação do Espírito", como você chamou, mas faz parte do mesmo cuidado. Quando os primeiros cristãos começaram a congregar não era preciso tanto cuidado porque, ou eles eram judeus, o que implicava já estarem sob um sistema de separação do mal, ou eram gentios que haviam se convertido, como se diz, "da água para o vinho", já que ficava evidente a distinção entre a vida que levavam e a vida que levariam como cristãos.

Mas logo ficou claro que seria preciso ter cuidado, e 1 Coríntios 5 mostra os cristãos de Corinto serem exortados a excluir da comunhão um homem que estava vivendo em pecado. Se a assembleia tinha autoridade para excluir era porque antes ela devia ter incluído, e é aí que entra o processo de ser recebido pelos irmãos à comunhão à mesa do Senhor. Sugiro que leia algo sobre a diferença entre estar à mesa do Senhor e participar da ceia do Senhor nos links abaixo.

Quando no século 19 a verdade a respeito do corpo de Cristo foi recuperada, muitos chegavam de diferentes denominações e eram logo recebidos à comunhão, mesmo porque para você fazer parte de uma denominação cristã no século 19 devia já ter passado por uma sabatina quanto à sua fé e conduta. Logo isso iria se deteriorar, pois hoje vemos uma cristandade que, em grande parte, não faz qualquer distinção entre um viver santo e um viver mundano. Na grande maioria dos agrupamentos de cristãos a interpretação errônea do "examine-se a si mesmo" (1 Co 11:28) tenta mostrar que a responsabilidade de alguém participar da ceia caberia tão somente ao que participa, o que é apenas mais um dos muitos enganos praticados nos sistemas religiosos. Para entender melhor este versículo sugiro estes links:

http://www.respondi.com.br/2013/04/qualquer-cristao-pode-participar-da-ceia.html
http://www.respondi.com.br/2012/06/o-que-seria-comer-indigamente-ceia.html

Mas a dificuldade dos irmãos de se receber qualquer um à mesa do Senhor no século 19 surgiu por ocasião da primeira divisão ocorrida entre os irmãos congregados ao nome do Senhor em 1848. Tal divisão fez com que um grupo de dissidentes passasse a se reunir de forma semelhante, depois de seus líderes terem sido excluídos da comunhão por colocarem em dúvida a autoridade do Senhor na assembleia. Ocorreu, então, um impasse: como alguém que estava congregando com os dissidentes poderia participar da ceia com os irmãos se não aceitava a decisão da assembleia tomada em relação àqueles colocados fora de comunhão, para o que a exortação é "com o tal nem ainda comais"? (1 Co 5:11). Ficou claro então que qualquer que quisesse estar à comunhão deveria estar apartado daqueles que tinham causado a divisão, e para isso a assembleia à qual pedissem seu lugar à comunhão passaria a examinar sua fé, doutrina e conduta para ver se eram sãs. O mesmo procedimento acabou sendo usado cada vez mais em função da degradação do testemunho cristão no mundo.

Portanto, ao pedir seu lugar à comunhão os irmãos não estão julgando a sua pessoa, mas apenas verificando se você professa realmente crer no Senhor, não está em pecado moral (prostituição, fornicação, roubo etc.), doutrinário (negar a divindade de Cristo, por exemplo) ou eclesiástico (querer estar à mesa do Senhor e ao mesmo tempo continuar participando de "mesas" dissidentes ou sectárias). Não se trata de aguardar uma "revelação", mas apenas de esperar até que todos tenham paz ao receberem a pessoa que pediu seu lugar.

Mesmo assim a assembleia não é infalível e muitas vezes alguém recebido à comunhão sem o devido cuidado acaba mais tarde revelando alguma coisa reprovável em seu caráter, doutrina ou modo de andar, exigindo da assembleia uma ação de desligar tal pessoa da comunhão. Isto pode acontecer até mesmo com aqueles que são sinceros, mas caem em algum pecado. Entenda que esse desligamento é da comunhão à mesa do Senhor, e não do corpo de Cristo, pois ninguém tem poder para tirar um membro do corpo de Cristo (a doutrina católica é que diz o contrário).

Sobre o falar nas reuniões e dar ofertas:
http://www.respondi.com.br/2013/08/por-que-nao-posso-ofertar.html

Por que cabe à assembleia receber ou retirar alguém à mesa do Senhor:
http://aordemdedeus.blogspot.com/2011/07/disciplina-na-igreja.html
http://aordemdedeus.blogspot.com/2011/07/recepcao-uma-responsabilidade-da.html
http://aordemdedeus.blogspot.com/2011/07/quem-decide-quem-deveria-estar-em.html
http://aordemdedeus.blogspot.com/2011/07/seria-suficiente-o-testemunho-pessoal.html
http://aordemdedeus.blogspot.com/2011/07/colocando-profissao-de-fe-da-pessoa.html
http://aordemdedeus.blogspot.com/2011/07/exclusivo-demais.html
http://aordemdedeus.blogspot.com/2011/07/responsabilidade-individual.html
http://aordemdedeus.blogspot.com/2011/07/cartas-de-recomendacao.html

Sobre a mesa e a ceia do Senhor:

Mesa do Senhor: http://www.stories.org.br/doze5.html
http://www.respondi.com.br/2005/05/onde-celebrar-ceia-do-senhor.html
Ceia do Senhor: http://www.stories.org.br/doze6.html
http://manjarcelestial.blogspot.com/2011/10/onde-queres-que-preparemos-lc-227-20.html
http://www.respondi.com.br/2009/07/o-que-significa-adorar-em-espirito-e-em.html
http://www.respondi.com.br/2005/07/com-que-autoridade-bblica-perguntas.html
http://www.respondi.com.br/2005/05/qual-o-verdadeiro-lugar-de-adorao.html
http://www.respondi.com.br/2005/05/o-que-significa-mesa-do-senhor.html
http://www.respondi.com.br/2005/05/como-celebrar-ceia-do-senhor.html

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana