As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE "assunto"+"mario persona" NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Pesquisar este blog

Minha filhinha tem pesadelos com monstros. Pode ser influencia demoniaca?



https://youtu.be/MXC7j1lUQWw

Esqueça querer enxergar tudo como se o diabo estivesse por detrás. Na verdade ele está por detrás de tudo, porque afinal tudo o que há no mundo não procede de Deus, mas do mundo, e sabemos que Satanás é seu príncipe. Mas isso não significa que devemos ficar ocupados com o inimigo quando temos habitando em nós um Amigo, o Espírito Santo, aquele que é maior que o mundo.

Crianças são facilmente impressionáveis e muitos pais não percebem que são os verdadeiros culpados por isso. Explico. Quando eu era criança o máximo de violência que passava na TV Philco preto e branco da sala da casa de meus pais era o Zorro e seu amigo índio Tonto. Eles lutavam com os bandidos, mas o chapéu sempre permanecia na cabeça de todos, menos na de Tonto que tinha uma pena e não usava chapéu. Quando o Zorro atirava, ele só acertava a mão do bandido para seu revólver cair. Só isso. Ninguém se machucava, ninguém morria, ninguém se assustava. Até nos desenhos do Tom e Jerry, hoje considerados politicamente incorretos, a violência era natural. Eram cabeçadas, socos no nariz, tropeções etc., coisas perfeitamente normais na vida de uma criança saudável.

Mas hoje os filmes e desenhos "para crianças" não são naturais. São violentos, mágicos e aterrorizantes. Assisti com meus netos um desenho da Disney que parecia ter tudo de inocente, com uma coelhinha policial perseguindo os bandidos. O mais novo não dormiu à noite e teve pesadelos, e só então fui parar para analisar o quanto havia de terror naquele desenho feito para crianças.

As crianças ainda não estão preparadas para filtrar o que é realidade e o que é ficção, e se no Zorro o soco era de um punho humano, no desenho moderno ele vem de um misterioso poder mágico gerado nas trevas ou por algum alienígena querendo destruir o planeta com armas de raios. Uma criança sabe se defender de um soco, mas como fazer se este vier de uma "varinha de condão" ou de um canhão de prótons?

Portanto, se você não quiser que seus filhinhos acordem assustados com pesadelos, tenha o trabalho de filtrar o que eles veem quando estão acordados. Enquanto tem muito pastor por aí pregando contra desenhos da Disney que têm alguma imagem obscena escondida em algum lugar, a maioria não percebe que o problema não está nas obscenidades humanas naturais, mas nos terrores mágicos e sobrenaturais. Faz lembrar o menino cuja mãe abriu a porta do quarto enquanto ele via um filme impróprio. O garoto logo tranquilizou a mãe: "Não se preocupe, mãe, não tem cena de nudez. Estou vendo 'O psicopata da motosserra'".

Que existe um esforço do inimigo de assustar e prender a mente infantil para seus propósitos, não há dúvida. Ou você não reparou que as crianças estão aprendendo cada vez mais a gostar do dragão?

Veja também:
http://www.respondi.com.br/2012/07/o-diabo-pode-influenciar-criancas.html

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana