As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE "assunto"+"mario persona" NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Pesquisar este blog

Quando o carcereiro creu toda a sua familia foi salva?



https://youtu.be/QC1Eb1v9vWk

Você perguntou se toda a família teria sido salva apenas com a conversão do carcereiro e a resposta é não. A salvação seria apenas daqueles que cressem em Jesus. A passagem toda é esta: "E, tirando-os para fora, disse: Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar? E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa. E lhe pregavam a palavra do Senhor, e a todos os que estavam em sua casa. E, tomando-os ele consigo naquela mesma hora da noite, lavou-lhes os vergões; e logo foi batizado, ele e todos os seus. E, levando-os à sua casa, lhes pós a mesa; e, na sua crença em Deus, alegrou-se com toda a sua casa." (At 16:30-34).

A melhor maneira de se interpretar o versículo é que a primeira parte do que Paulo e Silas diziam deveria ser acatada também pela família, ou seja: "Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo". Mas os demais membros da família estariam a partir daquele momento "a salvo" e "santificados" (separados), além de possuírem privilégios do contato constante com um filho de Deus e exposição constante à Palavra. "Porque o marido descrente é santificado pela mulher; e a mulher descrente é santificada pelo marido; de outra sorte os vossos filhos seriam imundos; mas agora são santos." (1 Co 7:14).

Haveria luz em sua casa a partir daquele dia, porque antes só havia trevas. Como aconteceu no Egito, pois Deus faz distinção entre uma casa onde existem crentes, e aquelas em que habitam apenas ímpios. "Não viu um ao outro, e ninguém se levantou do seu lugar por três dias; mas todos os filhos de Israel tinham luz em suas habitações." (Êx 10:23).

Você se lembra do episódio em que Abrão intercedeu pelos habitantes de Sodoma? Deus deixou claro que não destruiria a cidade se nela encontrasse ao menos de justos, mostrando assim que ele pode agir em misericórdia estendida aos incrédulos na esperança de que se convertam: "Disse mais: Ora, não se ire o Senhor, que ainda só mais esta vez falo: Se porventura se acharem ali dez? E disse: Não a destruirei por amor dos dez." (Gn 18:32). E podemos ir mais longe: No caso de Nínive a misericórdia de Deus se estendeu até aos animais! "E disse o SENHOR: Tiveste tu compaixão da aboboreira, na qual não trabalhaste, nem a fizeste crescer, que numa noite nasceu, e numa noite pereceu; e não hei de eu ter compaixão da grande cidade de Nínive em que estão mais de cento e vinte mil homens que não sabem discernir entre a sua mão direita e a sua mão esquerda, e também muitos animais?" (Jn 4:10-11).

Ainda pensando nas coisas que aconteceram no Egito (que nos servem de figuras), mesmo que apenas o pai da família tivesse crido na Palavra do Senhor, matado o cordeiro e passado o sangue nas ombreiras da porta (suponha que fosse casado com uma cética), o primogênito daquela casa (mesmo que fosse um bebê sem entendimento) não seria morto. E depois seria levado através do mar aberto ainda que não entendesse nada daquilo, porque nenhum pai de sã consciência iria dizer: "Vou deixar meu filho no Egito até ele entender e decidir de si mesmo se quer ou não seguir a Deus".

Quando escuto algum cristão dizer que não quer forçar seus filhos e prefere esperar que cresçam para decidir, penso logo naqueles pais no Egito. É triste, mas este argumento alguns pais deixam de ler a Bíblia com os filhos, de orar com eles ou até de levá-los às reuniões da assembleia alegando que respeitam a opinião das crianças. Queria ver se teriam deixado seus filhos nas mãos de Faraó se eles tivessem escolhido ficar. Essa é a maior bobagem que pais cristãos podem dizer querendo parecer politicamente corretos ou defensores dos direitos individuais. Deixam seus filhos ao léu e à mercê do Faraó deste mundo, quando poderiam introduzi-los no círculo cristão.

Tanto o mar vermelho como o dilúvio são figuras do batismo cristão e nos dois casos o responsável pela família (os pais israelitas no Egito, quanto Noé) não deixaram seus filhos para trás. Por isso também no capítulo 16 de Atos Lídia tem toda a sua família batizada, e naquela época "casa" incluía também os servos: "E uma certa mulher, chamada Lídia, vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira, e que servia a Deus, nos ouvia, e o Senhor lhe abriu o coração para que estivesse atenta ao que Paulo dizia. , depois que foi batizada, ela e a sua casa, nos rogou, dizendo: Se haveis julgado que eu seja fiel ao Senhor, entrai em minha casa, e ficai ali. E nos constrangeu a isso." (At 16:14-15).

Poderíamos dizer que os israelitas que saíram do Egito foram batizados em Moisés: "Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem, e todos passaram pelo mar. E todos foram batizados em Moisés ou a Moisés, na nuvem e no mar" (1 Co 10:1-2). Os membros da família de Noé teriam sido batizados em Noé ou a Noé, "...na qual [arca] poucas (isto é, oito) almas se salvaram pela água; que também, como uma verdadeira figura, agora vos salva, o batismo, não do despojamento da imundícia da carne, mas da indagação de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo" (1 Pe 3:20-21). Hoje batizamos as pessoas em nome de Jesus — ou a Jesus — com a fórmula batismal ensinada aos apóstolos, "em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo" (Mt 28:19).

Por isso, apesar de não dizer nada se a família do carcereiro creu ou não em Jesus (e nem sabemos a idade deles), vemos que todos foram batizados como também os da casa de Lídia, ou os da família de Estéfanas (1 Co 1:16). É neste sentido também que pais cristãos batizam um filho, mesmo bebê, para colocá-lo dentro do círculo do cristianismo, que faz com que ele deixe de ser pagão do modo como veio ao mundo. Pais: meu conselho é que vocês levem seus filhos para dentro da arca mesmo que eles não entendam o que esteja fazendo, e não permitam que Faraó seja a babá deles até decidirem por si mesmos se querem ou não atravessar o mar. Assim entendo os três círculos:

  • A Igreja, o círculo dos verdadeiros salvos pela fé em Cristo:
  • "Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação" (Ef 4:4).
  • A cristandade, o círculo dos que foram batizados a Jesus e reconhecem ser Jesus o Senhor (mesmo que não creiam). "Um só Senhor, uma só fé, um só batismo" (Ef 4:5).
  • A humanidade, da qual Deus é Pai no sentido de Criador: "Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos vós." (Ef 4:6).

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana