As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE assunto +mario persona NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Por que Deus criou tantos planetas se não foi para abrigarem vida?



https://youtu.be/nYNdwjDjmzU

Você pergunta a razão de Deus ter criado tantos planetas no Universo se não fosse para eles também abrigarem vida. A questão que passou despercebida para você é que eles abrigam vida sim, só que não em suas superfícies. Tudo o que foi criado — planetas, estrelas e outros diferentes corpos celestes — teve a vida como objetivo, porém a vida no planeta Terra. Sem eles não existiria vida na Terra, simples assim.

Pense no seu corpo. Tudo o que você é, tudo o que pensa, acontece em um pequeno órgão chamado cérebro. Então por que Deus não criou apenas o cérebro ao invés de criar todo um corpo com tronco, membros e diferentes órgãos. Porque para o cérebro funcionar ele precisava fazer parte de um sistema bastante complexo de apoio. É mais ou menos como um piloto de Fórmula 1, que parece tão solitário em seu carro, mas depende de algumas dezenas de pessoas trabalhando para fazer aquele carro correr. Então pense em tudo como sistemas. Assim como um carro de corrida precisa de uma equipe para funcionar, um receptor de rádio precisa de estações transmissoras, um televisor também e por aí vai.

Portanto os milhões ou trilhões de corpos celestes não servem apenas para abrigar vida, mas têm sua parte no equilíbrio de todo o Universo. Tire um de seu lugar e provavelmente a vida na Terra seria impossível pois todo o sistema ficaria comprometido. Além disso corpos celestes servem também de guias, e o Senhor deixou bem claro que esta seria a função das estrelas mencionadas no primeiro capítulo de Gênesis. Veja quantas funções eles têm.

"E disse Deus: Haja luminares na expansão dos céus, para haver separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais e para tempos determinados e para dias e anos. E sejam para luminares na expansão dos céus, para iluminar a terra; e assim foi. E fez Deus os dois grandes luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para governar a noite; e fez as estrelas. E Deus os pós na expansão dos céus para iluminar a terra, e para governar o dia e a noite, e para fazer separação entre a luz e as trevas; e viu Deus que era bom." (Gn 1:14-18).

A palavra "governar" tem o mesmo sentido de manter o controle das coisas, como quando falamos do governo de um país. Um carro desgovernado terminará em tragédia, e uma Terra desgovernada não teria um fim diferente. Por isso esses corpos celestes servem para governar ou permitir o controle das coisas que acontecem na Terra habitável. Quando você caminha por uma cidade você tem pontos de referência para não se perder, sejam esses ruas e praças ou até mesmo edifícios e outros referenciais.

Antes de existir o GPS dirigir na cidade de São Paulo era um desafio para mim que sou do interior. Então quando não podia olhar para o mapa no assento ao lado eu me guiava pelos aviões que pousavam ou decolavam do aeroporto de Congonhas. Sabendo onde estava o aeroporto eu era capaz de me localizar na cidade.

Antes da invenção das viagens espaciais e de satélites a Palavra de Deus já apontava para as estrelas como necessárias à navegação, tanto marítima e aérea, quanto espacial, já que tudo o que vai para o espaço usa as estrelas para se localizar, inclusive os satélites de GPS que usamos para nos localizarmos na terra. A gravidade dos diferentes corpos celestes também é considerada na navegação. Assim o ser humano fez ao longo das diferentes épocas, viajando por terra e mar com os olhos fitos no céu e nas estrelas.

O princípio continua o mesmo, ainda nos modernos navios que usam GPS mas não abrem mão da navegação pelas estrelas. Afinal o GPS é um sistema de navegação baseado em estrelas artificiais, os satélites, que por sua vez também utilizam planetas, no caso o planeta Terra, para se posicionarem. A navegação no espaço usa outros elementos, como sinais de rádio emitidos da terra, gravidade de planetas e estrelas e a invenção mais recente visando a navegação fora da Via Láctea, que é o uso de pulsares.

Pulsares são estrelas de nêutrons que emitem sinais de rádio a intervalos regulares e poderão ser usadas para navegação no espaço profundo, onde não há estrelas e planetas nas proximidades para servirem de referência. A navegação assim segue o mesmo princípio daquela feita por pilotos de aviões, que se localizam pelos sinais de rádio dos aeroportos, rádio-faróis e até sinais de rádios comerciais, além de GPS.

Juntando tudo, a resposta para sua pergunta, da utilidade de outros planetas se Deus não tinha intenção de colocar neles vida, é que Deus criou tantos planetas e estrelas para serem usados pelo homem que vive na terra, e também para proclamar a glória do próprio Deus Criador.

"Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos. Um dia faz declaração a outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite. Não há linguagem nem fala onde não se ouça a sua voz." (Sl 19:1-3).

por Mario Persona


Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana