As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

João Batista era Elias?



https://youtu.be/jvdts_SfuEk

Geralmente esta pergunta é feita tendo em vista alguns que utilizam a idéia para fundamentar crenças reencarnacionistas. Primeiro, é importante lembrar que Elias não morreu. Ele foi levado para o céu em um evento milagroso, um redemoinho descrito em II Reis 2:1-13

"SUCEDEU que, quando o SENHOR estava para elevar a Elias num redemoinho ao céu, Elias partiu de Gilgal com Eliseu... E sucedeu que, indo eles andando e falando, eis que um carro de fogo, com cavalos de fogo, os separou um do outro; e Elias subiu ao céu num redemoinho... O que vendo Eliseu, clamou: Meu pai, meu pai, carros de Israel, e seus cavaleiros! E nunca mais o viu."

Ao contrário do que os espíritas acreditam, João Batista não era Elias reencarnado, mesmo porque Elias não morreu. E ao contrário do que muitos cristãos pensam, Elias não subiu ao céu numa carruagem de fogo com cavalos de fogo, como aparece em algumas figuras bíblicas. A carruagem aparentemente apenas separou Elias de Eliseu, porém o texto diz que Elias subiu num redemoinho.

Sobre a declaração no Novo Testamento de que João Batista era o Elias que havia de vir, Malaquias 4:5,6, comparado com Lucas 1:17 tem uma explicação bastante clara. João Batista foi um profeta que veio "no espírito e poder de Elias", antes do "grande e terrível dia do Senhor", para tocar o coração do povo, se este o recebesse.

Mas como não foi recebido, a não ser por uns poucos, João declara aos judeus que ele não era o Elias. Portanto o ministério de Elias fica para ser plenamente cumprido quando Cristo aparecer em glória (Mal. 4:5,6; Mat. 11:14; Luc. 1:17; João 1:21).

Quando as autoridades religiosas mandaram perguntar a João quem ele era, ele declarou que não era o Cristo, nem Elias, nem o profeta de Deuteronômio 18:15,18. Ele era "a voz do que clama no deserto", conforme Isaías havia profetizado (João 1:19‑23). O Senhor, ao falar de João, disse: "Elias já veio" (Marcos 9:13), o que parece contradizer João 1:21.

Outra passagem, porém, explica isto: "E se quereis dar crédito, é este o Elias que havia de vir" (Mat. 11:14). João havia vindo no espírito e poder de Elias, conforme previra o anjo Gabriel; e ele era o Elias para aqueles que o receberam e lhe deram crédito, seguindo mais tarde ao Senhor Jesus, como André e outro discípulo em João 1:40.

Mais acessadas da semana