As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

O que significa 'reunir-se ao nome do Senhor'?



https://youtu.be/A9HM1eZEqUw

Espero conseguir esclarecer sua dúvida quanto ao fato de eu e outros cristãos não estarmos ligados a qualquer grupo denominacional, ao modo como nos reunimos, se possuímos casas de reunião, se não possuímos organização hierárquica, etc.

Não creio que seria proveitoso descrever como são as reuniões sem dar a você uma visão clara da base ou fundamento sobre o qual nos reunimos. Quando nos referimos a estar reunidos fora do sistema religioso, não estamos negando a salvação dos milhões de irmãos que continuam dentro do sistema. Pelo contrário, estamos testemunhando que somos um só corpo com todos esses irmãos. Não poderíamos testemunhar que somos um com todos se adotássemos o nome de um dos grupos de cristãos existentes no sistema. Também não se trata de tentar "restaurar" a Igreja, mesmo porque não há nada para ser restaurado na Igreja. Efésios nos mostra a Igreja aos olhos de Deus, e ela é perfeita, sem mácula e sem ruga, assim como cada um de nós individualmente. Neste aspecto não há, portanto, o que ser "restaurado".

Porém, no que diz respeito ao testemunho da Igreja que foi deixado nas mãos dos homens, como sempre tornou‑se em ruína. E para isto não há restauração possível pois é claro que em tempos de fim (leia 2 Tm, a última carta do apóstolo Paulo), quando há abandono generalizado deve‑se chorar e procurar guardar, dentro de muros edificados com a espada na mão e no único lugar de adoração estabelecido por Deus, o testemunho de que há um só corpo; que no único pão que partimos podemos ver toda a Igreja, o corpo de Cristo. Tudo isso nos foi ensinado em figuras pelos livros de Esdras e Neemias, um manual prático de como agir em tempo de ruína. Edificar os muros com a espada na mão (manter‑se protegido, com a Palavra, contra a contaminação e ataques externos), recusar qualquer ajuda dos que são de fora (o mundo, seus sistemas e modelos de associação, culto e adoração instituidos por homens), adorar no único lugar reconhecido por Deus (em nosso caso, somente ao nome do Senhor Jesus), e expressar na prática a unidade do povo de Deus. Este exemplo encontramos em 1 Rs 18.31 quando Elias, em um tempo de ruína, divisão e abandono da verdade, toma 12 pedras para erguer o altar, mostrando de uma forma prática a unidade do povo de Deus, ainda que disperso.

Reunir‑se ao nome do Senhor também não significa uma posição ecumenista como pensam alguns. Nem tampouco trata‑se do outro extremo, ou seja, de se afirmar "eu sou de Cristo" como se os outros não o fossem. O ecumenismo visa unir aquilo que Deus não ordenou que fossem criadas, ou seja, as denominações e organizações cristãs. Por outro lado, formar algum grupo com características próprias, ainda que sem nome, sem reconhecer a unidade e amplitude do corpo de Cristo é sectarismo. Como já disse, reunir‑se ao nome do Senhor Jesus somente não significa uma carreira em busca da restauração da Igreja ou do seu testemunho sobre a terra pois se esperarmos que ainda ocorra alguma restauração não estaremos aguardando o Senhor para o próximo piscar de olhos. Reunir‑se ao nome do Senhor Jesus Cristo também não significa meramente adotar certas doutrinas, ainda que bíblicas, ou deixar de ter lideranças humanas como são os pastores e sacerdotes instituídos pela cristandade.Reunir‑se ao nome do Senhor significa sair de todo o sistema, mas sair PARA CRISTO, para estar onde Ele está, tendo a Ele como centro ou polo de reunião.

Deixe‑me explicar melhor o que entendo por centro ou polo de reunião. Por exemplo, o que identifica um batista, ou melhor, o que os faz serem batistas? Talvez um ferrenho defensor da denominação diga que é Cristo somente, mas uma análise mais imparcial irá concluir que batistas são aqueles que concordam acerca de uma determinada doutrina de batismo. Resumindo, ainda que de uma forma grosseira, o que os identifica, o elemento catalisador para que estejam unidos é uma doutrina específica. O mesmo ocorre, por exemplo, com os presbiterianos onde tudo gira em torno de uma forma de governo eclesiástico. Ou com os pentecostais cuja ênfase é colocada na experiência e em sinais. Isto fica claro neste ultimo caso quando vemos que um pentecostal, de passagem por uma localidade onde não existe a sua denominação, irá procurar outra que seja pentecostal. O polo de atração, neste caso, são as doutrinas específicas que as diversas denominações pentecostais compartilham.

Reunir‑se ao nome do Senhor é ter somente a Ele como polo de atração. Estar reunido unicamente porque Ele prometeu estar onde dois ou três estão reunidos ao Seu nome (somente). Não é reunir‑se por ser simpatizante desta ou daquela doutrina ou costume. É simplesmente deixar tudo o que os homens estabeleceram e voltar àquilo que Deus estabeleceu: Cristo, o centro! Como isto é caro ao coração de Deus. Aquele que teve sua atenção voltada para o único Homem perfeito que pisou neste mundo; que foi obrigado a voltar sua face quando, pendurado entre o céu e a terra, o Senhor agonizava sob o peso de nossos pecados; que não o deixou na morte, mas aprovou plenamente o Seu sacrifício, ressuscitando‑O para recebê‑Lo à Sua destra! Acaso não deve ser Este, e somente Este o motivo de estarmos reunidos? Não é a Sua excelsa Pessoa presente no meio a motivação suficiente para deixarmos tudo aquilo que é contrário à vontade de Deus e, saindo dos sistemas humanos, voltarmos à simplicidade que havia no princípio da Igreja? É evidente que sim! Aquele que é tão precioso ao coração de Deus, deve sê‑lo também aos nossos corações.

Este é o motivo principal de nos reunirmos: Cristo Jesus, o Senhor. Evidentemente, ao darmos este passo, voltando ao que era no princípio e amparados somente por Sua Palavra, estaremos capacitados a testemunhar de forma prática que há um só corpo. Um cristão denominacional pode testemunhar do evangelho da graça de Deus. Pode, até mesmo, professar com seus lábios que faz parte do corpo de Cristo, que o corpo de Cristo é um, etc. Mas não poderá testemunhar isto na prática pois participa de uma facção. A adoção de um nome que o identifique é uma desonra ao nome de Cristo, o qual é suficiente para identificar qualquer um dos que nEle crêem. Mas, mesmo que não haja um nome, se não estão reunidos PARA O SENHOR, ou seja, se o motivo pelo qual se reunem é alguma doutrina específica ou algo "mais" do que Cristo, trata‑se de uma seita. Há ainda uma terceira possibilidade que é a de desejar me reunir somente ao nome do Senhor Jesus, sem qualquer nome, tendo a Ele como único centro, mas desejar ser original, ou seja, me recusar a fazê‑lo em comunhão com irmãos que já ocupavam tal terreno de reunião antes. Estarei sendo tão sectário quanto aquele que cria uma denominação com placa e tudo mais.

Não sei se o que estou escrevendo lhe está sendo útil para que compreenda melhor sobre que base eu e outros irmãos, com os quais estou em comunhão, nos reunimos. O certo é que não se pode compreender plenamente o que é estar reunido somente ao nome do Senhor até que se tenha dado o passo decisivo de se separar e estar reunido lembrando o Senhor na Sua morte. É mais ou menos como a salvação. É impossível compreender‑se o que significa ser salvo até que se tome a decisão de crer em Cristo como Salvador. Por favor, entenda que isto é apenas uma comparação. Não quero com isto dizer que alguém passa por alguma transformação quando passa a se reunir ao nome do Senhor, ou que fique "mais salvo" do que aqueles que não estão em comunhão. TODOS os que crêem no Senhor Jesus como Salvador estão salvos, seja denominacional ou não. O exemplo é apenas no sentido de que a pessoa passa a enxergar as coisas sob um outro prisma. Não existem mais dogmas ou vícios doutrinários adquiridos nas seitas e fica‑se aberto para receber da Palavra de Deus aquilo que diz respeito a Cristo e à Igreja. Pois como pode alguém compreender plenamente a unidade do corpo de Cristo sendo membro de algo que claramente quebra a expressão desta unidade?

Devo fazer um parênteses aqui para explicar que Verdades Vivas nada tem a ver com a verdade de reunir‑se somente ao nome do Senhor. Verdades Vivas não é uma denominação ou uma organização que tenha membros. Verdades Vivas é simplesmente uma Editora voltada à divulgação do evangelho através de literatura. A particularidade que existe é que esta editora não é ligada ou sustentada por alguma denominação. As pessoas que nela trabalham, assim como eu, não estão ligadas a qualquer denominação, mas são crentes que se reúnem regularmente com outros irmãos (que não estão ligados à editora Verdades Vivas) congregados somente ao nome do Senhor Jesus Cristo. Existem outras editoras e obras semelhantes cuidadas por irmãos em comunhão conosco em diversos países do mundo.

Mais acessadas da semana