As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE assunto +mario persona NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Devo crer na Salvação pelo Senhorio ou na Livre Graça?



https://youtu.be/-b6McunRLvo

Uma ideia aplaudida por muitos evangélicos hoje é a da "Salvação pelo Senhorio". Ela surgiu como uma reação à ideia bastante difundida de que para ser salvo bastaria ir à frente durante uma pregação do Evangelho, ou preencher um questionário no final de algum folheto evangelístico.

A falta de consistência na vida de alguns que se dizem cristãos por terem se "convertido" assim fez com que muitos acreditassem que "apenas" crer em Jesus não seria garantia de salvação, a menos que você tivesse uma vida controlada pelo Senhor, dando uma clara evidência de estar sob o seu senhorio e obediente ao seu comando.

Alguns pregadores populares, como Paul Washer, Kevin DeYoung, Paulo Júnior  e outros parecem seguir essa linha, embora nenhum deles comece uma pregação dizendo: "Vou pregar o evangelho da salvação pelo senhorio". Mas você mesmo pode sentir a carga de legalismo que permeia suas palavras, fazendo com que você se sinta irremediavelmente perdido quando olha para seus atos e pensamentos. Sua impressão é de que, se para ser salvo você precisa viver do jeito que pregam, você nunca poderá se considerar salvo.

Por mais que esta ideia seja atraente — a de que você só pode considerar-se salvo se viver uma vida totalmente dedicada a Cristo e sua Palavra —, qualquer pessoa que não seja hipócrita o suficiente para afirmar que está andando 100% do tempo sob o senhorio de Cristo acabará no desespero da incerteza, achando que nunca creu verdadeiramente em Jesus. Tentará acertar o passo, mas ao menor deslize achará que perdeu sua salvação ou nunca a teve.

O principal problema dos pregadores que seguem uma ou outra linha está na falta de entendimento do que é realmente o novo nascimento. Escuta-se muito pregadores colocarem o novo nascimento mais como uma responsabilidade do pecador do que uma necessidade, como é o ensino de Jesus: "Necessário vos é nascer de novo.".

Existe uma diferença enorme entre uma coisa e outra. Se um médico me diz que é necessário eu fazer uma cirurgia eu nunca iria pensar que ele quer que eu abra meu próprio ventre. É também o caso do nascimento natural. Eu nasci como consequência da decisão e ações de outros, e durante todo o processo fui um agente passivo. Num momento eu não era nascido e no outro eu era mais um bebê chorão que caiu de paraquedas nesta vida sem fazer ideia do que tinha acontecido. Não obtive esta vida por meu esforço, ela me foi dada.

Um excelente artigo para entender o novo nascimento e o perigo desses dois extremos que são a "Salvação pelo Senhorio" e "Teologia da Livre Graça" é o de John Kulp, com o título de "A controvérsia da Salvação pelo Senhorio versus Livre Graça", que passo a transcrever a seguir:
 — o — 

A controvérsia da Salvação pelo Senhorio versus Livre Graça
John Kulp

Por várias décadas uma batalha vem sendo travada no Cristianismo Evangélico entre aqueles que defendem aquilo que veio a ser conhecido como "Salvação pelo Senhorio" de um lado,  e do outro aqueles que defendem a "Livre Graça" como o único terreno bíblico para se receber vida eterna e ter certeza de salvação.

A doutrina da necessidade de submeter-se ao senhorio de Cristo para obter a salvação final e a entrada no céu parece ter surgido da preocupação de muitos mestres e evangelistas cristãos nas décadas da metade do século 20, quando viram a tendência para a licenciosidade e indiferença entre os crentes que professavam a Cristo como Salvador. Billy Graham, A. W. Tozer e John MacArthur eram apenas alguns dos proponentes dessa abordagem do evangelho de Deus como sendo uma salvação pelo senhorio.

Levantando-se contra o aparente legalismo desta ênfase na submissão ao senhorio de Cristo para a salvação estavam autores como Zane Hodges, que escreveu "Absolutamente Livre" em 1989 como uma resposta ao livro de MacArthur, "O Evangelho Segundo Jesus", publicado um ano antes. Bob Wilkin, fundador da Sociedade Evangélica da Graça, tem muitas vezes escrito e ensinado contra a salvação pelo senhorio e em defesa da “Teologia da Livre Graça”.

Embora ambos os lados ensinem uma medida de verdade, é lamentável que tenham, pelos seus contínuos embates retóricos, tornado implícito que suas respectivas visões são as únicas posições doutrinárias a serem mantidas de forma inteligente e consistente; que ou você está no campo da salvação pelo senhorio ou então abraça a versão da oposição do ensino da livre graça.

Considerando a enormidade do assunto, espero apresentar da forma mais concisa possível algumas passagens para o que acredito ter se transformado numa falsa dicotomia entre as duas ideias, cada uma aparentemente sustentada por uma reação ao outro lado, por mais bem intencionados e piedosos que possam ser seus respectivos protagonistas.

De um modo geral a doutrina conhecida como “Salvação pelo Senhorio” promove um compromisso com Cristo, obediência a Ele e a necessidade de perseverança em seguir a Cristo até o fim da vida, para que uma alma seja finalmente salva. Lamentavelmente este ensinamento obscurece a distinção entre a salvação somente pela graça e o chamado ao discipulado, que são tão distintos um do outro quanto as parábolas que encontramos em Lucas 14. Nos versículos 15 ao 24 Jesus ensina a abençoada verdade do papel que tem a eleição e irresistível graça de Deus na salvação das almas, mas nos versículos 25 ao 35 não poderia estar mais claro que o assunto ali é o discipulado. Ignorar a óbvia mudança de assunto entre os versículos 24 e 25 seria violentar os conceitos da graça de Deus e de nosso discipulado.

Portanto, além do fato de muitos que defendem a salvação pelo senhorio também incidentalmente ensinarem a verdade da eleição incondicional e da segurança, e de estarem, com razão, angustiados com a falta de um fervoroso discipulado entre os cristãos, sua visão de salvação pelo senhorio demonstra ter pouco fundamento à luz da Palavra de Deus.

Por outro lado, a “Teologia da Livre Graça” adverte corretamente contra a falta de integridade doutrinária da visão da salvação pelo senhorio, mas tem seus próprios excessos e pontos cegos. O mais evidente desses pontos cegos é a alegação de um de seus principais proponentes, de que “a fé em Cristo é uma assertiva intelectual”. Esse autor, Bob Wilkin, prossegue na defesa de sua proposição desta maneira: “Despido de sua conotação pejorativa, a 'assertiva intelectual' é uma boa definição do que é a fé. Por exemplo, você acredita que George Washington foi o primeiro presidente dos Estados Unidos? Se acredita, então você sabe o que é a fé de uma perspectiva bíblica".

O problema é que tanto a premissa quanto o argumento que a sustenta dificilmente poderiam estar mais longes da verdade daquilo que a fé realmente representa. Para os seus simpatizantes,  no Novo Testamento não existiriam exemplos de fé falsa ou espúria, e toda ocorrência da palavra “crer” seria necessariamente um caso de uma ou mais pessoas recebendo a vida eterna, não importando o contexto ou comentário em torno da fé que estivesse contido no texto. Então, para esses, Simão, o feiticeiro em Atos 8, seria um cristão genuíno desde o dia em que ouviu o evangelho, viu os milagres e foi batizado, apesar do julgamento subsequente feito por Pedro de que era um que permanecia “em fel da amargura, e em laço de iniquidade”, que não possuía “nem parte nem sorte neste ministério” da recepção e habitação do Espírito Santo.

Além disso, esses estariam afirmando que os muitos que acreditaram quando viram os milagres de Jesus na festa em João 2:23-25 teriam sido necessariamente salvos eternamente, embora o comentário divino seja de que Jesus não confiava neles. Por que não? Porque eles não possuíam o novo nascimento e uma nova natureza, e “Ele sabia o que havia no homem”, na carne “nascida da carne”, como explicou a Nicodemos imediatamente após a quebra de capítulo, que é equivocadamente colocada em João 3:1-12.  Não é sem razão que esta versão da livre graça é muitas vezes chamada de “crença fácil”, pois seu ensino sobre a natureza da fé é falso e, em alguns aspectos, humanista.

Para que a fé salve alguém e se conserve pelo poder de Deus até o fim, essa fé deve ser sobrenatural em sua origem, pois a crença do homem natural no incontestável fato da morte e ressurreição de Cristo nunca produzirá vida de nova criação, arrependimento ou salvação do pecado. É por uma boa razão que as escrituras falam de “fé não fingida”, bem como de “amor não fingido” (1 Tm 1:5; 2 Tm 1:5; Rm 12:9; 1 Pe 1:22), pois não é apenas possível, mas infelizmente muitas vezes o caso, de que o mero acreditar seja fruto de hipocrisia ou fingimento. Um simples estudo das palavras originais confirmaria a realidade da diferença marcante entre uma fé genuína e aquela que é fingida.

É somente por alguém nascer de novo, pela pessoa ser vivificada (alguns chamaram de “regeneração”), que a fé genuína é possível. Jesus se referiu a essa verdade quando disse a Nicodemos: “Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus” (João 3:3). “Ver” aqui indica visão espiritual, ou fé, e deve ser distinguido da afirmação paralela do Senhor alguns versos depois, a de que alguém que não nasceu de novo não pode “entrar” no reino de Deus. As Escrituras nos ensinam que o novo nascimento é a causa da vida, e seu efeito é a fé no testemunho de Deus quanto ao Seu Filho (Jo 1:12-13; 1 Jo 5:1; Tg 1:18).

O novo nascimento é iniciado e efetuado por Deus, e o homem não é convidado a fazer isso e nem é esperado dele que o faça. É algo parecido com o que aconteceu com o despertar de Lázaro de entre os mortos, que foi pelo chamado soberano do Senhor Jesus de fora do seu túmulo. A ressurreição de Lázaro foi um belo quadro da verdade espiritual que o Senhor deu em João 5:21: “Pois, assim como o Pai ressuscita os mortos, e os vivifica, assim também o Filho vivifica aqueles que quer".

Esta nova natureza adquirida através de novo nascimento logo faz com que a alma vivificada sinta o peso do pecado do “velho homem”, e aí o crente se arrepende, justificando a Deus e aceitando Seu conselho contra si mesmo como sendo pecador (Lc 7:29-30). ). O “o novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade” (Ef 4:20-24) é o que agora caracteriza a vida cristã. A obediência divina, a perseverança nas boas obras e a conformidade com o Filho são o que Deus, por Seu Espírito, opera em nós e espera de nós. (2 Co 5:17; Ef 2:10; Rm 8:28-30; Jo 15:1-8).

Isso é bem diferente da ideia de uma "salvação pelo senhorio". Essa verdade do novo nascimento e da nova criação também é distinta do ensinamento errado dos promotores da “livre graça”, que diz que a fé não é mais do que o assentimento intelectual dos fatos. Pois embora o verdadeiro crente possa lutar, fracassar e pecar com frequência, e até definhar para uma condição de desviado, ainda assim, graças a uma vivificação ocorrida de modo soberano, e também graças ao subsequente selo do Espírito, ele possui o desejo e a capacidade inatos , tanto de uma "fé não fingida” para vencer o mundo, como do “amor não fingido” por Cristo e pelos irmãos. (1 Pe 1:22-23; 1 Jo 3:23; 4:19-5:5). -



por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana