As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE assunto +mario persona NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Este candidato e' enviado por Deus?



https://youtu.be/xZ9fsyKiH3U

Você escreveu perguntando: "Quando a nação clama por alguém justo para tomar algumas decisões em nome da mesma, o que fazer quando aparece essa pessoa elas não o reconhecem?". Segundo você, o país estaria passando por uma briga politica, ideológica e espiritual que começou como uma luta entre direita e esquerda, e hoje se apresenta no cenário politico como uma verdadeira luta entre as forças do bem e do mal. Você diz que, de um lado, está a Bíblia, e do outro toda filosofia satanista dos maçons. E então pergunta se esse candidato que se apresenta como cristão e de Bíblia em punho não seria uma boa solução para o Brasil.

Tenho minhas convicções em relação à política, mas se tivesse alguma inclinação em escolher um candidato, esse que mencionou jamais entraria em minha lista de opções. Os vídeos em que ele aparece me dão a sensação de estar vendo a convocação de uma Jihad por um radical islâmico, e não um apelo evangelístico. Se colocar um turbante não falta mais nada. Mas é bom que surjam personagens bizarros assim no folclore político, pois assim fico ainda mais convencido a não ter nada a ver com a política. Principalmente com políticos que tentam usar de uma "aparência de piedade" (2 Tm 3:5) para atingir seus objetivos.

Isso mesmo, o capítulo 3 da Segunda Carta a Timóteo não está falando de pagãos ou de inimigos declarados de Cristo, mas de professantes que se dizem cristãos e são principalmente líderes religiosos dos últimos dias. Reparou ali que eles amam dinheiro, além de serem prepotentes? "...homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos..." (2 Tm 3:2). Foram religiosos empoderados e ignorantes, que "que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade" (2 Tm 3:7), que torturaram e mataram cristãos genuínos ao longo dos últimos dois mil anos. Quando o marxismo ateu assume o poder é ruim e radicais islâmicos também. Mas alguém assim, que professa ser cristão, assume o poder, é muito pior.

O evangelicalismo que assola o país tem feito um estrago tão grande que, quando você fala do evangelho a alguém, a pessoa fica tentando descobrir se você é o estelionatário que pede dinheiro ou o otário que dá. Com gente como esses autodenominados "pastores" que tomaram de assalto, literalmente falando, as religiões protestantes principalmente na América Latina e África, o cristianismo não precisa de inimigos. Eles já fazem um excelente trabalho de demolição do testemunho e de oposição à Verdade.

Creio que o crente não deva ter nada a ver com a política deste mundo porque é um cidadão celestial. É claro que me interesso em saber de notícias das eleições, porque seus resultados podem afetar mais ou menos minha vida, mas só isso. No máximo eu me dedico "à prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens, em favor dos reis e de todos os que se acham investidos de autoridade, para que vivamos vida tranquila e mansa, com toda piedade e respeito." (1 Tm 2:1-2).

Nenhum dos candidatos foi empossado ainda, portanto não são autoridade que eu não possa comentar a respeito. Não tenho candidato, pois se eu votar em um e ele perder terei votado contra a vontade de Deus. Sim, eu creio piamente que no final é Deus quem põe e tira os reis. "Ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis" Dn 2:21.

Minha opinião sobre candidatos que usam a Bíblia para tentar se eleger é que eu acho isso abominável. E essa conversa de "filosofia satanista dos maçons" que você colocou em sua mensagem, talvez influenciado pelo discurso de campanha desse candidato, não passa de conversa mole dos criadores de vídeos alarmistas no Youtube.

Não é só a filosofia dos maçons que é satanista, mas TODA FILOSOFIA humana, pois é contrária ao verdadeiro conhecimento de Deus. "o mundo inteiro jaz no Maligno" (1 Jo 5:19), e inclua nisso não só a filosofia pagã, a comunista ou a democrática, mas qualquer outra que igualmente tenha vindo do homem e para o homem. Os pés da estátua do sonho de Nabucodonosor eram de barro misturado com ferro, ou seja, a democracia, que é o povo misturado ao poder. O livro de Daniel deixa bem claro aonde vai levar.

Essa questão de luta do bem contra o mal na política pode levar você a escolher o mal pensando que é bem, porque não é difícil enxergar que em muitos casos é apenas uma luta do mal contra o pior. Eu tenho certeza de que a esquerda não é do bem, pois sua origem está no materialismo marxista-leninista, que massacrou milhões de pessoas e incutiu na mente de toda uma geração a incredulidade em Deus. Quando você conhece pessoas na Europa que estiveram sob o domínio comunista entende melhor o câncer que é isso numa sociedade.

Sei perfeitamente, pelo testemunho de irmãos que conheço, que crianças romenas, filhas de irmãos em Cristo, eram treinadas pelos pais para saber o que fazer caso um deles não voltasse para casa no final do dia. Era comum a polícia secreta durante o regime comunista prender e dar sumiço em pessoas com base em simples suspeita. Quando o impeachment da presidente do Brasil estava em curso, comentei com um irmão romeno que encontrei em uma conferência na Bélgica, que aqui até mesmo entre cristãos havia simpatizantes da ideologia que a presidente representava. Ele respondeu: "Os brasileiros não sabem o que é viver num regime comunista. Eu sei.".

Mas isso não faz com que os de direita ou qualquer outra vertente ideológica sejam automaticamente "do bem". A Alemanha aplaudiu Hitler quando ele se apresentou como o salvador da pátria. As massas são facilmente influenciáveis, e o anticristo saberá fazer isso muito bem, principalmente misturando poder político com influência religiosa.

"O homem do pecado, o filho da perdição, o qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus." (2 Ts 2:3-4). Pode parecer um paradoxo alguém ser "contra tudo o que se chama Deus, ou se adora" e ao mesmo tempo querer "parecer Deus". Mas não é, quando entendemos que o ser humano tem um vazio dentro de si, e quem contar a melhor mentira ocupa facilmente esse vazio.

Nos anos sessenta e setenta cresci recebendo doutrinação religiosa de tendência marxista por meio dos padres nas missas. Conheci um jovem que foi treinado em guerrilha por um padre. Era a época da "Teologia da Libertação", que hoje já se sabe ter sido concebida e planejada na União Soviética pela KGB, como estratégia para expandir o comunismo nos países católicos da América Latina.

A ideia era fazer de conta que estavam interessados nos mais pobres para conseguir massa de manobra cega e disposta a tudo. Nem preciso explicar para um brasileiro de bom senso como isso é feito, pois esse filme permanecido por muitos anos em cartaz por aqui. Ao contrário dos filmes beneficentes, onde é cobrado um quilo de alimento não perecível para participar, neste os participantes ganham pão com mortadela.

Todos aqueles anos de doutrinação marxista camuflada pelas batinas de padres latino americanos acabou dando resultado. Hoje colhemos os frutos de cem anos de governos de ideologia marxista-socialista na América Latina, tendo Cuba como cabeça de ponte dessa estratégia. Ela também foi estendida aos países de língua portuguesa da África.

Hoje a moda é usar o evangelicalismo como cabeça de ponte para propagar ideias de direita, principalmente no Brasil, onde o neo pentecostalismo se espalha como uma verdadeira praga dominada por pastores milionários. Se a Igreja Católica foi usada pela URSS para disseminar sua "Teologia da Libertação", o neo pentecostalismo propaga sua "Teologia da Prosperidade", prosperidade essa alcançada principalmente por seus líderes.

Uma vez em Brasília conheci um homem que prestava assessoria a políticos. Quando dei a ele um folheto evangelístico ele se disse neutro em termos de religião, mas contou de como sentiu-se enojado de uma reunião que participou como assessor de um deputado. Aconteceu na mansão do pastor de uma das maiores igrejas neo pentecostais de lá, e participavam pastores de diferentes denominações, além de deputados, senadores e candidatos a cargos públicos.

Ele descreveu a reunião como uma espécie de "leilão", onde os candidatos prometiam benefícios às igrejas e seus líderes, e os pastores tentavam vender seu produto, oferendo a quantidade de ovelhas fieis e sugestionáveis que poderiam convencer a votar nesse ou naquele candidato. Fazia lembrar a prática de que será acusada a Grande Babilônia no Apocalipse, que é caracterizada por negociar, não apenas "canela, e perfume, e mirra, e incenso, e vinho, e azeite, e flor de farinha, e trigo, e gado, e ovelhas; e cavalos, e carros", mas também "corpos e almas de homens" (Ap 18:13).

Naquela reunião entre pastores e políticos as ovelhas eram a moeda de troca. Não é difícil enxergar a facilidade com que conseguem atingir seus objetivos, quando vemos o Senhor e os apóstolos alertando contra os líderes religiosos "engodando as almas inconstantes, tendo o coração exercitado na avareza" (1 Pe 2:14). É claro que existem os líderes religiosos mais espertos, que descobriram que nem precisam participar desses leilões e articulações. Como eles já possuem uma audiência fiel e cativa em seu próprio rebanho, decidem se lançar como candidatos e assim transformam esse aprisco em curral eleitoral.

Portanto, se você quiser mesmo andar de maneira a agradar a Deus fuja de tudo o que cheirar a política e não vá na conversa principalmente daqueles que usam o nome de Cristo para angariar votos e se eleger. Ou então você acabará sendo mais um na grande massa de manobra existente no meio religioso, e que é extremamente útil para os políticos. Ora, quantos pastores você vê convidando candidatos, às vezes ateus ou incrédulos, para ocuparem o púlpito? Você não é ingênuo assim em pensar que esses líderes estão preocupados com a edificação do rebanho, não é mesmo? E quanto aos políticos, adoram ganhar a confiança de um líder religioso, porque basta convencer o pastor para automaticamente conquistar seus fiéis.

E se alguma vez passou pela sua cabeça de participar da política como candidato, é bom lembrar que isso não é possível sem filiar-se a um partido e até a alguma sociedade secreta. Uma vez filiado, você teria de fazer acordos e articulações, e apoiar as decisões conjuntas do partido, às vezes contrárias à sua consciência, além de pedir votos e posar para fotos ao lado de candidatos investigados ou réus por corrupção. Talvez até aquele pastor candidato esteja fazendo isso agora mesmo, contrariando até o que prega em seus sermões quando alerta suas ovelhas a não se casarem com incrédulos e nem se associarem a eles.

Será que eu estaria afirmando que não existem políticos cristãos? Não é o que estou dizendo, pois se fosse eu teria de dizer que cristãos que se casam com incrédulos não poderiam ser salvos. Longe de mim pensar tal coisa. "Todos tropeçamos em muitas coisas" (Tg 3:2), mas quando falhamos consciente e deliberadamente, como é o caso de entrar em um jugo desigual com incrédulos, isso não sairá barato para nós. A Palavra de Deus é categórica a esse respeito:

"Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniquidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas?  Que harmonia, entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo? Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos? Porque nós somos santuário do Deus vivente, como ele próprio disse: Habitarei e andarei entre eles; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. Por isso, retirai-vos do meio deles, separai-vos, diz o Senhor; não toqueis em coisas impuras; e eu vos receberei, serei vosso Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso." (2 Co 6:14-18).

Alguma vez você se perguntou da razão de igrejas não pagarem imposto de renda? Sim, elas gozam de imunidade tributária por serem consideradas de interesse social, além de, teoricamente, não venderem produtos. Isso acontece aqui, nos Estados Unidos e em outros países, apesar do grande volume de dinheiro que é movimentado nesse segmento. Qualquer governo prefere ter as igrejas como amigas, pois assim fica fácil saber em que curral o rebanho está agregado. Para conquistar o rebanho basta convencer o pastor, dando a ele alguns benefícios. Ou você nunca percebeu que a expressão "curral eleitoral" usada na política significa a esfera onde um político consegue exercer sua influência?

Neste ponto alguém poderia contestar, citando as várias passagens em que servos de Deus estiveram envolvidos em política, no Antigo Testamento e no exemplo de João Batista, que chegou até a ser preso e morto por seus protestos contra a vida devassa de Herodes. Fazer isso é não entender a diferença entre Israel, um povo terreno com interesses na terra, e a Igreja, um povo celestial com interesses no céu. O primeiro tinha todo direito e razão de interferir no andamento do mundo pois Deus lhes havia prometido a terra como herança. O segundo não.

Como lição de casa tente encontrar alguma passagem, depois da formação da Igreja, em que os discípulos apareçam envolvidos em política. Alguns, evidentemente, se converteram já ocupando posições na esfera da administração pública, outros eram "da casa de César" (Fp 4:22), a família do próprio imperador romano. Provavelmente tinham sido convertidos graças ao testemunho que os cristãos presos teriam dado, como Paulo menciona: "De maneira que as minhas prisões em Cristo foram manifestas por toda a guarda pretoriana" (Fp 1:13). Mas os cristãos não estavam engajados em mudanças políticas, como o Senhor Jesus não esteve quando andou aqui, e nem os apóstolos se esforçaram em mudar o corrupto governo que prendia e matava cristãos. Eles sabiam que eram "concidadãos dos santos, e da família de Deus" (Ef 2:19). Assim como os mártires do passado, eles "confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra", buscando uma pátria "melhor, isto é, a celestial... dos quais o mundo não era digno" (Hb 11:13, 16, 38)

Termino lembrando você, que se apresentou como crente no Senhor Jesus, de sua real cidadania, que nada tem a ver com o mundo que expulsou o Senhor. Depois de falar dos "muitos [que] andam entre nós, dos quais, repetidas vezes, eu vos dizia e, agora, vos digo, até chorando, que são inimigos da cruz de Cristo. O destino deles é a perdição, o deus deles é o ventre, e a glória deles está na sua infâmia, visto que só se preocupam com as coisas terrenas", o apóstolo Paulo completa: "A nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo,  o qual transformará o nosso corpo de humilhação, para ser igual ao corpo da sua glória, segundo a eficácia do poder que ele tem de até subordinar a si todas as coisas." (Fp 3:18-21).

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana