As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE assunto +mario persona NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

A ultima trombeta vem antes da setima trombeta?



https://youtu.be/n4GVUsAkrsc

Você comenta que em 1 Coríntios 15:52 Paulo afirma que o arrebatamento acontecerá ao soar da "última trombeta", mas não consegue entender a razão de esta "última trombeta" não ser a mesma sétima trombeta, ou a trombeta do "sétimo anjo" de Apocalipse 11:15. Se a sétima trombeta é a última de sua série, como ela não poderia ser também a última trombeta de outras passagens?

Quando alguém me telefona (ou toca a "trombeta" de meu celular), se não vejo o nome da pessoa identificado na tela, eu pergunto: "Quem está falando?", o que equivale a perguntar quem está tocando a "trombeta" de meu celular. O mesmo deveriam fazer os cristãos para não ficarem confusos com as diferentes trombetas e acabarem misturando aquilo que é para a Igreja com aquilo que é para Israel e o mundo. Vamos começar com esta trombeta:

"E ele enviará os seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus." (Mt 24:31).

Nesta passagem a trombeta será tocada por anjos quando recolherem os eleitos de Deus, que serão os verdadeiros israelitas de todas as tribos que ficaram espalhados pelo mundo. Nada a ver com cristãos aqui. Se alguém perguntasse "Quem está tocando?", os anjos responderiam: "Somos nós, os anjos". Eles estarão cumprindo aquilo que o Senhor sempre quis fazer antes de forma muito específica para com seu povo terreno, Israel: "Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha os seus pintos debaixo das asas, e não quiseste?" (Lc 13:34).

Outra trombeta que encontro é a trombeta tocada por Deus e é última para o período da Igreja na terra que se encerra com o arrebatamento. "Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados." (1 Co 15:52). Posso afirmar com segurança que esta é a trombeta de Deus, pois é o que diz o versículo em 1 Tessalonicenses 4:16: "O Senhor mesmo descerá do céu com grande brado, com voz de arcanjo e com trombeta de Deus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro.".

O "grande brado" pode ser identificado como a voz do mesmo Senhor, pois João 5:25 diz que "os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus; e os que a ouvirem, viverão.". Foi assim em João 11:43-44 quando o Senhor "clamou com grande voz: Lázaro, sai para fora. E o defunto saiu". Na sequência vem a voz de arcanjo e a trombeta de Deus, como se Jesus comandasse toda a ação, dando um brado, o arcanjo passando esse brado adiante e a trombeta de Deus tocando. L. M. Grant, escreve:

Primeiro o próprio Senhor quem descerá do céu com um grito. É uma vinda pessoal e real de nosso Senhor em forma corpórea, assim como o próprio Jesus se aproximou e caminhou junto com os dois a caminho de Emaús após sua ressurreição corporal (Lucas 24:15); ou apenas como o próprio Jesus apareceu corporalmente no cenáculo na mesma noite (Lucas 24:36). Não será uma visão ou aparição, mas uma vinda corpórea do próprio bendito Senhor. "Porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz." (João 5: 28-29). É claro que, na primeira ressurreição, somente os crentes ouvirão essa voz e sairão. Mais tarde, o ímpio também ouvirá e chegará ao julgamento do grande trono branco. A primeira é uma ressurreição "dentre os mortos", assim como Lázaro foi ressuscitado pela poderosa voz do Filho de Deus.

"Com a voz do arcanjo" é adicionado aqui. Apenas Miguel é referido nas Escrituras como "o arcanjo" (Jd 1:9). Se existem outros, não podemos dizer. Considerando que Miguel é chamado de "príncipe" de Israel (Dn 10:21), e a dispensação da lei "foi posta pelos anjos na mão de um medianeiro" (Gl 3:19), foi sugerido que a voz do arcanjo pode ter alguma conexão com a ressurreição dos santos do Antigo Testamento na vinda do Senhor. Se é assim ou não, seria insensato julgar sem fundamentos mais sólidos. Mas pelo menos a ocasião é vista como uma grande alegria angélica.

"A trombeta de Deus" também é ouvida, e este é um testemunho divino declarado. Será "a última trombeta" (1 Co 15:52) no que diz respeito à assembléia na terra. As sete trombetas do Apocalipse são de uma ordem diferente, pois são trombetas de juízo, dando um testemunho claro a um mundo em rebelião contra Deus. Esta "trombeta de Deus", no entanto, deve ser ouvida pelos santos, que por isso devem ser reunidos para o Senhor. Parece claro que, como outros apontaram, isso se conecta com Nm 10:4, onde o sopro de uma trombeta era o sinal para reunir os príncipes de Israel a Moisés. Os santos assim reunidos, é claro, devem reinar com Cristo e, por essa razão, são representados como príncipes. A reunião de "toda a congregação" a Moisés à porta do tabernáculo, por outro lado, pelo sopro de ambas as trombetas, poderia aparentemente se referir ao reagrupamento de Israel para benção milenar (Nm 10:3).

"E os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro", isto é, eles ressuscitarão antes que os vivos sejam arrebatados, a fim de que todos possam ser levados juntos. 1 Coríntios 15:52 fornece o fato de que "nós seremos transformados". Pois se os mortos são ressuscitados incorruptíveis, então nossa condição deve, naturalmente, se conformar com a deles em incorruptibilidade e imortalidade. Sem dúvida, isso se refere diretamente à nossa condição corporal, enquanto 1 João 3:2 acrescenta: "seremos semelhantes a ele, porque assim como é o veremos". Isto é, naturalmente, muito mais do que corporal, mas moral e espiritual conforme a Sua imagem.

"Então nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares." Em perfeito uníssono, assim todos os santos irão encontrá-lo. Maravilhosa alegria mesmo! Nas mesmas nuvens que uma vez obscureceram o céu da terra, encontraremos a ele e na atmosfera acima do nível da Terra. Deixe o mundo discutir sobre a impossibilidade física desta grande perspectiva. Experimentaremos isso enquanto eles cansam suas mentes e línguas com especulações ociosas e perguntas incrédulas. "Assim estaremos sempre com o Senhor." Isto é claro o suficiente para que nossa porção seja eternamente celestial — na casa do Pai, com o Senhor, onde ele está, para não deixar a sua presença novamente para voltar a viver na terra, como alguns imaginaram. Certamente haverá um povo terrestre, mas aqueles que foram levados por nosso Senhor ao céu, a casa do Pai, terão o céu como sua morada permanente. "Portanto, confortem-se mutuamente com estas palavras." Abençoado tema de puro conforto e encorajamento! — L. M. Grant

Meus pensamentos são levados para a expressão "voz como de trombeta", que João escutou em Apocalipse 4:1 enquanto recebia a revelação do Senhor, que veio em três partes. "Depois destas coisas, olhei, e eis que estava uma porta aberta no céu; e a primeira voz que, como de trombeta, ouvira falar comigo, disse: Sobe aqui, e mostrar-te-ei as coisas que depois destas devem acontecer.".

Que a revelação veio em três partes fica muito claro pelo início do livro: "Escreve as coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão de acontecer" (Ap 1:19). As "coisas que tens visto" eram aquelas que João vivenciava naquele momento com a aparição de Jesus como Filho do Homem todo paramentado como Juiz. As "coisas que são" diziam respeito ao período em que João estava na terra, período este caracterizado pelo testemunho cristão que permanece até sua última e arruinada imagem que é a da Igreja de Laodiceia. As "coisas que depois destas hão de acontecer" seriam ainda futuras ao período da permanência da Igreja na terra, e para assisti-las o Senhor arrebata João para uma posição de "camarote", para assistir do alto os eventos que ocorrerão na terra. Esta será também a perspectiva que a Igreja terá depois do soar da última trombeta ou trombeta de Deus: vendo do céu os juízos que cairão sobre o mundo.

As próximas trombetas soadas no livro de Apocalipse são todas numeradas de um a sete e são soadas, não por Deus, mas por anjos. Com isso fica muito claro que se alguém ouvir uma trombeta tocar e perguntar "Quem é?", e a resposta for "Deus", então é a "última trombeta" de 1 Coríntios 15:52 que pelo evento descrito mostra ser a mesma trombeta de 1 Tessalonicenses 4:16: A "trombeta de Deus". Esta nada tem a ver com a sétima trombeta. A "trombeta de Deus" trará bênção para os que morreram em Cristo e os que estiverem vivos.

A "sétima trombeta" do anjo trará o anúncio do estabelecimento do Reino terrenal de nosso Senhor Jesus Cristo e nada fala de santos sendo arrebatados da terra: "E o sétimo anjo tocou a sua trombeta, e houve no céu grandes vozes, que diziam: Os reinos do mundo vieram a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará para todo o sempre." (Ap 11:15). O reino milenial será estabelecido com a morte dos bodes e as boas vindas às ovelhas que deram abrigo aos "pequeninos irmãos" do Senhor. Serão estas duas classes que habitarão a terra por mil anos. "Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo." (Mt 25:34).

Se prestar bem atenção no que diz a Palavra de Deus, verá que essa será uma classe de pessoas escolhida "desde a fundação do mundo", para um reino preparado também "desde a fundação do mundo". No entanto a Igreja foi assegurada de ter sido escolhida "antes da fundação do mundo". Só isso deveria ser suficiente para uma alma sincera saber que não passará pela grande tribulação.

Um povo é o povo terreno de Deus e sua esperança, bênçãos e expectativas estão NA TERRA: "A besta que viste foi e já não é, e há de subir do abismo, e irá à perdição; e OS QUE HABITAM NA TERRA (cujos nomes não estão escritos no livro da vida, DESDE A FUNDAÇÃO DO MUNDO) se admirarão, vendo a besta que era e já não é, mas que virá." (Ap 17:8).

O outro é o povo celestial cuja esperança, bênçãos e expectativas estão NOS LUGARES CELESTIAIS: "Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais NOS LUGARES CELESTIAIS em Cristo; como também nos elegeu nele ANTES DA FUNDAÇÃO DO MUNDO, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor." (Ef 1:3-4).

"Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação [TRIBULAÇÃO] que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra." (Ap 3:10).

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana