As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE assunto +mario persona NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Voce nao acredita na Teoria da Terra Jovem?



https://youtu.be/g59o0TESuUQ

Você escreveu não concordando com o que eu disse sobre a Criação, isto é, que Gênesis 1:1, "No princípio criou Deus os céus e a terra", fale de tempos imemoriais, e que o versículo 2, "E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas.", esteja se referindo ao caos resultante possivelmente da rebelião dos anjos. Você não concordou também que a partir daí Deus estaria, não criando, mas restaurando o mundo e moldando as coisas a partir de matéria prima existente (como quando fez Adão a partir do barro). Para embasar seus argumentos você citou um cientista cristão.

Conheço pessoalmente o cientista cristão ao qual você se referiu, e acredito na seriedade de seu trabalho de promoção do criacionismo por meio de argumentos científicos. Respeito seu esforço em se opor à falsa "Teoria da Evolução", e eu não teria capacidade de discutir as evidências científicas que ele costuma colocar sobre a mesa em suas palestras, vídeos e entrevistas, simplesmente por não ter formação científica ou bagagem para tanto.

Mas acredito que a abordagem dele e dos simpatizantes da "Teoria da Terra Jovem" esteja equivocada. A abordagem dos cientistas e teólogos que abraçam essa causa é muito sedutora, já que a cada dia a ciência descobre novas supostas evidências de uma Criação recente. E como faziam os gregos da antiguidade, que "de nenhuma outra coisa se ocupavam, senão de dizer e ouvir alguma novidade" (At 17:21), essas coisas nos atraem pois também somos seres humanos.

Não me entenda mal, o modo como creio não é uma defesa de Darwin ou a Teoria da Evolução, mas também não tem nada a ver com a "Teoria da Terra Jovem" de alguns criacionistas, que acreditam que o Universo tenha apenas cerca de seis mil anos, embora nem todos os que seguem essa teoria estejam concordes quanto a essa data.

O problema dessa ala dos criacionistas é que tentam construir suas conclusões sobre um fundamento instável e mutável, que é a ciência. Mas não é na ciência que devemos buscar provas, seja para a Criação, seja para a idade do planeta e do Universo, mas na Palavra de Deus, a qual só pode ser aceita pela fé, não por evidências absolutamente tangíveis.

A Wikipedia diz que o Método Científico "consiste em juntar evidências empíricas verificáveis baseadas na observação sistemática e controlada, geralmente resultantes de experiências ou pesquisa de campo, e analisá-las com o uso da lógica.". A fé, segundo a Palavra de Deus, é "o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem." (Hb 11:1). Ou seja, ciência é a busca de provas visíveis e fé é a certeza do invisível.

Se precisássemos da ciência para provar alguma coisa na Bíblia nunca chegaríamos a uma certeza, pois como disse alguém, "a ciência caminha de funeral em funeral". As evidências científicas que hoje são válidas, amanhã podem não ser mais ser. Quando você olha para as descobertas científicas e arqueológicas, não deve enxergar tudo como estático, como se tudo já tivesse sido descoberto. A ciência está em constante mutação.

Vá a uma biblioteca e veja se encontra a coleção "Tesouro da Juventude". Você vai achar graça de tanta bobagem encontrada na seção reservada à ciência, astronomia, medicina, etc. Eu tinha uma edição de 1955 (o ano em que nasci) que ganhei de meu pai e quando criança e adolescente devorava todos os seus volumes, lendo e relendo e me maravilhando. Mas grande parte do que aprendi ali hoje é tido, pela mesma ciência, como sem fundamento.

Quero introduzir aqui um alerta contra o hábito de se tentar provar a Criação pela ciência, algo que vem acontecendo com uma frequência cada vez maior na cristandade. É uma tendência tão sutil que muitos cristãos não estão percebendo para onde isso leva, que é justamente no rumo da apostasia, e foi o Senhor quem disse isso, não eu. Como assim?! Querer buscar na ciência provas da Criação poderia levar ao abandono da fé? Exatamente, pois somos exortados a "andar por fé, e não por vista" (2 Co 5:7), e eu me atreveria a dizer que isso inclui aprender como as coisas foram criadas.

Ao usar o termo "apostasia" não estou falando de perda de salvação ou de alguma heresia claramente nefasta como muitas que vêm sendo introduzidas na cristandade. Falo do risco que os cristãos correm de serem seduzidos a acreditar no caminho indicado pelo GPS da ciência para levá-los à resposta de quando e como o mundo foi criado. Você já passou pela experiência de confiar na ciência de seu GPS e acabar entrando em um bairro perigoso que fez suas mãos tremerem e suarem? Pois é, o GPS é a última bolacha do pacote em temos de geolocalização, mas mesmo assim já levou muita gente à morte.

Durante muitos anos eu mesmo fui seduzido pela ideia de buscar evidências científicas para comprovar o que a Bíblia diz, mesmo quando algo me dizia para não seguir por ali. Quando me converti o primeiro alerta me veio por meio de um dos livros que joguei no lixo: "E a Bíblia tinha razão — Como a ciência comprova os acontecimentos descritos na Bíblia", de Werner Keller. O livro é uma verdadeira armadilha, pois parece ser o que não é.

Não espere encontrar nele explicações bíblicas para a Bíblia, mas somente tentativas de desconstrução da fé para levar o leitor a acreditar que todos os milagres bíblicos teriam explicação científicas, portanto não seriam milagres coisa nenhuma. Sua abordagem é a mesma dos documentários de TV, que só querem que você acredite no sobrenatural quando tratam de experiências espiritualistas esotéricas, mas quando o assunto é Bíblia tentam provar tudo pela ciência, descartando a fé.

É possível que você até encontre em meus escritos e vídeos algumas de minhas incursões nesse território de tentar provar, pela ciência, as verdades bíblicas. São de uma época quando eu ainda não entendia o erro que isso é. Felizmente podemos aprender sempre, e o que tenho aprendido é que a Bíblia responde às questões que a Bíblia levanta. Quer uma prova bíblica incontestável de que não é a ciência ou as teorias da Evolução e Terra Jovem as ferramentas que devemos utilizar para "provar" a Criação?

"PELA FÉ entendemos que os mundos pela palavra de Deus foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente." (Hb 11:3).

Pronto, aí está todo o "GPS" de que você precisa para chegar a conclusões confiáveis quanto à Criação: . E quando eu digo que a cristandade, seduzida pela teoria criacionista da Terra Jovem e embalada por evidências científicas e arqueológicas de velhas e novas descobertas, segue o norte que leva à apostasia, aqui vai o que o próprio Senhor declarou. Ele falava do momento posterior à saída da Igreja deste mundo e imediatamente anterior à sua vinda para julgar as nações e estabelecer o seu Reino, quando apenas um pequeno remanescente estará aguardando pelo Messias..

"Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará FÉ na terra?" (Lc 18:8).

Assim estará a humanidade e os cristãos apóstatas naquele momento: todos crendo cegamente na ciência, chegando ao cume da escalada que a humanidade empreendeu nos últimos séculos. A pergunta retórica do Senhor é como o recheio de um sanduíche entre dois eventos: o primeiro, do versículo 1 ao 7, que fala de uma viúva insistente como aqueles que buscam com fé a resposta para seus anseios, como deve ser a oração ou "o dever de orar sempre, e nunca desfalecer" (Lc 18:1).

O outro evento fala de um fariseu confiante em sua própria capacidade de se justificar diante de Deus e desfilando o que acreditava serem grandes feitos aos olhos de Deus. O contraste é dado pelo publicano que, "estando em pé, de longe, nem ainda queria levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: O Deus, tem misericórdia de mim, pecador!" (Lc 18:13). O publicano tinha ZERO confiança própria e esperava, com fé, pela misericórdia de Deus.

Agora considere que Lucas, em seu evangelho, não descreve as coisas numa sequência cronológica, mas moral. E aonde o texto nos leva? Aos meninos dos versículos imediatamente posteriores, que os discípulos queriam impedir de ir a Jesus e são repreendidos: "Deixai vir a mim os meninos, e não os impeçais, porque dos tais é o reino de Deus." (Lc 18:16). A Bíblia não diz textualmente que devemos ter fé como a de uma criança, mas subentende isso em Marcos 10:15: "Em verdade vos digo que qualquer que não receber o reino de Deus como menino, de maneira nenhuma entrará nele.". Uma criança não precisa ver para crer, ela simplesmente acredita no que dizemos a ela.

Vou dar um exemplo de como buscar na própria Bíblia, e não na ciência, na cultura ou na tradição humana, as respostas para entender a Bíblia: "Pela fé entendemos que os mundos pela palavra de Deus foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente." Hb 11:3

A palavra "criados" no grego é "katartizo", a mesma usada em Mateus 4:21 e Marcos 1:19: "E, adiantando-se dali, viu outros dois irmãos, Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão, num barco com seu pai, Zebedeu, CONSERTANDO (KATARTIZO) as redes." (Mt 4:21).

O dicionário Strong define assim katartizo:
1) restituir, i.e. preparar, examinar, completar
1a) emendar (o que estava quebrado ou rachado), reparar
1a1) completar
1b) preparar, equipar, colocar em ordem, arranjar, ajustar
1b1) preparar ou ajustar para si mesmo
1c) eticamente: fortalecer, aperfeiçoar, completar, tonar-se no que se deve ser

Veja outro exemplo tirado da própria Bíblia: "Irmãos, se algum homem chegar a ser surpreendido nalguma ofensa, vós, que sois espirituais, ENCAMINHAI (KATARTIZO) o tal com espírito de mansidão; olhando por ti mesmo, para que não sejas também tentado" (Gl 6:1). Aqui o mesmo termo katartizo no original grego é traduzido em nossas Bíblias de diferentes maneiras, como "encaminhar" (ACF), "corrigir" (ARA) ou, em minha opinião a mais acertada, que é a da "Versão Brasileira: "restaurar" .

"Ora, sem fé é impossível agradar a Deus" (Hb 11:6), e eu acrescentaria também que é impossível entender a revelação que Deus dá em sua Palavra, que inclui a revelação da Criação do Universo em tempos imemoriais em Gênesis 1:1, sua ruína e o posterior aparelhamento ou "restauração" da Terra para servir de habitat para o homem. Paulo deixou claro aos Coríntios que não era com ciência e conhecimento humano que ele tinha ido até eles, mas em uma condição de nulidade dessas coisas, para que a fé deles não se baseassem na ciência dos homens. E Paulo era reconhecidamente um sábio em sua época e lugar, mas considerou sua bagagem humana refugo comparada ao conhecimento de Cristo.

"E eu estive convosco em fraqueza, e em temor, e em grande tremor. A minha palavra, e a minha pregação, não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder; para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus. Todavia falamos sabedoria entre os perfeitos; não, porém, a sabedoria deste mundo, nem dos príncipes deste mundo, que se aniquilam." (1 Co 2:3-6).

Bem que a busca por evidências científicas para provar a Bíblia poderia ser retrucada com o que Paulo diz aos Gálatas: "Sois vós tão insensatos que, tendo começado pelo Espírito, acabeis agora pela carne?" (Gl 3:3). Ali ele admoestava aqueles cristãos que queriam se justificar pelas obras humanas de obediência à Lei mosaica, mas eu não teria problemas em usar o mesmo versículo para os que usam de instrumentos de sabedoria humana para provar que a Palavra de Deus é verdadeira.

Sugiro a leitura do livro de Bruce Anstey "The Gap in Genesis 1: Is it a theory?" - Christian Truth Publishing. Lá tem muito mais sobre o assunto. É dele que extraio a seguinte passagem:

Gênesis 2:4 é um resumo divinamente inspirado da Criação. Diz: "Estas são as gerações dos céus e da terra, quando foram criadas, no dia em que o SENHOR Deus fez a terra e os céus". A obra de Deus é declarada duas vezes aqui. Primeiro, em conexão com o que Ele "criou" num passado sem data. (Repare que em Gênesis 1:1 os céus são mencionados antes da Terra, que é a ordem da criação). Então, em segundo lugar, a obra de Deus é declarada em conexão com as coisas que Ele "fez". (Repare que em Gênesis 1:3-31 a terra é mencionada antes dos céus, pois é a ordem da obra de Deus nos seis dias de reconstrução). Ao enfatizar essas coisas o Espírito de Deus estava claramente indicando que o relato da criação continha duas obras distintas de Deus. William Kelly conclui suas observações sobre este assunto, dizendo: "A ideia comumente aceita de se colocar a criação do mundo cerca de seis mil anos atrás é um mero erro crasso. A Bíblia não é de forma alguma responsável por tal ideia. Onde as Escrituras dizem qualquer coisa parecida com isso?" ("A Criação", W. Kelly). — Bruce Anstey "The Gap in Genesis 1: Is it a theory?"

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana