As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE assunto +mario persona NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

O que significa nunca mais ter consciencia de pecado?



https://youtu.be/XS9V6414F2M

Sua dúvida está na expressão encontrada no segundo versículo do capítulo 10 de Hebreus, ou seja, "nunca mais teriam consciência de pecado". Para entendermos é preciso ler o contexto dos três primeiros versículos: "Porque tendo a lei a sombra dos bens futuros, e não a imagem exata das coisas, nunca, pelos mesmos sacrifícios que continuamente se oferecem cada ano, pode aperfeiçoar os que a eles se chegam. Doutra maneira, teriam deixado de se oferecer, porque, purificados uma vez os ministrantes, nunca mais teriam consciência de pecado. Nesses sacrifícios, porém, cada ano se faz comemoração dos pecados." (Hb 10:1-3).

Encontrei um comentário de Hamilton Smith em seu livro sobre Hebreus que explica de forma simples e clara o que é nunca mais ter consciência de pecado, algo que infelizmente a maioria dos cristãos não consegue desfrutar por ainda não crerem na totalidade do valor da obra de Cristo. Para melhor compreender seu comentário sugiro que você abra sua Bíblia, leia o capítulo 10 de Hebreus inteiro, e volte a ler os versículos que cita sem transcrever. Hamilton Smith escreve:

O décimo capítulo da Epístola revela o caminho pelo qual o crente foi preparado para o céu. Sua consciência é purificada (vers. 1-18), para que ele possa agora entrar no santíssimo lugar em espírito (vers. 19-22), estar seguro em seu caminho através deste mundo sem hesitar ou voltar atrás (vers. 23-31), enfrentar a perseguição (vers. 32-34), e trilhar o caminho da fé (versículos 35-39).

Em Hebreus 9 aprendemos que um lugar no céu é assegurado a todo crente, não por qualquer coisa que o tenha feito, mas totalmente por meio da obra de Cristo e da posição que Cristo ocupa diante da face de Deus. Em Hebreus 10 aprendemos como essa mesma obra é aplicada à consciência do crente, a fim de que, mesmo aqui e agora, ele possa desfrutar e entrar em espírito nesse novo lugar. Para encontrar nosso lar com Cristo no próprio céu, é necessário ter uma consciência purificada. Os primeiros dezoito versículos de Hebreus 10 expõem claramente como esta consciência purificada é assegurada.

Em três passagens, em Hebreus 9 e 10, o apóstolo fala de uma consciência “perfeita” ou “purgada” ["purificada"]. Em Hebreus 9:9 ele afirma definitivamente que os sacrifícios dos judeus não podiam tornar o ofertante perfeito quanto à consciência. Novamente em Hebreus 9:14 lemos sobre a oferta perfeita de Cristo purificando a consciência de obras mortas para que o crente seja libertado para adorar o Deus vivo. Por último, em Heb 10:2, nos é dito que o adorador que tem uma consciência purificada é aquele que não tem mais consciência dos pecados. Aquele que tem uma consciência de pecados vive no temor de que Deus um dia o leve a julgamento por causa de seus pecados e, portanto, não possa desfrutar da paz com Deus. Não ter mais consciência dos pecados implica que esse medo do julgamento é removido, uma vez que Deus já lidou com todos os pecados do crente.

No entanto, embora Deus nunca irá levar o crente a julgamento por seus pecados, ele pode ter que lidar com sua correção se, como crianças, pecarmos (Hebreus 12:5-11). Uma consciência purificada não implica, portanto, que nunca pecamos, ou que nunca tenhamos a consciência do fracasso, seja passado ou presente, mas implica que todo temor de um julgamento futuro por causa de nossos pecados é inteiramente removido. Assim, uma consciência purificada não deve ser confundida com o que costumamos chamar de boa consciência. Se, por causa de um andar descuidado um verdadeiro crente falhar, sua consciência certamente ficará perturbada, e é somente pela confissão de seu pecado a Deus que ele recuperará uma boa consciência. Isso, no entanto, não toca a questão do perdão eterno de seus pecados, que lhe garante uma consciência purificada.

Segundo a lei, era impossível obter uma consciência “perfeita” ou "purificada". Os sacrifícios só podiam, no máximo, dar um alívio temporário. Cada novo pecado pedia um novo sacrifício. Se os sacrifícios pudessem dar uma consciência purificada eles não teriam sido repetidos. A lei mostrou, de fato, que um sacrifício era necessário para tirar os pecados, mas aqueles sacrifícios eram apenas uma sombra das coisas boas que haviam de vir, e não sua realidade. O sangue de touros e bodes nunca pode tirar pecados.

Como, então, é obtida uma consciência purificada? Os versículos seguintes respondem a essa pergunta, colocando diante de nós três grandes verdades:

Primeiro, a vontade de Deus nos versículo 5 ao 10; em segundo lugar, a obra de Cristo nos versículos 11 ao 14); e em terceiro lugar, o testemunho do Espírito nos versículos 15 a 18. — Hamilton Smith em "The Epistle to the Hebrews".

por Mario Persona


Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana