As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Pesquisar este blog

Carregando...

Voce segue os ensinos de Frank Viola e Wolfgang Simson?



https://youtu.be/tcR6L6HRxd4

Obrigado por escrever e fico contente por estar interessada nas mensagens que tenho colocado no Youtube. Não faço parte de nenhuma denominação religiosa. Sou convertido desde 1978 e há uns 30 anos me congrego com outros irmãos somente ao nome do Senhor Jesus. Fui pesquisar sobre os autores que mencionou e devo concluir que o modo de eu estar congregado somente ao nome do Senhor fora do sistema denominacional não tem quase nada a ver com o que pregam Frank Viola ou Wolfgang Simson.

Pesquisando na Internet encontrei o site de Wolfgang Simson que publicou 15 teses sobre o que ele pensa que o Espírito de Deus esteja dizendo à Igreja hoje, mas muitas de suas idéias não têm base bíblica e apenas tentam embasar uma nova maneira de cristãos se congregarem, como se já não tivéssemos um número suficiente de fórmulas para isso. A verdade é que a questão toda envolvendo o assunto "igreja" não está na forma, mas no conteúdo.

Wolfgam Simson diz que "Igreja é um modo de vida, não uma série de reuniões religiosas". Este é um engano cometido por muitos cristãos quando pensam na Igreja como algo para si mesmos. Basta lembrarmos que o Senhor Jesus chamou Sua Igreja de Seu corpo para vermos que não é algo para nós, mas para Ele. Acrescente a isso o que Jesus diz sobre a Igreja ser Sua noiva, e mais uma vez descobrimos que a Igreja não é um modo de vida, mas um organismo vivo que tem por objetivo a glória de Cristo. A razão da existência da Igreja é Cristo, não a própria.

Ele ainda afirma, em seu site, que "é hora de mudar o sistema", mas não é o primeiro e nem o único a propor mudança no sistema, mas a verdade é que Deus nunca nos manda mudar um sistema errado. Deus nos manda sair dele: 2 Tm 2:19 "Todavia, o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são seus, e qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniqüidade".

Quando entendemos que o sistema denominacional é iniquidade por dividir os cristãos por diferentes nomes e não reconhecer o senhorio de Cristo como a Cabeça da Igreja (elegendo em lugar dEle homens como "cabeças"), nossa obrigação é sairmos, não a uma nova forma de reunir, mas sairmos a Cristo. Em razão de o "arraial" judaico ter se corrompido, o Espírito Santo admoestou os judeus convertidos a saírem dele, mas saírem a Cristo, fora do "arraial" ou sistema organizado dos judeus. A cristandade organizada tomou o mesmo rumo de corrupção do sistema religioso que expulsou a Cristo, por isso a exortação também nos serve hoje.

Êx 33:7 E tomou Moisés a tenda, e a estendeu para si fora do arraial, desviada longe do arraial, e chamou-lhe a tenda da congregação; e aconteceu que todo aquele que buscava o SENHOR saía à tenda da congregação, que estava fora do arraial.
Heb 13:13 Saiamos, pois, a ele fora do arraial, levando o seu vitupério.

Simson chama seu movimento de "Terceira Reforma", uma afirmação que, além de pretensiosa, ignora o fato de que não há o que reformar e nem a Palavra de Deus nos fala de que algo será reformado. Quando entendemos que, na história do homem em relação a Deus, tudo o que começa bem acaba mal, ficamos cientes que assim será também com o testemunho da igreja neste mundo. Foi assim com as diferentes dispensações (ou maneiras de Deus tratar com o homem), como o Éden, Noé no mundo pós-diluviano, os israelitas e a Lei e a primeira vinda de Cristo. Do mesmo modo, a Igreja, que começou de forma gloriosa, está hoje, no que se refere ao seu testemunho neste mundo, em seus últimos estertores. Nosso estágio atual é Laodicéia, algo que Cristo está a ponto de vomitar de Sua boca. O arrebatamento dos crentes não virá com um certificado de "Missão Cumprida", infelizmente.

O autor diz que desde os tempos do Novo Testamento não existe uma "casa de Deus". Ele segue dizendo que a Igreja é o povo de Deus e que a Igreja "se sente em casa" onde as pessoas "estão em casas". Então termina dizendo que, ao se reunirem em casas, os cristãos "ganham uma nova identidade corporativa ao experimentarem amor, aceitação e perdão". Mais uma vez a idéia de "Igreja" como algo voltado para o umbigo, para o bem estar dos cristãos, como se fosse um clube. O foco está errado.

Ao escrever que "a igreja precisa ficar pequena para crescer e ficar grande" ele parece não entender que a Igreja já é grande: ela engloba TODOS os salvos por Cristo, e cresce quando mais pessoas são salvas. Como o autor parece propor apenas uma nova forma de cristãos se reunirem para o próprio bem estar, daí a idéia de que se reunindo em casas eles terão maior intimidade e consideração uns para com os outros. Nada disso tem base bíblica. Reunir em casas podia até ocorrer nos tempos neotestamentários, mas era apenas uma questão circunstancial, não uma doutrina deixada pelos apóstolos. A obrigação dos cristãos é seguir a doutrina dos apóstolos, não criar novos modelos de reunião.

Quando afirma que "nenhuma igreja é guiada por um único pastor", o autor está parcialmente correto em sua afirmação, mas parece sair dos trilhos quando continua explicando que as "casas-igrejas" estão ligadas em um movimento que combina anciãos e membros (clero e leigos?!) divididos em apóstolos, profetas, pastores, evangelistas e mestres que vão de casa em casa para exercer ministérios apostólicos e proféticos.

O problema é que a Palavra é clara ao apontar que apóstolos só existiram os 12 mais Paulo, os quais, juntamente com os profetas do Novo Testamento, formavam um grupo que não teve sucessão por terem servido como alicerce da casa de Deus, da qual Cristo é a Pedra angular. O que vem depois são pedras de paredes, não de alicerce, restando hoje apenas evangelistas, pastores e mestres. Ef 2:20 "...edificados sobre o fundamento (alicerce) dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina". Já temos o alicerce, não é preciso lançar outro. Em 1 Co 3:10 em diante mostra como se construir SOBRE o fundamento, não como lançar outro.

Como pode ver, o movimento divulgado pelos autores que mencionou simplesmente propõe um novo "modus operandi" para os cristãos, sem chegar ao cerne da questão. Sugiro que leia alguns comentários que escrevi sobre isso:

Devemos rasgar o Antigo Testamento?
O que significa adorar em espírito e verdade?
A cristandade está decadente?
A igreja não aparece no Antigo Testamento?
Se uma denominação prospera, como pode estar errada?
Devemos obedecer autoridade humana na igreja?
Como você entende a expresão "casa de Deus"?
Como se reunir sem um templo?
Reunir-se sem denominação não é criar uma nova denominação?
Quem pode ser chamado de bispo?
Como saber se um apóstolo é genuíno?
Como saber se uma igreja reconhece o senhorio de Cristo?
A obediência aos pastores é incondicional?
É possível ter fé sem pertencer a uma denominação?
Com que autoridade bíblica? Perguntas que não querem calar.
O que é um clérigo?
Devemos esperar a igreja voltar ao que era no início?
O que significa o arraial de Hebreus 13?
Qual é a hierarquia na igreja?
Devemos obedecer aos pastores?
É errado deixar de se congregar?
É possível congregar-se com desprendimento denominacional?
O que significa a palavra "igreja"?
O que significa reunir-se ao nome do Senhor?
Como os dons se manifestam na igreja?
Qual o verdadeiro lugar de adoração?
Quem deve liderar nas reuniões?
Você já pertenceu a alguma denominação?
Devo divulgar denominação?
Por que há tantas denominações?

Mais acessadas da semana