As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE assunto +mario persona NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Devo primeiro aprender a me amar para poder amar o próximo?



https://youtu.be/7a-d_6BZlmE

Você deve ter sido contaminado com uma bobagem dita por palestrantes motivacionais e até pregadores, que alegam que primeiro você deve se amar a si mesmo para depois amar seu próximo. Isso tem tudo a ver com a filosofia moderna e cada vez mais egoísta do "primeiro eu". Ora, se eu achar que primeiro devo amar a mim mesmo irei encontrar aí uma desculpa para nunca amar meu próximo, pois estarei sempre achando que falta ainda um pouco de amor para comigo.

Isso é como a insatisfação que leva à avareza, que é o amor ao dinheiro e prosperidade. Quando perguntaram ao bilionário John D. Rockefeller quanto dinheiro seria suficiente, sua resposta foi: "Só mais um pouquinho". Não é de surpreender que esse homem também tenha dito que "A melhor maneira de se ganhar dinheiro é comprando [ações] quando o sangue corre pelas ruas".

Alguns palestrantes motivacionais e pregadores ensinam essa bobagem de se ocupar com o amor ao próprio umbigo, antes de amar o próximo, partindo de uma interpretação míope do versículo:  "Amarás o teu próximo como a ti mesmo." (Mc 12:31). Para entender este versículo é preciso ler outros que falam do amor e também entender que neste ponto Jesus estava lidando com um judeu dentro dos parâmetros que a Lei havia estabelecido. E a Lei mosaica lidava com o homem na carne, feito para este mundo e com esperanças de continuar aqui.

No entanto a revelação de Deus ainda estava incompleta e uma nova criação introduziria um homem que é feito para o céu. Esse novo homem continua a viver momentaneamente em um corpo de carne, do qual deve cuidar, e em Efésios entendemos que esse cuidado com a própria pessoa deve ser estendido aos outros. Efésios dá uma pista do tipo de amor que agora devemos exercer. Ainda que ele leve em consideração o cuidado consigo mesmo como referência, trata-se de um amor muito mais elevado que só pode vir do alto: o amor de Cristo que esteve disposto a abrir mão de si mesmo em nosso favor.

"Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados; e andai em amor, como também Cristo vos amou, e se entregou a si mesmo por nós, em oferta e sacrifício a Deus, em cheiro suave... Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela." (Ef 5:1-2, 25).

E agora veja que interessante a reversão que o Espírito Santo revela quando comparamos o que a Lei dizia no Antigo Testamento com o que o Espírito diz a um marido: "Assim devem os maridos amar as suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo." (Ef 5:28).

É amando primeiro o próximo (neste caso aqui a própria esposa) que você estará amando a si mesmo, e não o contrário. Portanto pare de olhar para o próprio umbigo e erga os olhos para ver quantos estão necessitados de amor ao seu redor. Quando você diz que não consegue amar a si mesmo, a verdade é que você se ama sim, até demais! Você se ama tanto que não para de se preocupar em saber se é capaz de amar a si mesmo. Mas esse é um amor egoísta que não tem nada a ver com o amor de Cristo por nós. O que caracteriza o verdadeiro amor?

"O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta." (1 Co 13:4-7).

Em sua pergunta você mesmo matou a charada, quando escreveu: "Gostaria de saber como ter mais amor de Deus pelos nossos irmãos em Cristo e consequentemente pelo próximo". É por aí mesmo, é com o amor de Deus que você ama, não com seu amor próprio.

"Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor. Nisto se manifesta o amor de Deus para conosco: que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos. Nisto está o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados. Amados, se Deus assim nos amou, também nós devemos amar uns aos outros." (1 Jo 4:7-11).

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana