As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE assunto +mario persona NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Teria Deus se esquecido da China?



https://youtu.be/T2d2RrYIJf4

Você escreveu comentando que "o Antigo Testamento fala muito no povo do Egito. Mas há uma cultura muito mais antiga e rica, a dos chineses, que é como se não existisse. Nunca é mencionada na Bíblia. É missão do cristão disseminar a palavra de Deus. 'Ide a pregai ao mundo'. Mas devemos respeitar indianos, chineses, e outros orientais que não tiveram nossa formação.".

A Bíblia menciona sim esses povos e o versículo que você citou é prova disso: "Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura." (Mc 16:15). O Senhor tinha em mente "todo o mundo" e "toda criatura", o que inclui o mais remoto lugar do planeta. A questão é entender primeiro a que se destina a Bíblia e qual é o seu tema principal.

Tudo na Bíblia tem a ver com a ruína do homem e a graça de Deus em salvar o pecador, portanto seu tema principal é o Salvador, o Filho de Deus que deveria vir ao mundo, e depois efetivamente veio, para morrer por nossos pecados. Tudo o mais é periférico como uma imensa galáxia de povos que gira em torno de seu centro, o verdadeiro Homem segundo os propósitos de Deus: Jesus. “O testemunho de Jesus é o espírito de profecia” (Ap 19:10)

Para que esse Homem viesse ao mundo Deus anunciou que ele seria um descendente da mulher, não do varão: "E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar." (Gn 3:15). Tão logo Adão e Eva pecaram Deus anunciou as boas novas do Evangelho.

Um Homem descendente da mulher — distinto de outros seres humanos que descendem de um casal homem e mulher — seria tornado inválido pelo ataque da serpente que atacaria seu calcanhar. Uma antiga lenda grega nos legou a expressão "Calcanhar de Aquiles", usada como sinônimo do ponto fraco de alguém. Um soldado que tivesse o tendão do calcanhar rompido ficava inválido para a batalha.

O "ponto fraco", se podemos chamar assim, de nosso Senhor Jesus foi sua submissão ao Pai e seu amor por nós. Ele veio ao mundo disposto a ir até às últimas consequências para nos salvar, e isso incluía deixar que o inimigo, que é a antiga serpente, Satanás, atacasse seu ponto fraco ao ponto de torná-lo inválido pregado numa cruz.

Mas a própria mensagem evangelística proclamada ainda no Jardim do Éden indicava também que seria esse mesmo Homem quem esmagaria a cabeça da serpente, que é onde está seu veneno. Seria a vez dela ser tornada inválida.

"E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo; e livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão... Dando graças ao Pai que nos fez idôneos para participar da herança dos santos na luz; o qual nos tirou da potestade das trevas, e nos transportou para o reino do Filho do seu amor; em quem temos a redenção pelo seu sangue, a saber, a remissão dos pecados." (Hb 2:14-15; Cl 1:13-14).

Até aqui apenas para deixar muito claro para você que o tema principal da Bíblia é o "Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem." (1 Tm 2:5). Para esse Homem vir ao mundo Deus usaria, não "uma mulher" ou "uma virgem", como erroneamente aparecem em algumas traduções da Bíblia, mas "a mulher" e "a virgem", Maria. Esta mulher é a da passagem em Gênesis 3:15 — "porei inimizade entre ti e a mulher— e também de Isaías 7:14: "Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel.".

Mas essa mulher deveria vir da linhagem de uma das muitas famílias de seres humanos, e Deus escolheu justamente uma das menos relevantes, a família do nômade criador de gado Jacó, mesmo em um mundo onde já existiam pessoas e civilizações avançadas, como era a do Egito, Grécia, Assíria, China, Índia e talvez outras perdidas na poeira da história.

Ao escolher aqueles que não tinham qualquer relevância na civilização antiga Deus queria mostrar que a salvação viria daquele que surgiria "como raiz de uma terra seca; não tinha beleza nem formosura e, olhando nós para ele, não havia boa aparência nele, para que o desejássemos. Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum." (Is 53:2-3).

E assim foi até com o filho desprezado de Jacó, o jovem José que foi vendido por seus irmãos para ser escravo no Egito e chegar ao status de vice-rei daquela que era a nação mais poderosa da terra. Não é de surpreender que tudo na Bíblia gire em torno de Jesus e do povo para o qual ele inicialmente viria, pois "veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus." (Jo 1:11-13).

É aí que entra parte da resposta ao seu questionamento: Deus está formando para si um povo que não tem nada a ver com a linhagem humana a partir de Adão, o primeiro homem, mas sim com a linhagem do "segundo Homem" e "último Adão". (1 Co 15:45, 47). Havendo o primeiro homem, criado a partir da terra, fracassado, Deus colocou em cena o segundo homem que veio do céu.

Para essa nova humanidade ou criação não existe qualquer sentido em rotular alguém de chinês, alemão ou brasileiro. Todas essas designações da terra caem por terra porque Deus está agora formando um povo segundo o protótipo celestial que é Jesus ressuscitado. Sua ideia de que "devemos respeitar indianos, chineses, e outros orientais que não tiveram nossa formação" é o mesmo que dizer que devemos abandoná-los às suas idolatrias e à perdição diante deles.

É para que isso não aconteça que o Evangelho é pregado em todo o mundo a povos de todas as línguas, mesmo porque o mesmo Deus que dividiu os homens em diferente línguas e nações no evento da Torre de Babel em Gênesis, fez com que esses mesmos homens de diferentes línguas se entendessem no evento do Pentecostes em Atos 2 ao formar a Igreja.

Se colocar a ponta do compasso no Filho de Deus vivendo no Oriente Médio, imagine os círculos perdendo a intensidade à medida que se afastam desse ponto. Isso acontece porque eles vão ficando cada vez menos relevantes em sua relação com Aquele que é o assunto principal da Bíblia, mas isso não significa que Deus tenha se esquecido desses povos.

Por isso quer que o Evangelho chegue até eles e mesmo os que não forem alcançados neste período da Igreja que pode se encerrar a qualquer momento serão depois alcançados pela mesma graça que vem salvando desde o dia em que o Senhor Deus sacrificou um animal no Jardim do Éden para com sua pele cobrir a evidente nudez revelada pelo pecado de Adão e Eva e substituir o inútil avental de folhas que eles tinham feito para este fim.

Se você começar a estudar a profecia descobrirá coisas incríveis, como menção feita à China, chamada nos tempos do profeta Isaías de Sinim: "Eis que estes virão de longe, e eis que aqueles do norte, e do ocidente, e aqueles outros da terra de Sinim." (Is 49:12). São os chamados povos mongoloides, que descendem de Jafé, um dos filhos de Noé, e se espalharam pela Ásia quando houve a confusão de línguas e formação das diferentes nações que não existiam até Gênesis 10. A Dinastia Han, que durou de 206 AC até 220 DC, tem uma história tão bem documentada que menciona até o Dilúvio e a dispersão de Babel.

Quando o Senhor diz "Assim diz o SENHOR Deus: Eis que eu sou contra ti, ó Gogue, príncipe de Rôs, de Meseque e Tubal." (Ez 38:2) ele está falando de povos cuja terminologia atual vem desde a antiguidade, como Rússia (Rôs), Moscou (Meseque) e Tobolsk (Tubal), todos eles ocupando o atual leste europeu.

Mas se esses povos são citados na Bíblia é porque terão um papel importante em sua relação com o Senhor e com Israel no futuro. Outros, provavelmente até as Américas, Austrália e povos não fisicamente ligados ao Oriente Médio — "as ilhas do mar" — também serão abençoados em sua relação com Israel, que será restaurado à sua terra para o reino milenial de Cristo num mundo restaurado.

"E acontecerá naquele dia que a raiz de Jessé, a qual estará posta por estandarte dos povos, será buscada pelos gentios; e o lugar do seu repouso será glorioso. E há de ser que naquele dia o Senhor tornará a por a sua mão para adquirir outra vez o remanescente do seu povo, que for deixado, da Assíria, e do Egito, e de Patros, e da Etiópia, e de Elã, e de Sinar, e de Hamate, e das ilhas do mar." (Is 11:10-11).

Você disse que é professor, mas não especificou a disciplina. Mesmo assim todo bom professor tem costume de ler e estudar, e aí está um vasto campo para você agora se aventurar. Mas antes disso é preciso saber se realmente confia em Deus e em sua Palavra como sendo perfeita. Também é preciso saber se já tem a certeza do perdão de seus pecados pela fé em Cristo e de seu destino eterno. Caso contrário tudo o mais será em vão. Por isso sugiro que creia de verdade naquele que é a ponta do compasso com o qual Deus lida com todos os povos do planeta, JESUS.

"Deus derramou abundantemente sobre nós em toda a sabedoria e prudência, desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo, DE FAZER CONVERGIR NELE, na dispensação da plenitude dos tempos, todas as coisas, tanto as do céu, como as da terra" (Ef 1:8-10).

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana