As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE assunto +mario persona NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Um crente poderia apostatar da fe'?



https://youtu.be/6JW-tV2PLCI

Você pergunta se um verdadeiro crente poderia ter sua consciência cauterizada e apostatar da fé. A resposta rápida é não, de maneira alguma. Muitos não entendem que um verdadeiro crente é alguém que foi eleito e predestinado por Deus antes da fundação do mundo e que só chegou a Cristo porque o Pai o deu ao Filho para ser salvo. Ou seja, sem você saber existe toda uma história que aconteceu nos bastidores envolvendo o Pai, o Filho e o Espírito Santo até que você chegasse a ouvir o evangelho, crer em Jesus e ser selado com o Espírito Santo.

Sua história de salvação começou muito antes de existir o Universo ou qualquer ser humano. Veja que declaração preciosa Paulo nos dá por revelação: "Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor; e nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade, para louvor e glória da sua graça, pela qual nos fez agradáveis a si no Amado, em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça." (Ef 1:4-7).

Sim, eu sei que uma declaração assim gera uma série de perguntas, muitas das quais eu mesmo nem saberia ou me atreveria a responder, porque fazem parte das "as riquezas incompreensíveis de Cristo" (Ef 3:8). O cristão aceita a Palavra de Deus pela fé, não por conseguir destrinchá-la e provar cada vírgula dela. É como almoçar: eu e você não fazemos ideia dos processos químicos e físicos envolvidos na degustação e digestão, mas almoçamos mesmo assim.

Então quando você entende que a sua salvação começou nos tabernáculos eternos antes mesmo de existir espaço, matéria e tempo, fica mais fácil aceitar que é tudo pela fé. "As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, E não subiram ao coração do homem, São as que Deus preparou para os que o amam." (1 Co 2:9). "Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora... Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia." (Jo 6:37, 44).

Acredito que estas passagens sejam suficiente para uma alma simples entender que sua salvação não foi uma escolha de sua parte, mas de Deus. Mesmo porque, do homem natural é dito que "Não há ninguém que entenda; Não há ninguém que busque a Deus." (Rm 3:11). Então quando alguma partícula qualquer da Palavra de Deus alcançou seus ouvidos, o Espírito Santo lhe capacitou a ouvir. "De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus." (Rm 10:17).

Se você deixou de ser um morto em delitos e pecados aos olhos de Deus, e passou a ansiar por salvação, isso foi por ter nascido do alto, de Deus, pelo Espírito e pela água da Palavra. É disso que Jesus fala a Nicodemos no capítulo 3 de João. Capacitado assim a sentir o peso de seus pecados e clamar por perdão, você ouviu o evangelho claro que se resume em Cristo morreu, Cristo ressuscitou, Cristo subiu ao céu e Cristo voltará. Então creu e recebeu o selo do Espírito Santo que é a garantia de sua salvação.

"Cristo... Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa. O qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão adquirida, para louvor da sua glória." (Ef 1:13-14).

Achei importante dar a você este preâmbulo pois existem muitos cristãos que acreditam poder perder a salvação se não perseverarem ou fizerem qualquer coisa que faça deles  merecedores. Ora, se fizermos qualquer coisa para obter ou manter nossa salvação ela já não é por graça, mas por esforço. Se isso ficou bem claro para você, passamos para sua dúvida, que é saber se um crente genuíno poderia apostatar da fé.

Pedro, no segundo capítulo de sua segunda epístola, falava de apóstatas, em especial daqueles que se posicionam como líderes na cristandade sem nunca terem realmente se convertido a Cristo, mas que assumiam tal posição para satisfazer a própria carne. "Assim como, no meio do povo, surgiram falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos mestres, os quais introduzirão, dissimuladamente, heresias destruidoras, até ao ponto de renegarem o Soberano Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição." (2 Pe 2:1).

Repare que eles se introduziriam entre os verdadeiros cristãos para disseminar "heresias destruidoras". Quando você lê "...até ao ponto de renegarem o Soberano Senhor que os resgatou" entenda que isto é no sentido de Jesus ter pago por seu resgate também, apesar de eles mesmos nunca terem se beneficiado disso. É como quando um governo paga o resgate de dez reféns da guerrilha e quando vai buscá-los só encontra oito ou nove, porque um ou dois decidiram ficar morando com os guerrilheiros. O governo os resgatou com o montante pago também por eles, mas não quiseram aceitar a libertação.

Pedro continua dizendo que "muitos seguirão as suas práticas libertinas, e, por causa deles, será infamado o caminho da verdade" (2 Pe 2:2). Acaso não é isso o que mais se vê em nossos dias, a difamação do "caminho da verdade"? Fale do evangelho da graça de Deus a um incrédulo e ele logo jogará na sua cara toda a sordidez praticada por esses falsos mestres e pregadores de prosperidade ávidos por riquezas e prazeres da carne.

Hoje é difícil apresentar a Verdade a pessoas que acham que a mensagem pura do Evangelho é a mesma coisa que a manipulação desses pregadores do rádio, TV e velhos cinemas transformados em "igrejas". É disso que fala também o versículo seguinte: "Também, movidos por avareza, farão comércio de vós, com palavras fictícias; para eles o juízo lavrado há longo tempo não tarda, e a sua destruição não dorme." (2 Pe 2:3).

Depois de falar do juízo que lhes espera, Pedro volta ao assunto do que é realmente o interesse desses homens e mulheres, que nada têm de misericórdia cristã, mas querem apenas comer a gordura de suas presas para satisfazer suas "imundas paixões". Se você já viu algum deles tratando Satanás com impropérios saberá que é disto que Pedro fala.

"Especialmente aqueles que, seguindo a carne, andam em imundas paixões e menosprezam qualquer governo. Atrevidos, arrogantes, não temem difamar autoridades superiores, ao passo que anjos, embora maiores em força e poder, não proferem contra elas juízo infamante na presença do Senhor. Esses, todavia, como brutos irracionais, naturalmente feitos para presa e destruição, falando mal daquilo em que são ignorantes, na sua destruição também hão de ser destruídos." (2 Pe 2:10-12).

Nos versículos seguintes Pedro mostra que esses falsos mestres estão confortavelmente instalados na cristandade "enquanto banqueteiam junto convosco", se regalando em "suas próprias mistificações". O dicionário define "mistificação" como "ato ou efeito de enganar alguém, de induzi-lo a crer em uma mentira; ludíbrio, farsa, embuste". É exatamente o que você mais vê nos movimentos atuais de renovação carismática, pentecostalismo e teologia da prosperidade. A sentença Pedro revela a seguir:

"...recebendo injustiça por salário da injustiça que praticam. Considerando como prazer a sua luxúria carnal em pleno dia, quais nódoas e deformidades, eles se regalam nas suas próprias mistificações, enquanto banqueteiam junto convosco." (2 Pe 2:13).

Se de um lado você tem os falsos mestres, com suas consciências naturais cauterizadas e buscando diferentes  maneiras de enganar, por outro você tem seus seguidores, "almas inconstantes", que pulam de um lado para outro sempre buscando novidades e novos mestres, como sentindo "coceira nos ouvidos".

Pedro descreve os falsos mestres como "tendo os olhos cheios de adultério e insaciáveis no pecado, engodando almas inconstantes, tendo coração exercitado na avareza, filhos malditos; abandonando o reto caminho, se extraviaram, seguindo pelo caminho de Balaão, filho de Beor, que amou o prêmio da injustiça ( recebeu, porém, castigo da sua transgressão, a saber, um mudo animal de carga, falando com voz humana, refreou a insensatez do profeta )." (2 Pe 2:14-16).

A referência a Balaão é significativa, pois ele foi o que se vendeu para fazer desviar os filhos de Israel. Quando não conseguiu fazer isso profetizando contra Israel, porque Deus não lhe permitiu, conseguiu desviar o povo de outro modo, fazendo com que os filhos de Israel se prostituíssem com mulheres idólatras e seguissem seus costumes. Leia a história toda em sua Bíblia em Número, capítulos 22 a 25 e também em Números 31:16.

Mais uma vez Pedro fala dos que os seguem, que são pessoas encantadas e atraídas pela as "palavras jactanciosas de vaidade" (você já viu como esses pregadores se jactam de serem os maiores, os mais ricos, os mais capazes e poderosos?). Suas técnicas de manipulação são escravizadoras e por isso conseguem oprimir e manter em suas algemas os que lhes dão ouvidos.

"Esses tais são como fonte sem água, como névoas impelidas por temporal. Para eles está reservada a negridão das trevas; porquanto, proferindo palavras jactanciosas de vaidade, engodam com paixões carnais, por suas libertinagens, aqueles que estavam prestes a fugir dos que andam no erro, prometendo-lhes liberdade, quando eles mesmos são escravos da corrupção, pois aquele que é vencido fica escravo do vencedor." (2 Pe 2:17-19).

Agora Pedro fala de uma característica deles, que é a de terem CONHECIDO o Senhor, mas nem por isso terem se convertido de fato. Conhecimento é algo que se adquire estudando e armazenando informação no cérebro, porém a verdadeira fé é obra do Espírito de Deus no coração, como eu expliquei no início.

"Portanto, se, depois de terem escapado das contaminações do mundo mediante o CONHECIMENTO do Senhor e Salvador Jesus Cristo, se deixam enredar de novo e são vencidos, tornou-se o seu último estado pior que o primeiro. Pois melhor lhes fora nunca tivessem CONHECIDO o caminho da justiça do que, após CONHECÊ-LO, volverem para trás, apartando-se do santo mandamento que lhes fora dado. Com eles aconteceu o que diz certo adágio verdadeiro: O cão voltou ao seu próprio vômito; e: A porca lavada voltou a revolver-se no lamaçal." (2 Pe 2:20-22).

Depois de uma descrição assim tão explícita você já deve ter percebido que um apóstata jamais eria alguém que um dia foi salvo por Cristo, pois um verdadeiro crente jamais irá apostatar, já que é nascido de Deus. Nada pode mudar essa sua nova posição de filho de Deus e nada pode invalidar o sangue que limpou seus pecados.

Um apóstata, por outro lado, é alguém que apenas CONHECEU a verdade em seu cérebro, mas não creu em seu íntimo. Para este existe a possibilidade de apostatar ou abandonar a verdade, já que ela nunca foi realmente dele. Outra característica deles é a de pregarem e praticarem tantas mentiras que acabam acreditando nelas, o que pode ser descrito como uma cauterização da consciência.

"Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm cauterizada a própria consciência." (1 Tm 4:1-2).

A passagem que fala de consciências cauterizadas está se referindo a apóstatas, não a crente. Mas um crente pode também ficar habituado a pecar, mas no final sua consciência nunca lhe deixará sossegado porque o Espírito que habita nele será entristecido. Isto é o que faz a diferença entre um crente e um incrédulo: ser habitação do Espírito Santo, que tem ciúme do crente e irá sempre incomodar sua consciência quando caminhar de modo desagradável a Deus. É disso que fala Tiago na passagem a seguir:

"Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus. Ou supondes que em vão afirma a Escritura: É com ciúme que por nós anseia o Espírito, que ele fez habitar em nós? Antes, ele dá maior graça; pelo que diz: Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes. Sujeitai-vos, portanto, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós. Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós outros. Purificai as mãos, pecadores; e vós que sois de ânimo dobre, limpai o coração. Afligi-vos, lamentai e chorai. Converta-se o vosso riso em pranto, e a vossa alegria, em tristeza. Humilhai-vos na presença do Senhor, e ele vos exaltará." (Tg 4:4-10).

http://definicoesdoutrinais.blogspot.com.br/2017/05/apostasia.html

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana