As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE assunto +mario persona NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Voce poderia me batizar?



https://youtu.be/0bkqrccTL4o

Algumas pessoas me escrevem dizendo que gostariam de serem batizadas por mim, e perguntando se isso seria possível. Depois que explico que qualquer irmão pode batizá-la e que não existe nada de especial na pessoa que batiza, a pessoa, habituada ao sistema religioso, às vezes toma por rude minha resposta e me considera mal educado.

É um engano pensar que exista qualquer poder na pessoa que batiza. Aparentemente alguns cristãos de Corinto estavam considerando quem batizava como sendo uma pessoa especial a quem deveriam honrar acima de outros irmãos. É o que transpira da explicação de Paulo ao deixar claro que não tinha batizado nenhum em seu próprio nome. A passagem também mostra o grave engano que é pensar que o batismo seja condição necessária à salvação, pois Paulo certamente não teria deixado de batizar se isso fosse parte integrante do Evangelho e da salvação eterna.

"Porque a respeito de vós, irmãos meus, me foi comunicado pelos da família de Cloé que há contendas entre vós. Quero dizer com isto, que cada um de vós diz: Eu sou de Paulo, e eu de Apolo, e eu de Cefas, e eu de Cristo. Está Cristo dividido? foi Paulo crucificado por vós? ou fostes vós batizados em nome de Paulo? Dou graças a Deus, porque a nenhum de vós batizei, senão a Crispo e a Gaio, para que ninguém diga que fostes batizados em meu nome. E batizei também a família de Estéfanas; além destes, não sei se batizei algum outro. Porque Cristo enviou-me, não para batizar, mas para evangelizar; não em sabedoria de palavras, para que a cruz de Cristo se não faça vã." (1 Co 1:11-17).

É importante não apenas entender que devemos deixar para trás os sistemas religiosos, mas também a exaltação de homens que é comum encontrar neles. Na igreja de Deus ninguém beija anel de ninguém, ninguém se prostra diante de homens, ninguém faz homenagens e celebrações cheias de pompa como "Aniversário de Pastor", e produz troféus, medalhas e placas de louvor a homens. Somos todos iguais em nossa condição de pecadores salvos por Cristo. A exaltação de homens é um dos embriões das divisões e não passa de carnalidade, como já estava acontecendo em Corinto.

"E eu, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a meninos em Cristo. Com leite vos criei, e não com carne, porque ainda não podíeis, nem tampouco ainda agora podeis, porque ainda sois carnais; pois, havendo entre vós inveja, contendas e dissensões, não sois porventura carnais, e não andais segundo os homens? orque, dizendo um: Eu sou de Paulo; e outro: Eu de Apolo; porventura não sois carnais? Pois, quem é Paulo, e quem é Apolo, senão ministros pelos quais crestes, e conforme o que o Senhor deu a cada um? Eu plantei, Apolo regou; mas Deus deu o crescimento. Por isso, nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento." (1 Co 3:1-7).

Portanto, se você não quiser agir de maneira carnal, não exalte um irmão em detrimento de outros. A "rasgação de seda" ou bajulação é uma prática constante nas denominações cristãs e as pessoas não percebem o quanto isso é de origem maligna e causa danos à pessoa bajulada, aos que não são bajulados e acham que deveriam ser, e aos irmãos em geral.

Um dos primeiros choques que levei no sistema denominacional aconteceu num culto de uma Igreja Batista em Brasília. Eu era recém convertido, e embora não tivesse me filiado oficialmente a alguma denominação, estava tendo meus primeiros contatos com o sistema religioso denominacional. Fiquei enojado com o que vi ali.

Era um culto de despedida de um pastor para dar boas vindas ao seu sucessor. Cada vez era um que subia ao púlpito para elogiar o outro por tudo o que fez por aquela igreja ou em sua carreira, e isso sucessivamente. Via dois homens se lambuzando de louvores mútuos enquanto o Senhor ficava de fora. Eu sedento de ouvir a Palavra de Deus fiquei o tempo todo me perguntava se ninguém ali iria exaltar a Cristo.

Por esta razão chego a ser rude quando vejo alguém querendo me exaltar pelo trabalho que faço de evangelização. Se esse alguém me conhecesse como eu me conheço ficaria bem longe de mim e do erro que é exaltar a homens nas coisas de Deus. Costumamos citar irmãos e autores usados por Deus como referência, nos impressionamos com suas biografias, mas não devemos de modo algum colocá-los em algum pedestal.

Neste exato momento Deus está usando pessoas que nem imaginamos que existam ou sejam importantes na obra de Deus. Quiçá aquela irmã bem velhinha que vive em constante oração para que o trabalho dos que pregam tenha fruto seja a que irá receber no céu um galardão maior que o de muitos pregadores conhecidos mundialmente..

"Portanto, nada julgueis antes de tempo, até que o Senhor venha, o qual também trará à luz as coisas ocultas das trevas, e manifestará os desígnios dos corações; e então cada um receberá de Deus o louvor." (1 Co 4:5).

No céu vamos conhecer quem realmente foi digno de louvor, mas lá é de Deus que receberão o louvor, não de homens. Quando Jesus disse que os que faziam longas orações e pregações nas praças buscando o louvor de homens já receberam o que buscavam, ele quis dizer que esses já tinham recebido o louvor de homens, que era só o que lhes interessava.

"E, quando orares, não sejas como os hipócritas; pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas, e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão." (Mt 6:5).

A exaltação ou o elogio rasgado feito a alguém nas coisas do Senhor não apenas demonstra falta de entendimento de quem elogia e exalta homens, mas pode ser um tropeço para o elogiado. Uma vez escutei o caso de um irmão que, depois de pregar, foi elogiado de forma desmedida por uma irmã que falou maravilhas dele e de sua pregação. Sua resposta foi: "Obrigado, irmã, mas o diabo já me sussurrou tudo isso ali atrás".

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana