As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE assunto +mario persona NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Como pode a assembleia julgar alguem?



https://youtu.be/DoBfc6bopHk

Você escreveu dizendo ter ficado decepcionada quando me ouviu dizer que os que desejarem participar da ceia do Senhor precisam ser antes examinados pela assembleia para serem aceitos. Você lembrou que a Bíblia diz que a pessoa deve examinar-se a si mesma, e indaga como poderia assembleia querer verificar a idoneidade de alguém. O versículo que citou é este: "Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e ASSIM COMA deste pão e BEBA deste cálice." (1 Co 11:28).

Repare que a passagem não diz "assim decida se deve ou não comer e beber", mas é imperativa, uma ordem no sentido de "assim examinado coma e beba". O versículo não deixa margem para não comer ou beber, porque se a pessoa estiver em um pecado grave nem deveria ter chegado ali. Mas se chegou e foi adiante, mantendo oculto o seu pecado, ficará sujeita ao escrutínio e julgamento do Senhor, não mais da assembleia à qual ela quis evitar confessar. Sempre que tentamos pular uma camada de autoridade, como é a autoridade delegada pelo Senhor à assembleia congregada ao seu nome, somos levados para uma instância superior, e por isso a continuação da passagem mostra consequências solenes para pecado não julgado.

"Porque o que come e bebe indignamente, come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor. Por causa disto há entre vós muitos fracos e doentes, e muitos que dormem [que morreram]. Porque, se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados. Mas, quando somos julgados, somos repreendidos pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo." (1 Co 11:29-32).

Em Mateus 18 vemos o Senhor delegando à assembleia sua autoridade para julgar e tomar decisões na terra (ligar) e reverter decisões tomadas (desligar). Se digo a meu filho para ligar uma máquina ou desligá-la estou confiando que ele saberá fazer isso da maneira correta. Assim é a autoridade que a assembleia recebeu do Senhor, ela é reconhecida no céu, apesar de muitas vezes ser falha na terra. O princípio da autoridade está por toda parte: o guarda de trânsito pode me multar injustamente e ainda assim eu devo me submeter à sua autoridade.

A autoridade do Senhor não é delegada a quaisquer dois ou três ou mais cristãos que se encontrem em um lugar ao mesmo tempo, mas a dois ou três congregados ao seu nome reconhecendo essa autoridade. Digo isto porque da passagem de Mateus 18 você poderá ver que antes de aqueles irmãos levarem o assunto ao que o Senhor chamou de igreja ou assembleia, eles já eram dois ou três, mas não tinham a autoridade que tem a igreja ou assembleia:

"Ora, se teu irmão pecar contra ti, vai, e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, ganhaste a teu irmão; mas, se não te ouvir, leva ainda contigo um ou dois, para que pela boca de duas ou três testemunhas toda a palavra seja confirmada. [repare que aqui já são dois ou três, mas não têm o caráter de uma assembleia instituída com autoridade do Senhor para deliberar] E, se não as escutar, dize-o à igreja; e, se também não escutar a igreja, considera-o como um gentio e publicano. Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu. Também vos digo que, se dois de vós concordarem na terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus. Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles." (Mt 18:15-20).

Tratando agora da Mesa do Senhor e da Ceia do Senhor (sim, são dois aspectos que você poderá pesquisar), imagine uma situação assim:

Você está sentada para participar da ceia do Senhor e aí um ateu de sua cidade se senta ao seu lado para fazer o mesmo. Depois entra um satanista, aí vem uma feiticeira, uma quiromante e por aí vai. Pessoas das mais variadas religiões ditas cristãs também chegam algumas com crenças tão anti-bíblicas quanto negar a divindade de Cristo, a Trindade, a salvação pela fé etc.

Então começam a chegar prostitutas, ladrões, traficantes, assassinos, procurados pela polícia e até pedófilos. Não são pessoas com pecados ocultos, mas notórios transgressores das leis e também da vontade de Deus. Você participaria de uma ceia onde eles simplesmente julgassem a si mesmos, ou será que seria melhor antes conhecer as pessoas que querem participar daquela comunhão?

Evidentemente a todos eles você daria as boas vindas para escutar a mensagem do Evangelho da salvação, pois é a pecadores em geral que ela é dirigida. Mas quando falamos da ceia do Senhor estamos falando da comunhão dos que foram salvos pela fé em Jesus, não dos "de fora" como Paulo chama em 1 Coríntios 5:13. Assim como você poderia encontrar todos eles num restaurante da cidade, para estar à mesa de sua casa você seria seletiva na hora de convidar.

Portanto acostume-se com a ideia de que, se no evangelho todos são bem-vindos, mas na comunhão à mesa do Senhor existem critérios para participar. Quando o Senhor instituiu a ceia ele não postou no Twitter convidando todo mundo, mas escolheu a dedo os que iriam participar. Também foi bem criterioso quanto a onde os discípulos deviam estar e da maneira como deveriam chegar lá. Tudo foi muito bem planejado e ordenado.

E quando Paulo escreveu o capítulo 5 de sua Primeira Carta aos Coríntios, dando a maior bronca por aqueles cristãos ali estarem comendo com um que dormia com a madrasta, ele deixou claro que era preciso expulsar da comunhão aquele malfeitor, o que claramente mostra que não era qualquer um que poderia participar da mesma comunhão. O lugar de comunhão é representado pela mesa do Senhor e é necessário ter critérios na recepção a essa mesa. Repare que Paulo mencionou que eles deviam ter especial atenção para com os que "dizendo-se irmãos" levavam uma vida devasse e que nem comessem com eles.

"Já por carta vos tenho escrito, que não vos associeis com os que se prostituem; isto não quer dizer absolutamente com os devassos deste mundo, ou com os avarentos, ou com os roubadores, ou com os idólatras; porque então vos seria necessário sair do mundo. Mas agora vos escrevi que não vos associeis com aquele que, dizendo-se irmão, for devasso, ou avarento, ou idólatra, ou maldizente, ou beberrão, ou roubador; com o tal nem ainda comais." (1 Co 5:9-11).

Uma vez recebi um e-mail de um irmão expressando seu desalento por ter de participar da ceia sentado ao lado de um homem que era conhecidamente pedófilo. Como onde ele congregava era deixado para cada um examinar-se a si mesmo, e também por ser aquele homem respeitado como um ancião entre eles, ninguém tomava qualquer providência. Nem de denunciá-lo à polícia, nem de impedi-lo de participar da comunhão.

Você pode encontrar mais sobre os critérios de recepção de alguém à mesa do Senhor para participar da ceia no livro "A Ordem de Deus", de Bruce Anstey.

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana