As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE assunto +mario persona NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Que animais eram o Beemote e Leviatan?


https://youtu.be/ctkOx7Sp4yQ

Você escreveu perguntando que animais teriam sido o beemote e o leviatã, que são citados em Jó 40:15 e 41:1. A passagem toda que descreve o beemote é esta:

"Contemplas agora o beemote, que eu fiz contigo, que come a erva como o boi. Eis que a sua força está nos seus lombos, e o seu poder nos músculos do seu ventre. Quando quer, move a sua cauda como cedro; os nervos das suas coxas estão entretecidos. Os seus ossos são como tubos de bronze; a sua ossada é como barras de ferro. Ele é obra-prima dos caminhos de Deus; o que o fez o proveu da sua espada. Em verdade os montes lhe produzem pastos, onde todos os animais do campo folgam. Deita-se debaixo das árvores sombrias, no esconderijo das canas e da lama. As árvores sombrias o cobrem, com sua sombra; os salgueiros do ribeiro o cercam. Eis que um rio transborda, e ele não se apressa, confiando ainda que o Jordão se levante até à sua boca. Podê-lo-iam porventura caçar à vista de seus olhos, ou com laços lhe furar o nariz?" (Jó 40:15-24).

Alguns animais terrestres poderiam ser classificados como herbívoros, de grande força nos lombos, ossos grandes e fortes como metal, e provido de "espada", que pode significar um búfalo como o africano, que poucos sabem ser um animal perigosíssimo, ou um rinoceronte. Mas quando fala de ter seu esconderijo nas "canas" e na "lama" podemos pensar no hipopótamo, mas não saberia dizer se hipopótamos, que possuem grandes presas, teriam existido no rio "Jordão", também citado na passagem.

Já a passagem completa sobre o leviatã vem no capítulo seguinte: "Poderás tirar com anzol o leviatã, ou ligarás a sua língua com uma corda? Podes por um anzol no seu nariz, ou com um gancho furar a sua queixada? Porventura multiplicará as súplicas para contigo, ou brandamente falará? Fará ele aliança contigo, ou o tomarás tu por servo para sempre? Brincarás com ele, como se fora um passarinho, ou o prenderás para tuas meninas? Os teus companheiros farão dele um banquete, ou o repartirão entre os negociantes? Encherás a sua pele de ganchos, ou a sua cabeça com arpões de pescadores? Põe a tua mão sobre ele, lembra-te da peleja, e nunca mais tal intentarás. Eis que é vã a esperança de apanhá-lo; pois não será o homem derrubado só ao vê-lo? Ninguém há tão atrevido, que a despertá-lo se atreva..." (Jó 41:1-10).

Seria o leviatã um crocodilo, já que a passagem fala de um animal aquático que eventualmente alguém poderia tentar pescar? O crocodilo é um forte candidato, pois tem uma couraça difícil de ser rompida por arpões e anzóis. Mas considerando que as duas passagens falam de animais impossíveis de serem domados pelo homem, talvez a Palavra de Deus não esteja querendo que você aprenda zoologia lendo estas passagens. Por isso prefiro dizer que não sei ou não tenho certeza de que animais seriam eles, ou até se teriam sido animais reais de tempos imemoriais, como os dinossauros, ou até mesmo animais míticos que poderiam povoar as lendas dos tempos de Jó, como eram os dragões da mitologia oriental.

O que Deus realmente estava fazendo ao citar os dois animais era querer tirar da boca de Jó a palavra "Não", para mostrar toda a sua incapacidade. Imagine Deus falando e Jó, em pensamento, respondendo. "Podê-lo-iam porventura caçar à vista de seus olhos, ou com laços lhe furar o nariz? [Não!]. Poderás tirar com anzol o leviatã, ou ligarás a sua língua com uma corda? [Não!]. Podes por um anzol no seu nariz, ou com um gancho furar a sua queixada? [Não!].". E assim por diante. Repare que na última pergunta o Senhor emenda com algo que muda completamente o assunto: "Eis que é vã a esperança de apanhá-lo; pois não será o homem derrubado só ao vê-lo?Ninguém há tão atrevido, que a despertá-lo se atreva; quem, pois, é aquele que ousa erguer-se diante de mim?" (Jó 41:9-10).

A todas as questões Jó precisou responder "Não! Não! Não! Não!...". O objetivo era este, dar a Jó o que poderíamos chamar de um atestado de ignorância, antes que ele pudesse conhecer realmente a Deus e a insanidade que era questionar seus desígnios. Foi só depois desse tratamento de choque que Jó conseguiria dizer no capítulo 42:

"Bem sei que tudo podes, e nenhum dos teus planos pode ser frustrado. Quem é aquele, como disseste, que sem conhecimento encobre o conselho? Na verdade, falei do que não entendia; coisas maravilhosas demais para mim, coisas que eu não conhecia. Escuta-me, pois, havias dito, e eu falarei; eu te perguntarei, e tu me ensinarás. Eu te conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos te vêem. Por isso, me abomino e me arrependo no pó e na cinza." (Jó 42:1-6).

Você irá entender o que Deus estava fazendo com Jó quando eu der aqui um exemplo de nossa cultura popular que você certamente conhece, e espero que não interprete isso como linguagem chula ou uma tentativa de baixar o nível do que estamos conversando aqui. Ao menos na região onde moro, costumamos usar uma pergunta para desmontar os que se dizem entendidos em tudo, e a pergunta é: "Sabe por que a cabra defeca bolinhas?". Quando a pessoa responde "Não!" concluímos: "Você não entende nem de esterco e quer entender deste assunto?". Em termos práticos é exatamente o que Deus está fazendo com Jó. Este questionava a razão de tudo o que acontecera com ele, como se fosse possível ter um conhecimento tão amplo de Deus ao ponto de entender todas as questões desta vida.

Portanto, dúvidas como a sua sobre que animais representariam o beemote e o leviatã, se eram realmente animais ou seres da mitologia conhecida nos tempos de Jó, como hoje falamos do Saci Pererê, Branca de Neve, etc., talvez você possa pesquisar na Web, em enciclopédias etc. Lá também encontrará a etimologia ou origem dos nomes, mas já posso lhe adiantar que isso nada acrescentará ao seu conhecimento espiritual da Palavra de Deus. Não passam de curiosidades e conhecimento secular. Muita gente confunde conhecimento bíblico com conhecimento científico, cultural, geográfico, histórico, arqueológico, sociológico etc. dos assuntos bíblicos. Embora todos os seres humanos tenham um maior ou menor grau de conhecimento secular, não é este que irá levar o homem ao conhecimento de Deus e de sua Palavra.

Não leia a Bíblia como quem deseja aprender zoologia, botânica ou arqueologia. Leia a Bíblia como se estivesse colocando fones de ouvido para escutar a voz de Deus, e assim ele falará com você como já falou comigo várias vezes. Não, não espere trovoadas, vendavais e raios atravessando o céu. Como aprendemos da vez em que o Senhor falou a Elias, quando ele "entrou numa caverna e passou ali a noite", Deus fala conosco por sua Palavra de forma sutil, mas firme. Embora o seu poder pudesse ser como "um grande e forte vento que fendia os montes e quebrava as penhas... o Senhor não estava no vento; e depois do vento um terremoto; também o Senhor não estava no terremoto; e depois do terremoto um fogo, porém também o Senhor não estava no fogo; e depois do fogo uma voz mansa e delicada" (1 Rs 19:9-12).

E quando Deus nos fala assim, com "uma voz mansa e delicada", ele o faz de forma a quebrar todo nosso orgulho, porque é nele que reside nossa resistência. Se reparar na passagem toda verá que Elias, desapontado com Deus porque as coisas não saíram como ele desejava, escondeu-se numa caverna, e quando o Senhor lhe perguntou "Que fazes aqui Elias?", ele logo quis mostrar serviço, gabando-se de como era fiel a Deus e coisa e tal. "Os filhos de Israel deixaram a tua aliança, derrubaram os teus altares, e mataram os teus profetas à espada, e só eu fiquei..." e repete uma segunda vez, "Eu tenho sido em extremo zeloso pelo Senhor Deus dos Exércitos, porque os filhos de Israel deixaram a tua aliança, derrubaram os teus altares, e mataram os teus profetas à espada, e só eu fiquei." (1 Rs 19:10, 14).

O Senhor poderia ter dito a Elias, em tom de ironia, "Uau, Elias, você é bom mesmo, hein? Todos deixaram minha aliança e só você ficou? Só você? Tem certeza?". Mas o Senhor não diz isso, mesmo com Elias comparando-se a todos os outros de Israel que ele considerava inferiores a si em termos de fidelidade e devoção a Deus. A sutil puxada de tapete o Senhor dá no versículo 18 do mesmo capítulo: "Também deixei ficar em Israel sete mil: todos os joelhos que não se dobraram a Baal, e toda a boca que não o beijou." (1 Rs 19:17).

Sete mil! Elias se gabando de ter sido o único que permanecido fiel ao Senhor, e agora vai ser obrigado a dormir com essa: "Deixei ficar em Israel sete mil... que não se dobraram a Baal, e toda a boca que não o beijou". Mas a sutil reprimenda do Senhor não foi a única coisa a atingir Elias. A partir daquele momento o profeta estava de aviso prévio, pois logo Eliseu tomaria seu lugar como profeta. Apesar de ter sido um dos maiores profetas de Israel, esta falha de Elias em razão de seu orgulho lhe custaria o posto. E é neste sentido que Deus sempre pode falar a você e a mim, mas no sentido de quebrar nossa resistência e orgulho, e em especial nossa pretensa capacidade de entender todas as coisas. Ainda que eu e você sejamos tão fortes e poderosos quanto o beemote e o leviatã, tem um que é mais que tudo e que todos: o Senhor. Este é o tema aqui.

Talvez a primeira vez que ouvi a voz de Deus falando claramente a mim pelas páginas da Bíblia foi justamente ao abri-la a esmo e cair no capítulo 41 de Jó. Eu estava passando por um forte estresse, pois minhas crenças em esoterismo, religiões orientais, espiritismo, reencarnação e coisas do tipo desmoronavam uma a uma e me deixavam na mão, sem me dar um sentido para a vida. Eu tinha escutado o evangelho por meio de um colega da faculdade e estava meio como Jacó, brigando com Deus. Tentava resistir ao máximo quando, certa noite, sozinho no apartamento onde morava e bastante chateado e revoltado com Deus, a quem eu nem conhecia de fato, peguei uma Bíblia de capa verde, da edição Ave Maria, que havia ganhado da mãe de minha namorada, e disse, em voz alta e tom de desafio: “Se o Senhor realmente existe, me mostre!”.

Foi aí que abri a Bíblia a esmo e dei de cara com os últimos capítulos de Jó. Enquanto lia este capítulo 41 parecia que Deus estava ali, bem diante de mim, com o dedo em riste, ralhando comigo e com minha total imbecilidade em tentar entender coisas que eram maravilhosas demais para mim. Ele falava comigo como falava com Jó: “Você sabe com quem está falando? Você sabe quem é que faz parir as cabras monteses? Você sabe quem faz a neve descer do céu? Você sabe isso, sabe aquilo? Então cale sua boca porque você não sabe de nada!”.

Li aquele capítulo, deitei na cama, fechei a Bíblia, puxei a coberta até por cima da cabeça e tentei dormir. Pensei comigo: “Ai, o negócio aqui ficou sério!”. Eu tinha acabado de desafiar Alguém a quem nunca conhecera de verdade e agora me sentia como se tivesse tomado um daqueles raios redutores dos filmes de ficção científica, que fazem a pessoa ficar do tamanho de uma barata. Sentia como se Deus estivesse com o dedo na minha cara, dizendo: “Cale essa boca! Você tem muito que aprender. Não fique falando do que entende!”. Mais adiante eu viria a me converter, não me lembro se em questão de semanas ou meses talvez. Mas aquilo foi muito forte. E Deus fala e continua falando, e muitas vezes é no sentido de quebrar minha resistência, orgulho e amor próprio. Se existe alguém capaz de furar a couraça deste beemote aqui e fisgar a mandíbula do leviatã que sou, esse alguém é Deus.

Então quando você encontrar algo como um beemote ou leviatã em sua Bíblia, e ficar achando que só será feliz se descobrir o significado disso, raciocine assim: Tudo o que puder ser aprendido numa escola, mesmo de teologia, por qualquer pessoa estudiosa, não é o conhecimento real do que Deus quer nos passar pela Palavra, não é o que realmente importa. Leia 1 Coríntios 2 e você entenderá que o real conhecimento bíblico é aquele que nem os maiores sábios do mundo poderiam aprender com seus cérebros e capacidade de aprendizado, e jamais poderiam ter ensinado.

O conhecimento real pertence àqueles que têm uma nova vida e o Espírito Santo habitando em si. Nasceram de novo, creram em Jesus como Salvador, foram justificados por essa fé, e selados com o Espírito Santo. Agora possuem a mente de Cristo, que lhes capacita frequentar uma aula à qual os sábios do mundo não têm acesso. Nunca me esqueci do exemplo dado por um irmão, que dava conta de um pequeno povoado na Inglaterra no passado, onde havia uma assembleia de irmãos reunidos. Entre eles estava o juiz da cidade, o homem mais culto e preparado para decidir os destinos das pessoas, e também o padeiro, pouco alfabetizado, que nada sabia além de fazer pão. Mas quando a igreja se reunia era o padeiro, e não o juiz, quem o Espírito Santo usava para ensinar os irmãos.

O apóstolo Paulo explicou assim, quando escreveu aos crentes em Corinto, uma importante cidade da Grécia que era o berço da sabedoria e filosofia humanas:

"A minha palavra, e a minha pregação, não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder; para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus. Todavia falamos sabedoria entre os perfeitos; não, porém, a sabedoria deste mundo, nem dos príncipes deste mundo, que se aniquilam; mas falamos a sabedoria de Deus, oculta em mistério, a qual Deus ordenou antes dos séculos para nossa glória; a qual nenhum dos príncipes deste mundo conheceu; porque, se a conhecessem, nunca crucificariam ao Senhor da glória. Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, E não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam. Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus. Porque, qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus. Mas nós não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que provém de Deus, para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus. As quais também falamos, não com palavras de sabedoria humana, mas com as [palavras] que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais. Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido. Porque, quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo." (1 Co 2:1-16).

Quer entender mesmo a Bíblia? Confie em Deus, e ele lhe dará o conhecimento quando precisar dele, não para que o acumule sem necessidade. Aprenda desde logo que a Bíblia não é um livro para satisfazer a curiosidade humana e que ela é hermética para o olhar do ímpio. É por isso que ateus, quando tentam usar a Bíblia para contestá-la, falam tanta bobagem. Mas Deus nada esconde dos que são seus, mas como um Pai que ensina seus filhos conforme a capacidade de entenderem, do mesmo modo como os pais criam seus filhos, dando leite, depois mingau, depois alimentos sólidos e assim por diante. Se desconfiarmos de Deus, achando que ele escondeu de nós alguma informação que achamos importante — como a revelação de que animais seriam o beemote e o leviatã —, estaremos adotando a mesma posição de Eva. Ela caiu na conversa de Satanás quando acreditou que Deus estaria privando ela e seu marido da melhor parte, de se tornarem como Deus, conhecedores do bem e do mal. Nem preciso dizer a você o que aconteceu com os primeiros seres humanos que desconfiaram da bondade de Deus.

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana