As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.
ATENÇÃO: POR FALTA DE TEMPO SÓ RESPONDEREI PERGUNTAS INÉDITAS. NÃO RESPONDO NO WHATSAPP.
PESQUISE "assunto"+"mario persona" NO GOOGLE PARA VER SE JÁ EXISTE RESPOSTA.

Pesquisar este blog

Cristao pode comer carne de porco?



https://youtu.be/WEiTIw9HRew

Sim, nada impede que o cristão coma carne de porco e derivados, além de peixes de couro, crustáceos e outros animais que eram proibidos na Lei dada a Moisés.. As coisas que foram escritas no Antigo Testamento, inclusive na Lei dada aos israelitas, eram figuras ou sombras de coisas ainda futuras e neste tempo da Igreja assistimos de camarote as sombras transformadas na coisa real.

A Lei dada a Moisés não se limitava aos dez mandamentos, porém incluía centenas de ordenanças encontradas nos escritos de Moisés. Cada mandamento, cada ordenança, cada oferenda era uma figura ou sombra a nos falar de Cristo, e cada sacrifício aponta para o sangue que seria derramado na cruz para a glória de Deus e a salvação do pecador.

O Tabernáculo, a grande tenda que Deus ordenou como o lugar de adoração dos hebreus, era também uma figura de Cristo, bem como seus utensílios e até mesmo o véu, a grande cortina que impedia o acesso ao Santo dos Santos, figura da presença de Deus. É disto que fala a carta aos Hebreus, ao mencionar o véu do Templo rasgado no momento da morte de Jesus: “Portanto, irmãos, temos plena confiança para entrar no Santo dos Santos pelo sangue de Jesus, por um novo e vivo caminho que ele nos abriu por meio do véu, isto é, do seu corpo.” (Hb 10:19).

Aarão, irmão de Moisés, era uma figura do sacerdócio de Cristo, intercedendo por nós junto a Deus. Cada detalhe de suas vestes e de seu ministério apontava para o caráter e ministério de Jesus como nosso Sumo Sacerdote. Daí ser uma enorme tolice algumas religiões cristãs imitarem a moda do sacerdócio de Israel nas vestimentas de supostos sacerdotes cristãos. É disso que fala toda a carta aos Hebreus, dirigida a cristãos convertidos dentre os judeus que teimavam em manter as tradições, preceitos e costumes do judaísmo.

"Não vos deixeis levar em redor por doutrinas várias e estranhas, porque bom é que o coração se fortifique com graça, e não com alimentos que de nada aproveitaram aos que a eles se entregaram. Temos um altar, de que não têm direito de comer os que servem ao tabernáculo. Porque os corpos dos animais, cujo sangue é, pelo pecado, trazido pelo sumo sacerdote para o santuário, são queimados fora do arraial. E por isso também Jesus, para santificar o povo pelo seu próprio sangue, padeceu fora da porta. Saiamos, pois, a ele fora do arraial, levando o seu vitupério." (Hb 13:9-13).

Por mais preciosas que sejam as figuras do Antigo Testamento, a carta aos Hebreus nos exorta a não nos ocuparmos com utensílios, tabernáculos, templos, sacerdotes humanos e rituais copiados do judaísmo, mas com a realidade que agora é Cristo. Aos Colossenses Paulo referiu-se ao Antigo Testamento como “sombras do que haveria de vir” (Cl 2:16-17) e aos Coríntios que “essas coisas ocorreram como exemplos para nós” (1 Co 10:6), e Hebreus diz que são “figura e sombra das coisas celestes” e devem ser vistas como “figura do verdadeiro” (Hb 8:5; 9:24).

“Quando Cristo veio como sumo sacerdote dos benefícios agora presentes”, diz a carta aos Hebreus, “ele adentrou o maior e mais perfeito Tabernáculo, não feito pelo homem, isto é, não pertencente a esta criação. Não por meio de sangue de bodes e novilhos, mas pelo seu próprio sangue, ele entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, e obteve eterna redenção... Temos um sumo sacerdote... o qual se assentou à direita do trono da Majestade nos céus e serve no santuário, no verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu, e não o homem” (Hb 8:1-2).

Depois de saber disto, como um cristão pode de sã consciência adorar a Deus em um templo feito de tijolos, com um sacerdote humano, um altar de mentirinha e tantos utensílios piratas, cópias baratas das figuras do Antigo Testamento? E ainda fantasiado de sacerdote, vestido de roupas que já saíram de moda há alguns milhares de anos.

Mas não eram apenas essas coisas que Deus mandou construir, fazer ou vestir serviam de sombras, mas os próprios princípios dietéticos também tinham seu significado. E é aí que entra a carne de porco, que os israelitas eram proibidos de consumir. Não só porco, mas muitos animais, peixes, insetos, crustáceos e aves, cuja lista você encontra nos capítulos 11 de Levítico e 14 de Deuteronômio. As restrições serviam para indicar que o povo de Deus devia ser separado da contaminação, pois cada um desses animais representava a impureza em algum sentido.

Acelere o filme até o Novo Testamento e quando chegar ao período da Igreja e você perceberá que essas coisas caducaram. Os animais impuros também representavam os gentios, com quem os judeus não deviam se misturar. Todavia, quando o Espírito de Deus fundou a Igreja fazendo de ambos um só, não fazia mais sentido ficar colecionando sombras ou figuras que já tinham caducado. Um pouco antes de os gentios serem recebidos no corpo de Cristo, que é a Igreja, representados na pessoa do centurião Cornélio, seus familiares e amigos, Pedro teve uma visão:

"E no dia seguinte, indo eles seu caminho, e estando já perto da cidade, subiu Pedro ao terraço para orar, quase à hora sexta. E tendo fome, quis comer; e, enquanto lho preparavam, sobreveio-lhe um arrebatamento de sentidos, e viu o céu aberto, e que descia um vaso, como se fosse um grande lençol atado pelas quatro pontas, e vindo para a terra. No qual havia de todos os animais quadrúpedes e répteis da terra, e aves do céu. E foi-lhe dirigida uma voz: Levanta-te, Pedro, mata e come. Mas Pedro disse: De modo nenhum, Senhor, porque nunca comi coisa alguma comum e imunda. E segunda vez lhe disse a voz: Não faças tu comum ao que Deus purificou. E aconteceu isto por três vezes; e o vaso tornou a recolher-se ao céu." (At 10:9-16).

Era o próprio Deus ordenando que Pedro comesse animais que na Lei jamais podiam ser comidos. Mas como é que Deus muda assim? Porque ele é Deus. Nunca reparou nas palavras de Jesus, o Autor da Lei, nos evangelhos, quando ele dizia: "Ouvistes o que foi dito... eu porém vos digo..." (Mateus 5). Ali ele revogou vários pontos da Lei porque tinha autoridade para tanto. Um cristão que hoje queira viver segundo os mandamentos da Lei mosaica é como um tolo que ainda guarda em sua carteira cédulas de Cruzeiro e Cruzados achando que pode comprar alguma coisa com elas. Mais tarde, com um número maior de gentios sendo acrescentados à Igreja, surgiriam dúvidas quanto ao que poderiam ou não comer. Então...

"Congregaram-se, pois, os apóstolos e os anciãos para considerar este assunto. E, havendo grande contenda, levantou-se Pedro e disse-lhes: Homens irmãos, bem sabeis que já há muito tempo Deus me elegeu dentre nós, para que os gentios ouvissem da minha boca a palavra do evangelho, e cressem. E Deus, que conhece os corações, lhes deu testemunho, dando-lhes o Espírito Santo, assim como também a nós; e não fez diferença alguma entre eles e nós, purificando os seus corações pela fé. Agora, pois, por que tentais a Deus, pondo sobre a cerviz dos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós pudemos suportar? Mas cremos que seremos salvos pela graça do Senhor Jesus Cristo, como eles também... E, havendo-se eles calado, tomou Tiago a palavra, dizendo: Homens irmãos, ouvi-me: Simão relatou como primeiramente Deus visitou os gentios, para tomar deles um povo para o seu nome... Para que o restante dos homens busque ao Senhor... Por isso julgo que não se deve perturbar aqueles, dentre os gentios, que se convertem a Deus. Mas escrever-lhes que se abstenham das contaminações dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue." (At 15:6-20).

Portanto se você está ligado a uma religião que tenta aplicar hoje os preceitos dietéticos — como a proibição de se comer carne de porco — e outras leis do Antigo Testamento — como guardar o sábado —, saiba que isso nada mais é do que ir na contramão do que Deus determinou. Essa determinação foi primeiro para Pedro em sua visão, depois pelo Espírito Santo que falou por boca de Pedro e Tiago nesse evento em Jerusalém. Os líderes de religiões legalistas, sabatistas e judaizantes nada mais são do que uma versão moderna dos fariseus, "pondo sobre a cerviz dos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós pudemos suportar." (At 15:10).

Por esta e outras razões costumo dizer que todo legalista é um hipócrita, pois foi assim que Jesus definiu os fariseus de seu tempo: "Hipócritas, bem profetizou Isaías a vosso respeito, dizendo: Este povo se aproxima de mim com a sua boca e me honra com os seus lábios, mas o seu coração está longe de mim. Mas, em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens." (Mt 15:7-9). 

http://www.respondi.com.br/2009/07/devemos-rasgar-o-antigo-testamento.html

por Mario Persona

Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

Mais acessadas da semana